Alunos universitários ponderam deixar os estudos por causa de problemas financeiros

Cerca de um quarto dos alunos do ensino superior afirma ter dificuldades em sustentar os custos da vida universitária, devido às dificuldades financeiras desenvolvidas com a pandemia. Após pagarem propinas, alojamento e transportes, estudantes partilharam que apenas têm cerca de 50 euros disponíveis para pagar outras despesas. Alguns universitários estão a considerar abandonar os estudos e deixar a universidade.

Estes dados foram concluídos a partir de uma consulta desenvolvida entre 24 de março e 10 de abril por 11 instituições e federações académicas. A consulta pretendia avaliar o impacto da crise pandémica ao nível da habitação e rendimentos.

O estudo nacional foi desenvolvido pelas academias de Lisboa, Porto, Minho, Trás-os-Montes e Alto Douro, Beira Interior, Évora, Algarve, Açores e Madeira, e pela Federação Nacional de Associações de Estudantes do Ensino Superior Politécnico. Os resultados partilhados esta terça-feira, dia 4 de maio, contam com respostas de cerca de quatro mil estudantes que se encontram a frequentar uma licenciatura ou mestrado nas instituições de ensino portuguesas.

As associações académicas revelaram que foi visível “um grande impacto causado pela covid-19”, retratando que cerca de um terço dos alunos afirmaram que as possibilidades económicas de que dispunham mensalmente foram condicionadas pela pandemia. Um em cada cinco (29,1%) estudantes inquiridos declararam que, após pagarem as suas despesas fixas, apenas ficam com 50 euros; 24, 9% apresentam pouco mais de 100 euros.

As dificuldades financeiras surgiram, segundo um terço dos universitários, depois da situação financeira familiar se ter agravado, por exemplo, com a perda de emprego por parte de um dos elementos do agregado familiar; 27.5% dos inquiridos relataram que os problemas financeiros desenvolveram-se quando os negócios de família começaram a ser afetados. Além disso, no último ano, cerca de metade dos alunos que pertenciam à categoria de trabalhadores-estudantes ficaram sem emprego ou entraram em lay-off. Face a estes cenários, 7% dos participantes do estudo assumiram pensar em deixar de estudar.

No que diz respeito às condições de estudo em casa, 130 alunos declararam não ter um computador pessoal e 9,5% afirmaram não apresentar um espaço propício para estudar. Adicionalmente, 20% relataram ter constantes falhas de rede durante o ensino online.

O estudo nacional também avaliou o impacto da pandemia na saúde mental dos universitários. No entanto, os resultados provenientes desse questionário ainda não foram partilhados.

Alerta da ONU: “Gravidade da seca em Portugal é impressionante”

Portugal atravessa uma seca “impressionante” e precisa de melhorar a eficiência do uso da água, nomeadamente no setor da agricultura, alertou hoje o relator especial para os Direitos Humanos e o Meio Ambiente das Nações Unidas (ONU).

“A gravidade da seca em Portugal é realmente impressionante. Quando viajámos pelo país, foi realmente devastador ver como a paisagem está seca após estes muitos meses de seca”, afirmou David Boyd, numa conferência de imprensa realizada no Oceanário de Lisboa, sublinhando: “Podemos usar a água de forma muito mais eficiente, seja em eletrodomésticos ou em sistemas industriais que reciclam e reutilizam a água em circuito fechado”.

De acordo com o especialista da ONU, o maior utilizador de água em Portugal é o setor agrícola, sendo ainda importante, “dadas as circunstâncias atuais” no país, apostar em tipos de culturas que requerem menos água para o seu desenvolvimento.

“Precisamos de encontrar formas de utilizar a água de forma muito mais eficiente na agricultura e as suas soluções tecnológicas, como a irrigação gota a gota, que pode custar mais do que a irrigação convencional, mas que é muito mais amigável do ponto de vista da eficiência hídrica”, argumentou.

David Boyd abordou ainda a possível reciclagem de água em algumas cidades portuguesas, ao notar a existência de tecnologias que podem purificar para o consumo ou, em última instância, para a sua utilização na produção agrícola.

Confrontado sobre a escassez de água no futuro e os riscos de possíveis racionamentos no consumo de água em alguns pontos do país, David Boyd defendeu que a instalação de dessalinizadoras não será a melhor resposta: “Usar a água com muito mais eficiência será uma solução menos cara e menos prejudicial ao meio ambiente do que a dessalinização. A dessalinização tem custos muito elevados, também requer energia e produz resíduos”.

Simultaneamente, o relator especial para os Direitos Humanos e o Meio Ambiente da ONU alertou para a importância de melhorar os sistemas de abastecimento de água – quer ao nível de água potável, quer nos sistemas de águas residuais – dentro das cidades perante a elevada quantidade de desperdício através de fugas.

“Garantir que essa infraestrutura é monitorizada e alvo de uma manutenção regular é uma peça essencial do puzzle, porque isso é água que está a ser desperdiçada”, sentenciou.

A visita de David Boyd incluiu contactos com representantes do Governo, das autoridades nacionais, das autarquias locais, da sociedade civil, das empresas, do mundo académico, de jovens, de agências da ONU e outros especialistas. O relatório completo desta missão será apresentado apenas em março de 2023 ao Conselho dos Direitos Humanos da ONU.

Governo decide: Luzes de natal nos espaços públicos só até às 00h00

Neste natal e ano novo, a iluminação pública alusiva à quadra natalícia terá que ser ajustada aos horários definidos pelo governo, como medida para a poupança de energia.

Assim, as luzes de natal só poderão funcionar das 18h00 às 24h00.

A medida faz parte de uma resolução do Conselho de Ministros, publicada esta terça-feira em Diário da República. Dela fazem parte outras regras relacionadas, por exemplo, com a climatização dos espaços.

Fonte: O Minho

Luto: Faleceu o Professor famalicense Álvaro Vasconcelos

Faleceu, nesta segunda-feira, vítima de doença súbita, aos 83 anos, o Professor Álvaro Vasconcelos.

O docente, nos últimos anos, deu aulas da disciplina de história na Escola Secundária Camilo Castelo Branco. Foi professor e investigador com uma das carreiras mais longas em Vila Nova de Famalicão, tendo marcado várias gerações de famalicenses.

Não haverá cerimónia religiosa, no entanto, o corpo estará em câmara ardente esta quinta-feira das 9h às 14h na capela da antiga Matriz.

 

Famalicão: Bombeiros recebem alerta para incêndio habitacional

Os Bombeiros Voluntários Famalicenses foram, na tarde desta terça-feira, alertados para uma situação de incêndio habitacional.

O alerta para a ocorrência, na Rua do Príncipe Real, foi dado cerca das 13h30 e para o local foram mobilizadas duas viaturas com oito operacionais.

De acordo com fonte do socorro, a situação ficou circunscrita a um utensílio de cozinha, localizado num anexo de habitação.

Braga: Homem sequestra mulher e filhas ameaçando-as com faca

Um homem sequestrou esta terça-feira, durante duas horas, a mulher e as duas filhas menores em casa em Figueiredo, concelho de Amares, mas acabou por se entregar às autoridades, disse fonte da GNR.

Segundo a fonte, o homem estava munido de uma faca e ameaçava de morte a mulher e as filhas.

O sequestro durou entre as 07:00 e as 09:00, hora a que o suspeito se entregou, após conversa com uma psicóloga do INEM. Ainda segundo a GNR, o homem sofre de perturbações do foro mental, pelo que foi transportado ao hospital, sob detenção, para tratamento.

Do incidente, não resultaram quaisquer feridos. Para o local, foram mobilizados os meios habituais para uma intervenção tático-policial