Autárquicas: voto antecipado pode ser realizado entre 16 e 19 de setembro

Residentes em lares, cidadãos internados, eleitores em confinamento obrigatório, presos não privados de direitos políticos e estudantes inscritos em instituições de ensino situados em regiões diferentes de onde estão inscritos no recenseamento eleitoral podem inscrever-se no voto antecipado entre os dias 16 e 19 de setembro. Os cidadãos que estiverem em isolamento profilático depois do dia 19 de setembro não vão poder votar.

As inscrições para o voto antecipado podem ser realizadas na internet ou por procuração numa junta de freguesia. Os votos vão ser recolhidos por equipas municipais, nos dias 21 e 22 de setembro, e vão ser abertos no dia das eleições, dia 26.

 

Eleição de Paulo Cunha «é uma boa notícia para Portugal e para Famalicão»

O presidente da Câmara Municipal reagiu à eleição de Paulo Cunha para o Parlamento Europeu. Numa publicação nas redes sociais, Mário Passos fala «numa boa notícia para Portugal e para Famalicão». O edil frisa que na Europa «vamos ter um famalicense de grande qualidade e envergadura, que nos vai representar bem e defender os nossos interesses de forma superior».

Também a líder da Concelhia do PSD reagiu à noite eleitoral. Perante os resultados no concelho, Sofia Fernandes considerou que «Famalicão deu um contributo decisivo para dar voz a Portugal na Europa. Apesar de não ser o resultado que no todo nacional gostaríamos de ter atingido esta noite, quero agradecer aos famalicenses o sinal inequívoco de apoio à Aliança Democrática e ao seu programa».

Recorde-se que a candidatura da Aliança Democrática, liderada por Sebastião Bugalho, tinha Paulo Cunha em segundo lugar da lista. A AD venceu no concelho de Famalicão, com 38.36 por cento, seguida do PS, com 33.86 por cento. A AD também venceu no distrito de Braga, com 36,19 por cento, com o PS em segundo lugar, com 32.86. A Iniciativa Liberal foi a terceira força mais votada, com 8,68.

No todo nacional, os socialistas, cuja cabeça de lista era Marta Temido, venceram com 32,1% e oito eurodeputados, à frente da Aliança Democrática, que teve 31,1% e sete mandatos.

Famalicão: Praça-Mercado cheia para ouvir candidatos da Aliança Democrática

Na noite desta quarta-feira, a Praça-Mercado encheu-se de apoiantes da Aliança Democrática (AD) para as eleições para o Parlamento Europeu. O cabeça-de-lista, Sebastião Bugalho, galvanizado pela moldura humana, assumiu a convicção de que «não há causas impossíveis para a AD» e mostrou-se «mais determinado para defender e concretizar as propostas no Parlamento Europeu que vão melhorar a vida de todos os portugueses e portuguesas».

Naquele que foi, segundo a AD, o maior comício da campanha, o número dois da lista, o famalicense Paulo Cunha, assumiu o compromisso de proximidade no trabalho a desenvolver no futuro mandato de deputado, vincando a sua experiência autárquica e o conhecimento da região. Ideias também partilhadas e sublinhadas pelo presidente da Câmara de Famalicão, Mário Passos.

Paulo Cunha apelou à mobilização nas eleições de domingo. O ex-autarca famalicense, num repto contra a abstenção, pediu uma votação «que corresponda à importância que a União Europeia representa para Portugal, enquanto beneficiário de apoios e fundos europeus. Pelo nível de assiduidade nas eleições europeias, é importante que na Europa se sinta que também em Portugal se reconhece a importância e os resultados desta construção europeia que nos beneficia», desafiou o também presidente da Distrital do PSD.

De resto e apesar do contexto europeu, Paulo Cunha não deixou de vincar que este ato eleitoral pede «a afirmação do reconhecimento do bom trabalho que está a ser concretizado pelo governo liderado por Luís Montenegro».

Neste comício, que juntou mais de mil pessoas, também participam os ministros Paulo Rangel e o famalicense Nuno Melo.

Ainda do discurso de Sebastião Bugalho sobra a manifestação de que «com a AD o impossível vai passar a ser necessário e o necessário vai passar a ser feito».

Famalicão: Sebastião Bugalho e Paulo Cunha fecham quarta-feira com comício na Praça-Mercado

Esta quarta-feira, dia 5 de junho, o cabeça de lista da AD-Aliança Democrática ao Parlamento Europeu, Sebastião Bugalho, e o número dois, Paulo Cunha, vão andar em campanha pelo distrito de Braga, com o dia a terminar em Famalicão, para um comício no Mercado Municipal, pelas 21 horas.

Mas a jornada de campanha da Aliança Democrática (PSD/CDS/PPM) abre com uma visita à praia de Cevodem/Pedrinhas em Apúlia, no concelho de Esposende. Sebastião Bugalho e Paulo Cunha serão depois recebidos em Vila Verde, para um almoço que vai ter lugar na Quinta da Aldeia, em Gême.

Na parte da tarde estão previstos encontros com a população na cidade de Braga. Às 17h30 encontram-se no Arco da Porta Nova para uma caminhada pelas ruas da cidade.

Famalicão: CDU diz que é preciso defender os direitos de quem trabalha

Vítor Rodrigues, candidato ao Parlamento Europeu e vereador da Câmara de Braga pela CDU, marcou presença na concentração dos trabalhadores da empresa Olicargo, de transporte e logística, em prol do aumento dos salários e melhores condições de trabalho.

Os trabalhadores desta empresa, que presta serviços à Continental-Mabor, denunciam a redução real dos ordenados.

Em comunicado, Vítor Rodrigues assume que «é necessário romper com as políticas de compressão salarial, com a redução de direitos sociais e laborais, com a política de referenciais mínimos que procura um nivelamento por baixo das condições de vida e de trabalho, contida no designado “Pilar Europeu dos Direitos Sociais”». O candidato da CDU diz que é necessário «romper com o aumento das desigualdades na distribuição da riqueza, com as crescentes injustiças sociais, resultado de sucessivas estratégias desreguladoras e liberalizadoras».

Para a CDU, há uma necessidade de mudança e de uma luta contínua «para alcançar um Portugal mais justo e desenvolvido, onde os trabalhadores sejam verdadeiramente valorizados».

Famalicão: Paulo Cunha quer que a EU valorize as tradições de cada território

O candidato a eurodeputado da AD-Aliança Democrática esteve, no passado sábado, na Mostra Comunitária de Delães. Paulo Cunha, número dois da lista, esteve acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal, Mário Passos, e pelo presidente de Junta de Freguesia, Francisco Gonçalves.

No regresso a um projeto que iniciou enquanto presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha sublinhou os méritos da iniciativa que vida manter «bem vivas as tradições de cada território. É preciso valorizar o artesanato, a gastronomia local, mas também mostrar a riqueza do tecido associativo de cada localidade. Ao fazê-lo, reforçamos a nossa identidade e criamos laços comunitários», defendeu o famalicense que é, também, vice-presidente da direção nacional e presidente da distrital de Braga do PSD.

Paulo Cunha defende que a União Europeia «deve potenciar a afirmação local e privilegiar a mais-valia que representa a imensa diversidade do espaço europeu, reconhecendo as vantagens de cada território ter a sua especificidade e resistindo à tentação pela homogeneização». Por isso, e uma vez eleito para o Parlamento Europeu, compromete-se «a defender o direito à diferença, o reforço da identidade e o aprofundamento da matriz comunitária dos nossos territórios”, assumiu.

Famalicão: PS volta a criticar orçamento das Festas Antoninas

A poucos dias do arranque das Festas Antoninas, o PS emitiu um comunicado onde volta a contestar o valor do orçamento municipal para estas festividades e compara com o que é gasto em festas populares dos concelhos vizinhos, para concluir que em Famalicão há «um despesismo injustificável».

Por comparação, diz que outros municípios, «também com festas concelhias enraizadas e com projeção nacional e internacional», apresentam «programas similares e orçamentos consideravelmente mais baixos, que em alguns casos atingem metade do dinheiro que é gasto em Famalicão». Os socialistas citam o orçamento da Festa das Cruzes, em Barcelos, edição de 2024, que rondou os 575 mil euros, com Xutos & Pontapés, Ana Moura, Fernando Daniel e os Quatro e Meia, como cabeças de cartaz; também o de S. João de Braga, que tem dez dias de festa e custa meio milhão de euros, com The Gift, David Carreira e Ana Malhoa. Apontam, ainda, o orçamento global das Festas de S. João do Porto que «é de 680 mil euros», com Quim Barreiros, Augusto Canário, Diapasão, Bandalusa, Zé Amaro, Jorge Guerreiro e Ana Moura.

O PS garante que é a favor da realização das Festas Antoninas e defende que as mesmas devem ter um programa rico e diversificado, que garanta «dignidade, brilho e larga participação popular». Mas considera que quase um milhão de euros não se adequa ao «contexto económico atual e ao programa apresentado». Além de perguntar ao presidente da Câmara onde é gasto este valor, os socialistas interrogam-se sobre qual será a fasquia do próximo ano.

Recorde-se que por altura da votação do programa e orçamento na reunião de Câmara, e perante o mesmo teor das críticas socialistas, o presidente da Câmara Municipal justificou a subida do orçamento com um maior número de atividades e com uma maior aposta nas Marchas Antoninas, que terão apresentação multimédia em ecrãs pela cidade.