Brasil testa vacina do Reino Unido contra a Covid-19

Os testes começaram no estado de São Paulo, o mais rico e populoso do país, no passado fim de semana, após a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), responsável por fiscalizar testes e medicamentos.

A iniciativa é liderada pelo Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e tem o apoio financeiro da Fundação Lemann, mantida e criada pelo bilionário brasileiro Jorge Paulo Lemann.

Em comunicado, a Fundação Lemann comemorou o início dos testes da vacina de Oxford no Brasil, embora tenha alertado que os resultados não serão imediatos.

“Os especialistas têm um importante caminho a percorrer antes que possam celebrar bons resultados. O que virá a seguir, ainda não sabemos”, afirmou Fundação Lemann.

O projeto tem como objetivo testar a vacina num grupo de 2.000 pessoas no Brasil, tornando-o o primeiro país a iniciar testes em humanos fora do Reino Unido para testar a imunização contra o Sars-Cov-2.

Os resultados dos testes, segundo a Unifesp, serão essenciais para o registo da vacina no Reino Unido, previsto para o final deste ano e que dependerá da conclusão dos estudos realizados em todos os países participantes.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo número de infetados e de mortos (mais de 1,1 milhões de casos e 51.271 óbitos), depois dos Estados Unidos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta semana que o número de infetados podem ser maiores, já que, segundo o organismo, o país realizou poucos testes para descobrir quantas pessoas tiveram contacto com o vírus no Brasil.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 472 mil mortos e infetou mais de 9,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Famalicão: Município quer que refugiados ucranianos se sintam em casa

O presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Mário Passos, recebeu, esta sexta-feira, um grupo de refugiados ucranianos, recém-chegados a Famalicão. São já mais de 30 os refugiados em Famalicão, que estão a receber ajuda de familiares, amigos, empresas e do município. Os que fogem da guerra são, sobretudo, crianças e mulheres.

O município, com a ajuda de particulares, instituições e empresas, está a encetar todos os esforços para trazer mais pessoas que fogem da guerra na Ucrânia. Famalicão poderá acolher algumas centenas de pessoas.

Emigrante português com 35 anos morre em acidente de trabalho num hotel de Bruxelas

Um emigrante português morreu, esta segunda-feira, ao cair de uma altura superior a 30 andares, no Hotel Sheraton, em Bruxelas, na Bélgica.

O acidente aconteceu cerca das 16h00 e, depois da queda, a vítima terá embatido com violência numa plataforma instalada no exterior do 3º piso.

O português de 35 anos participava nas obras de requalificação daquela unidade hoteleira.

O óbito foi declarado no local.

É de Famalicão emigrante de 35 anos que morreu em acidente de trabalho em Bruxelas

Depois de IKEA, grupo ZARA fecha mais de 500 lojas na Rússia

O grupo Inditex, dono de marcas como Zara, Stradivarius, Bershka ou Massimo Dutti, anunciou que vai fechar as mais de 500 lojas em território russo.

Esta é mais uma decisão que surge na sequência da invasão de tropas russas à Ucrânia.

O grupo Inditex segue, desta forma, outros grandes grupos que já tomaram a decisão de abandonar a Russia.

 

Presidente da Ucrânia envia mensagem a Portugal para agradecer o apoio que tem recebido

O Presidente da Ucrânia utilizou as redes sociais para deixar uma mensagem de agradecimento a Portugal.

Volodymyr Zelensky refere que falou com Marcelo Rebelo de Sousa e agradeceu todas as medidas que receberam o apoio português.

Veja a mensagem

Governo ucraniano quer confundir tropas russas e pede que população arranque placas de trânsito

O governo ucraniano fez mais um apelo à população: Desta vez é pedido à comunidade que se mobilize nas ruas e remova todas as informações de trânsito.

Desta forma, o governo ucraniano acredita que é possível confundir as tropas russas, uma vez que sem essas placas elas deverão ficar desorientadas.

A informação está a ser transmitida à população através de vários meios, como é exemplo a internet.

Lá fora: França testa radares que vão multar veículos que façam muito barulho

Há novos radares em França que, para além de controlarem a velocidade, vão controlar o ruído emitido pelos veículos.

Estes novos equipamentos já foram instalados nas imediações de Paris e estão por esta altura a serem testados. Terminada esta primeira fase, os novos radares vão começar a multar todos os veículos que façam um ruído superior a um determinado número de decibéis.

Ainda não é conhecido o limite de decibéis permitido, contudo, já se sabe que a multa mais baixa é de 135 euros.