Candidaturas ao Programa Academia Digital Para Pais termina esta sexta-feira

A E-REDES e a Direção Geral da Educação (DGE) têm em curso a 2ª edição da Academia Digital Para Pais. O projeto de literacia digital dá a pais e encarregados de educação a oportunidade de frequentarem ações de formação promotoras de competências digitais para facilitar o acompanhamento escolar dos filhos e ainda contribuir para a sua valorização pessoal e profissional.

Há já 225 agrupamentos escolares inscritos nesta 2ª edição, cobrindo todo o território continental. Os pais interessados devem inscrever-se até esta sexta-feira, 22 de outubro, nas escolas frequentadas pelos filhos. A iniciativa destina-se às famílias dos alunos do 1º, 2º e 3º ciclos do Ensino Básico, contemplando dois níveis de formação: competências digitais básicas e segurança e cidadania digital, num total de até 16 horas de formação gratuita.

A iniciativa contempla sessões de formação nas escolas dos alunos, em regime pós-laboral, e serão dadas por professores e/ou jovens alunos, em regime de voluntariado. Os conteúdos programados contemplam várias temáticas e vão desde os procedimentos básicos de utilização da internet, à criação de emails, consulta de sites até aos cuidados de segurança a ter em ambientes digitais.

Desenvolvido com o objetivo de apoiar as famílias no contexto das aulas à distância impostas pela pandemia, o programa, na sua 1ª edição (ano letivo 2020/2021), beneficiou cerca de 1.000 famílias e contemplou 1.048 horas de formação, tendo envolvido 53 agrupamentos escolares, com 344 formadores e incidiu nas escolas em Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP).

Nesta 2ª edição, o projeto reforça conteúdos e alarga o universo inicial de escolas aos restantes estabelecimentos de ensino público, mantendo a objetivo de contribuir para a valorização pessoal e profissional de pais e para o sucesso escolar dos filhos.

A Academia Digital para Pais assenta na convicção de que a cidadania digital é indispensável à inclusão social.

Regulamento e mais informações em: https://www.dge.mec.pt/academia-digital-para-pais

Famalicão: “Saúde Mental nos Jovens vs A Juventude enquanto Futuro da Europa” na Camilo Castelo Branco

Decorreu, esta quarta-feira, mais uma sessão do Chá Europeu, na Escola Secundária Camilo Castelo Branco. A iniciativa foi dinamizada por alunos e professores, que integram os programas Escola Embaixadora do Parlamento Europeu, Clube Europeu e Parlamento dos Jovens.
O tema, “Saúde Mental nos Jovens vs A Juventude enquanto Futuro da Europa”, foi debatido com João Bessa (Psiquiatra), Sofia Fernandes (vereadora da Câmara Municipal), Isabel Baltazar (coordenadora Nacional Escola Embaixadora) e Carlos Teixeira (Diretor do Agrupamento de Escolas).
Eduardo Sá, Psicólogo Clínico e Psicanalista, por motivos pessoais, não esteve presente, mas fez chegar a sua mensagem relativamente ao tema.
O evento foi enriquecido, ainda, pelos alunos Carolina Castro, Marta Pires, Eduarda Dewasmes, grupo do 1º ao 3º ciclo, com dança, música, teatro e poesia, tendo sido apresentados por Álvaro Vieira de Castro e Maria João Barbosa.
A participação ativa de alunos e professores dos Cursos de Restauração e Audiovisuais também ajudou ao sucesso desta atividade que se afirma como um marco a nível local, nacional e europeu.

“Bodycams” só devem ser utilizadas em situações de perigo, emergência e ordem pública

O Conselho de Ministros aprovou, esta quarta-feira, a regulamentação das regras de utilização das câmaras portáteis de uso individual (“bodycams”) pelos agentes da Polícia de Segurança Pública e Guarda Nacional Republicana.

O Ministério da Administração Interna, tutelado por José Luís Carneiro, define, assim, a regulamentação, designadamente no que concerne às regras de utilização e de conservação dos dados. Desde logo, e segundo o documento aprovado, os agentes só podem usar “bodycams” quando estiver causa «a ocorrência de ilícito criminal, situação de perigo, emergência ou alteração da ordem pública». As gravações «não carecem de consentimento dos envolvidos». No entanto, o elemento policial deve proceder, antes do início da gravação, ao anúncio verbal de que irá iniciar a gravação e indicar, «se possível» a natureza da ocorrência que motivou a gravação e as testemunhas presentes no local.

A lei define também que a captação e gravação de imagens é obrigatória quando ocorra o uso da força pública sobre qualquer cidadão ou o recurso a quaisquer meios coercivos, «sendo proibida a gravação permanente ou indiscriminada de factos que não tenham relevância probatória; em todas as circunstâncias, deve ser respeitada a dignidade dos cidadãos e preservados os direitos pessoais, designadamente o direito à imagem e à palavra».

As “bodycams”, que apenas podem ser distribuídas aos elementos da PSP e GNR exclusivamente para registo de imagem e som em contexto de ação policial, são fixas ao uniforme ou equipamento do agente policial e colocadas de forma visível.

A legislação aprovada prevê que a gravação seja acionada, sempre que possível, antes do início da intervenção ou do incidente que a motivou ou logo que seja possível. Entre outras regras, o Ministério de José Luís Carneiro estipula que «a gravação deve ser ininterrupta até à conclusão do incidente».

As imagens «apenas podem ser acedidas» no âmbito de processos de natureza criminal e disciplinar contra agente das forças de segurança e para inspecionar as circunstâncias da intervenção policial, sempre que tal seja fundamentadamente determinado pelo dirigente máximo da força de segurança.

Famalicão: CIOR acolhe alunos belgas

A Escola Profissional CIOR será a entidade de acolhimento, no âmbito do programa Erasmus+, de um grupo de alunos da Bélgica, que frequentam o Atlas College, da cidade de Genk.

Uma delegação desta escola esteve, esta semana, na CIOR tomando conhecimento dos diferentes laboratórios e oficinas, preparou o processo de mobilidade e visitou empresas do município de V. N. de Famalicão.

Os alunos belgas vão realizar estágios em empresas famalicenses do setor das instalações elétricas, metalomecânica e carpintaria.

Nilza Jardim, do Gabinete de Projetos da CIOR, regista com agrado o facto da escola ser «uma referência» por parte de parceiros europeus, situação que, do seu ponto de vista, «resulta do histórico ao longo dos mais de 30 anos da escola em termos de projetos e mobilidades no espaço europeu, das boas práticas desenvolvidas e dos resultados alcançados».

A delegação belga teve, ainda, a oportunidade para conhecer o tecido empresarial famalicense, a sua diversidade, a capacidade empreendedora dos empresários e vantagens comparativas do território.

Famalicão: Ministério Público manda arquivar processo dos alunos que não frequentam aulas de Cidadania

Por ordem do Ministério Público, será arquivado o processo que corria em Tribunal relacionado com os dois irmãos, filhos de Artur Mesquita Guimarães, que não frequentam as aulas de Cidadania e Desenvolvimento, por decisão dos pais que alegavam objeção de consciência.

Assim, ficará sem efeito a decisão do Tribunal de Família e Menores, que tinha agendada audição para esta sexta-feira, onde poderia decidir pela tutela dos jovens à escola durante o período de aulas.

A família Mesquita Guimarães já agradeceu o apoio que tem recebido nesta sua luta que dura desde 2018/19.

 

Tribunal de Famalicão pode decidir esta sexta-feira sobre futuro dos irmãos que não frequentam aulas de Cidadania

O Tribunal de Família e Menores de Famalicão tem marcada para esta sexta-feira, dia 9 de dezembro, a audiência que pode decidir sobre o futuro escolar dos dois irmãos Mesquita Guimarães que não frequentam as aulas de Cidadania e Desenvolvimento desde 2018/19, por decisão dos pais.

Bons alunos às restantes disciplinas, os dois irmãos têm vindo a transitar de ano, apesar de chumbados por faltas à disciplina obrigatória de Cidadania e Desenvolvimento. Os pais têm contestado em Tribunal a decisão, o que faz com que os alunos transitem de ano.

O Ministério Público do Tribunal de Família e Menores de Famalicão pediu em abril que os jovens ficassem sob tutela da direção da escola durante o período de aulas, considerando esta a única medida «que se apresenta como do superior interesse dos jovens». Houve uma sessão marcada no início de julho que acabou suspensa e que foi agora marcada.

Recorde-se que o Ministério da Educação considera que o objetivo passa pela criação, a título excecional, de planos de recuperação, conforme previsto na lei, para que os alunos possam ter aproveitamento positivo a esta disciplina.

Como tem vindo a ser referido, os pais defendem que a educação para a cidadania é uma competência da família, não aceitando que matéria como “Educação para a igualdade de género” e “Educação para a saúde e sexualidade” seja ensinada fora da família. Na opinião deles, a educação no sistema público não pode seguir nem impor diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas.

A audiência está marcada para esta sexta-feira, às 9 horas, pede apoio de quem se identifica com a sua causa.

Famalicão: Alunos da EB de Delães exploram a Casa do Território

Os alunos do 3º ano da EB de Delães visitaram a Casa do Território, no Parque da Devesa, no dia 28 de novembro. As crianças tinham como objetivo conhecer melhor o território, as suas personalidades e principais atividades.

Num só espaço ficaram a conhecer Bernardino Machado, Alberto Sampaio, Camilo Castelo Branco e Soledade Malvar. Para além das personalidades, também perceberam que existem museus importantes, com um significativo espólio.

A visita só terminou depois de os alunos conhecerem as indústrias que levam o nome de Vila Nova de Famalicão a todo o mundo, como é o caso de Vieira de Castro, Riopele, Louropel, Continental Mabor e Leica.

Rafael Azevedo, Lara Sampaio e outros meninos, intitulados “Somos os Exploradores”, ficaram encantados com as surpresas deste espaço e, no final, demonstraram os conhecimentos adquiridos.