Comando Distrital da PSP alerta para esquema de venda de perfumes… e algo mais sobre as mulheres

Num comunicado oficial, emitido esta quinta-feira, o Comando Distrital de Braga da PSP diz ter tomado conhecimento, em notícias publicadas nos jornais e nas redes sociais, de um esquema de venda de perfumes junto de senhoras, sendo que os autores dos alegados crimes tentam «fazer algo mais do que a hipotética venda dos produtos». Estas notícias estão a causar alarme social, mas as autoridades policiais não têm qualquer registo ou queixa.

No entanto, e pese embora «não ter qualquer comunicação de situações semelhantes às que são descritas», a PSP solicita que caso alguém tenha vivenciado alguma destas situações deve comunicar, de imediato, às polícias (PSP e GNR), «para que estas possam realizar as respetivas investigações», consta do comunicado.

6 Comments

  1. Eles estavam no estacionamento do supermercado auchan Famalicão, queiram vender os ultimos perfumes porque iam para Lisboa e faziam preços mais baratos.

  2. Só não entendo como há tantos supostos casos e estando a ser divulgado nas redes sociais não há queixas na polícia. Portugueses a querer que haja milagres!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Famalicão: Lago Discount vendido a empresa da região e fundo de investimento

O presidente da Câmara Municipal, Mário Passos, anunciou, esta terça-feira, durante a visita à Pafil, no Louro, que o Lago Discount foi vendido.

Muito embora Mário Passos não tenha avançado com pormenores sobre esta venda, CIDADE HOJE sabe que a venda do Lago Discount, em Ribeirão, resulta de um processo que envolve uma empresa da região norte e um fundo de investimento.

A ideia é revitalizar aquele espaço comercial. Os novos promotores acreditam neste projeto e conceito comercial e tendem, no futuro, a desenhar novas ideias que permitam acrescentar mais-valias a este espaço comercial.

O Lago Discount é um espaço comercial único no país, quer pela sua dimensão, de 81 mil metros quadrados, quer pela diversidade da oferta, organizada por sectores de actividade desde a moda, ao mobiliário e decoração, hipermercado e restauração. O espaço integra, ainda, um parque temático de lazer e um Business Center, que oferece excelentes condições a todo o tipo de empresas, em 5 mil metros quadrados dedicados aos negócios.

Famalicão: Tribunal condena homem que matou amigo e só confessou o crime 11 anos depois

O Tribunal Criminal de Guimarães condenou o homem que confessou ter matado o amigo 11 anos depois do crime. Foi condenado a oito anos e dez meses de prisão por ter morto a tiro de caçadeira João Paulo Azevedo, na altura com 34 anos, e ter enterrado o corpo. Os factos aconteceram num pinhal em Landim.

O arguido, de 57 anos, encontra-se em liberdade e assim vai continuar, por decisão do Tribunal Criminal de Guimarães, que entendeu manter a medida de coação de Termo de Identidade e Residência; isto até que a decisão transite em julgado. Foi ainda condenado a pagar 95 mil euros de indemnização à mãe da vítima, que se constituiu assistente no processo.

Recorde-se que o crime aconteceu em 2006, em Landim, quando combinaram experimentar uma caçadeira (alterada) num pinhal, depois de a vítima procurar o arguido para lhe comprar uma arma. O arguido disparou no momento em que o amigo se encontrava de costas, tendo-o atingido na cabeça.

Segundo a presidente do coletivo de juízes, o modo como o arguido atuou, sendo caçador, pelo conhecimento que tinha no manuseamento de armas de fogo, «dirigindo a arma contra a cabeça da vítima, que estava de costas, desprotegida, impõe uma ilicitude significativa». Contudo, na leitura do acórdão, a juíza presidente disse que, em julgamento, não ficou provado que o tiro foi acidental, segundo a versão apresentada pelo arguido, nem que houve intenção de matar a vítima, segundo a acusação do Ministério Público.

O Tribunal Criminal de Guimarães teve em conta que o arguido não tem antecedentes criminais, que está inserido familiar e socialmente, e que a sua confissão «foi absolutamente relevante» e teve «uma inegável importância» para a descoberta da verdade.

Recorde-se que o arguido confessou às autoridades, 11 anos depois, alegando ter consciência pesada e para que «a alma do seu amigo pudesse ter paz».

Famalicão: Condenado a cinco anos e meio de prisão por furto

Um cidadão, de 41 anos, de Joane, foi condenado pelo Tribunal de Guimarães a cinco anos e meio de prisão por três crimes de furto qualificado, um dos quais na forma tentada, e um crime de coação. Ficou provado que, em 2021, assaltou duas residências e tentou assaltar outra, tudo em Guimarães e Vizela.

O homem vai ainda ter de pagar indemnizações de 5.425 euros e de 7.925 euros aos donos das residências assaltadas.

Para atribuição da pena, o Tribunal teve em conta também os antecedentes criminais do arguido, que soma seis condenações por crimes de roubo, furto e condução sem carta. O juiz referiu-se ainda à tipologia dos furtos praticados, considerando que constituem «uma importante fonte de alarme social, porquanto lhes está associado um sentimento generalizado de insegurança no que toca à preservação do património privado perante o ataque de terceiros».

A favor do arguido, esteve o exercício regular de uma atividade laboral até 2020 e o facto de se encontrar familiarmente bem integrado. O arguido não prestou declarações.

Um outro homem envolvido no processo foi absolvido, por falta de provas.

Relativamente aos factos, o primeiro assalto remonta a 21 de abril de 2021 e teve como alvo uma residência em Vermil, Guimarães. O arguido terá trepado o muro e forçado uma janela, tendo furtado um anel, com cinco diamantes e em ouro amarelo, de valor não inferior a 2.500 euros.

No dia 30 de maio, o arguido assaltou uma residência em Infias, concelho de Vizela, tendo estroncado uma janela e levado vários objetos, entre computadores, televisões, telemóveis, brincos, anéis e uma arma de defesa pessoal.

No dia 05 de junho, tentou assaltar uma residência em Prazins, mas “foi surpreendido” pela dona da casa, que o perseguiu até que ele lhe apontou um objeto «que aparentava tratar-se de uma arma de fogo».

 

CD Trofense elege novos órgãos sociais

A Comissão Administrativa do Clube Desportivo Trofense convoca os sócios para uma Assembleia Geral Ordinária, que terá lugar esta quarta-feira, 7 de dezembro, pelas 20:30h, na Junta de Freguesia de Bougado (São Martinho e Santiago), polo de S. Martinho.

Da ordem de trabalhos consta a eleição dos órgãos sociais para o biénio 2022/2024, ato que decorre até às 22 horas; segue-se a tomada de posse e, por último, a discussão de outros assuntos de interesse para o clube.

Só será permitida a participação de sócios do clube com as quotas em dia (inclusive a quota de dezembro de 2022); só poderão votar os sócios de idade igual ou superior a 15 anos e que tenham completado, pelo menos, três meses de associado.

Famalicão: Detido por conduzir sem carta

Na madrugada desta sexta-feira, pelas 01H00, a PSP deteve um homem, com 41 anos, que conduzia sem carta de condução.

A detenção aconteceu na Avenida Rebelo Mesquita, na cidade de Vila Nova de Famalicão. O condutor foi notificado para comparecer junto do Tribunal Judicial de Vila Nova de Famalicão.

Os Meninos Cantores da Trofa apresentam «Cantata de Pedra»

Depois do sucesso na Fundação José Saramago – Casa dos Bicos, em Lisboa e na Antiga Estação, na Alameda da Estação, chegou a vez da Casa da Cultura receber a interpretação dos Meninos Cantores do Município da Trofa, da «Cantata de Pedra», a partir do livro “José, Será Mago?”, com texto e música de Mário João Alves. O espetáculo decorre este domingo, às 11 horas.

O coro dos Meninos Cantores do Município da Trofa, fundado a 1 de outubro de 1999, foi o primeiro projeto avançado pelo pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Trofa. O coro é formado por cerca de 40 elementos e é dirigido desde a sua fundação pela maestrina Antónia Maria Serra.

«Falar nos Meninos Cantores do Município da Trofa é falar, inevitavelmente, em magia. As atuações dos nossos meninos são um orgulho não só para a autarquia, não só para o concelho, mas para o nosso país. O resultado de qualquer atuação é sempre algo brilhante», refere Renato Pinto Ribeiro, vereador da Cultura da Câmara Municipal da Trofa.