Comissão Europeia está a trabalhar em alertas de saúde no vinho como já existe nos maços de tabaco

A Comissão Europeia (CE) está a trabalhar em advertências de saúde no vinho, semelhante às presentes nos maços de tabaco, destacando os riscos para o seu uso excessivo, referiu hoje um porta-voz do organismo.
“Ninguém é contra o vinho, acho que todo mundo gosta de um copo de vinho. O Plano de Combate ao Cancro trata do consumo nocivo de álcool, que é uma preocupação de saúde pública”, sublinhou Stefan De Keersmaecker, em declarações aos jornalistas sobre a rotulagem de bebidas alcoólicas com avisos de saúde.

Este plano da UE, recordou o porta-voz, prevê uma redução do consumo nocivo de álcool “em pelo menos 10 por cento até 2025”.

O ministro da Agricultura italiano, Francesco Lollobrigida, condenou recentemente a decisão da Irlanda de incluir em todas as garrafas de bebidas alcoólicas uma etiqueta que alerte que o seu consumo é “nocivo para a saúde”.

“Apoiaremos em todos os sentidos não só ações de defesa contra a agressão de rótulos mentirosos, mas também faremos todas as ações promocionais para explicar a todos os níveis quais são os benefícios da dieta mediterrânica, na sua complexidade, e dos produtos da nossa nação”, sublinhou Francesco Lollobrigida.

O ministro italiano acrescentou que a Itália tomará medidas legais “para reivindicar o direito de não apenas de promover o vinho, mas também de impedir que algumas nações o estigmatizem com rótulos enganosos”.

Esta medida, a ser introduzida antes das projetadas pela União Europeia (UE), visa garrafas de vinho, cerveja e bebidas destiladas, e gerou receio na indústria multimilionária do vinho italiano.

A Itália revelou que irá apelar à CE, pedindo o envolvimento da Organização Mundial do Comércio, contra a introdução dos rótulos, que alertam que o álcool prejudica o fígado e está associado ao cancro.

Também o Governo português contestou na semana passada o regulamento da Irlanda sobre a rotulagem de bebidas alcoólicas, defendendo que “não estão em conformidade” com o regulamento europeu, que define regras harmonizadas de rotulagem de produtos alimentares.

“Portugal foi um dos Estados-membros da União Europeia que contestou a proposta de regulamento irlandês, por considerar que o projeto prevê a introdução de restrições à colocação, no mercado irlandês, de bebidas alcoólicas provenientes de outros Estados-membros, através da imposição de novos requisitos de rótulos destes produtos”, indicou na sexta-feira o Ministério da Economia e do Mar, em resposta à Lusa.

De acordo com os dados do executivo, em 2021, as exportações portuguesas de vinho para a Irlanda fixaram-se em 6,3 milhões de euros, um aumento de 39,5% face ao ano anterior.

A Irlanda é o 23.º cliente de vinhos portugueses a nível global e o 12.º a nível comunitário.

As advertências irlandesas semelhantes às usadas nos cigarros foram tacitamente aprovadas depois da CE não ter conseguido bloqueá-las.

O ministro dos Negócios Estrangeiros italiano, Antonio Tajani, também vice-primeiro-ministro, encontrou-se na segunda-feira com o homólogo irlandês, Micheál Martin, concordando em estabelecer negociações sobre este tema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Famalicão: Acidente na praça das portagens em Esmeriz

A manhã desta terça-feira fica marcada por um acidente de viação, na praça das portagens, na freguesia de Esmeriz, em Vila Nova de Famalicão.

O sinistro, um despiste, ocorreu no acesso às portagens e não terá provocado feridos.

A GNR foi chamada ao local e tomou conta da ocorrência.

 

Famalicão: Vai ser criada nova ligação ao Hospital e construído parque de estacionamento público

Esta quinta-feira vai a reunião de Câmara a proposta de uma nova unidade de execução urbanística entre a Avenida 9 de Julho (Estrada Famalicão-Póvoa) e a Rua Norton de Matos, na parte norte do Hospital.

A área abrange 23.490 m2, com proposta para 3.274m2 de terreno para parque de estacionamento público; uma parte destinada a edificação, com zonas comerciais e de serviços, e outras destinadas à habitação.

Esta proposta urbanística inclui um melhor acesso ao Hospital tanto para ambulâncias como para o trânsito em geral, evitando que os condutores tenham que ir à Rotunda de Santo António.

Na Avenida 9 de Julho será construída uma rotunda que permitirá simultaneamente o acesso à zona do Hospital e ao Talvai.

Esta proposta será analisada e votada na reunião de Câmara desta quinta-feira, seguindo-se um período de discussão pública que terá início no 5.º dia após a publicação do respetivo aviso em Diário da República.

Famalicão: Aparatoso despiste seguido de capotamento em Novais

O final de tarde desta segunda-feira fica marcado por um aparatoso despiste, seguido de capotamento, na Rua das Almas, em Novais, Famalicão.

O sinistro aconteceu cerca das 18h40 e, segundo as primeiras informações, terá deixado ferido um jovem.

(em atualização)

Famalicense compra raspadinha de 5 euros e ganha 77 mil

Um famalicense, cliente habitual do estabelecimento “O Guedes”, na freguesia de Cabeçudos, em Vila Nova de Famalicão, comprou uma raspadinha premiada dos Jogos Santa Casa.

O felizardo comprou o cartão premiado na última sexta-feira, sendo que só reclamou o prémio na tarde desta segunda-feira.

O homem, residente nas proximidades do estabelecimento, contou ao proprietário do espaço que o prémio lhe vai dar para pagar o resto da casa e ainda lhe sobra algum.

 

 

Câmara de Braga vai dar 200 euros às famílias por cada nascimento ou adoção

A Câmara de Braga aprovou esta segunda-feira, por unanimidade, a atribuição de um apoio de 200 euros por cada nascimento ou adoção no concelho, embora a oposição tenha classificado a medida de inconsequente e insuficiente.

A vereadora do PS Sílvia Sousa disse que a medida “é inconsequente enquanto incentivo à natalidade”, questionando ainda o facto de o apoio ser “universal”, independentemente das condições económicas de cada família.

“Não é por 200 euros que uma família decide ter filhos”, referiu, apelando a que a medida seja repensada, numa perspetiva de discriminação positiva de quem mais precisa.

Para Sílvia Sousa, uma política de apoio efetivo à natalidade e adoção deveria passar por medidas mais estruturantes no âmbito das creches e da habitação, designadamente.

Também a vereadora da CDU, Bárbara Barros, considerou que a estratégia demográfica deveria assentar numa rede pública de creches e no reforço da habitação pública, bem como na disponibilização de vacinas que não fazem parte do Plano Nacional de Vacinação.

A comunista admitiu que o apoio de 200 euros poderá ser uma “ajuda essencial” para algumas famílias e “muito curto” para outras, pelo que sugeriu um eventual reforço nos próximos anos.

O presidente da câmara, Ricardo Rio, disse que o apoio, mais do que um incentivo à natalidade e à adoção, deve ser visto como uma “recompensa” para quem decide aumentar o seu agregado familiar.

O autarca admitiu que o valor poderá subir nos próximos anos e vincou que o município tem uma política “muito proativa” no apoio à natalidade e às famílias.

“Há nove anos consecutivos que somos reconhecidos como autarquia familiarmente responsável”, referiu.

O apoio financeiro de 200 euros será atribuído às crianças nascidas entre 01 de janeiro e 31 de dezembro de 2023, cujos agregados familiares tenham residência fiscal em Braga no mínimo há um ano antes da data de nascimento.

O incentivo será também concedido a crianças com idade igual ou inferior a 6 anos que sejam adotadas durante este ano.

Será atribuído numa prestação única, por cada nascimento ou adoção, “mediante comprovativo de despesas efetuadas em bens e serviços considerados indispensáveis ao desenvolvimento saudável da criança”.

O apoio será atribuído a um dos progenitores, casados ou que vivam em união de facto, com quem a criança resida, ou ao progenitor que tiver a sua guarda ou ainda a qualquer pessoa singular a quem, por decisão judicial ou administrativa, a criança esteja confiada e com quem a mesma resida, nomeadamente por adoção.

O pedido de apoio terá de ser efetuado mediante o preenchimento de um formulário que deverá ser entregue no Balcão Único ou remetido por correio ou via eletrónica.

Famalicão: A Dona Guiomar de Ribeirão fez 102 anos

O mês de janeiro terminou em festa no Centro Social de Bairro, instituição onde se encontra Maria Guiomar Moura da Silva, que celebrou mais um aniversário.

Aos 102 anos, a Dona Guiomar, como é carinhosamente tratada, ainda tem alguma autonomia, apesar de ser constantemente acompanhada pelos profissionais do centro. A idade já se faz sentir na audição, com algumas problemas, que vão dificultando as conversas mantidas com a centenária.

Maria Guiomar Moura da Silva é natural da vila de Ribeirão, durante a sua idade ativa foi cuidadora de crianças e, apesar de não ter frequentado a escola, sabe ler.