Covid-19: 300 ventiladores para os hospitais até dia 19

Os hospitais do Serviço Nacional de Saúde vão receber, até ao dia 19, mais 300 ventiladores para “fazer frente ao novo coronavírus”, revelou o Ministério da Saúde.

Num comunicado em que elenca “aquisições e investimentos” para os hospitais públicos, em tempo de pandemia da doença covid-19, o Ministério da Saúde indica está prevista a distribuição de mais 300 ventiladores pelos hospitais públicos, “tendo por base os mesmos critérios técnicos definidos pela Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva”.

Aquele ministério prevê ainda distribuir 20 milhões de equipamentos de proteção individual – que incluem máscaras cirúrgias e máscaras de proteção FFP2 -, alocando outros cinco milhões para às áreas governativas da Segurança Social, Defesa e Justiça.

Os 25 milhões de equipamentos de proteção individual resultam de “diversos movimentos de compra”.

O Ministério da Saúde especifica que cinco milhões de máscaras cirúrgicas serão distribuídas para a região Norte, 1,6 milhões para a região Centro, 3,2 milhões para a região de Lisboa e Vale do Tejo, 130 mil para a região do Alentejo e 100 mil para a região do Algarve.

No que respeita às 1,8 milhões de máscaras FFP2 – que conferem maior proteção -, serão entregues um milhão para o Norte, 450 mil para o Centro, 350 mil para Lisboa e Vale do Tejo, 41 mil para o Alentejo e 44 mil para o Algarve.

Famalicão: CDS já marcou Congresso e Nuno Melo recandidata-se à liderança

O Conselho Nacional do CDS-PP reuniu na passada sexta-feira e marcou, para 20 e 21 de abril, o congresso do partido. Nuno Melo recandidata-se à liderança.

O famalicense, presidente da Assembleia Municipal e eurodeputado, foi eleito presidente do CDS-PP em abril de 2022, com 74,93% dos votos dos delegados ao 29.º congresso nacional do partido, que decorreu em Guimarães.

O CDS-PP integra, em conjunto com o PSD e o PPM, a Aliança Democrática que concorre às Legislativas antecipadas do próximo 10 de março.

Futebol pode receber cartão de cor azul que expulsa por 10 minutos

O futebol prepara-se para receber um novo cartão, de cor azul. Segundo avançam os ingleses do The Telegraph, o Internacional Football Association Board (IFAB) prepara-se para dar mais cor aos castigos no decurso de uma partida de futebol.

Este novo cartão vai expulsar um jogador de forma temporária e em determinadas condições. O jogador que vir o cartão azul será expulso por dez minutos se cometer uma falta antidesportiva ou faltar ao respeito ao árbitro. Dois cartões azuis na mesma partida dá direito a vermelho, ou seja, expulsão definitiva, tal como acontece com o duplo amarelo. O cartão vermelho passa também a aplicar-se em caso de exibição de um azul e outro amarelo.

Confirmando-se esta medida da IFAB os primeiros testes devem arrancar no próximo verão.

Em 2023 GNR regista 14 824 crimes de violência doméstica

Em ações de combate à violência doméstica, a GNR dá conta dos dados registados nos últimos dois anos. Assim, durante o ano 2022, foram registados 14 636 crimes de violência doméstica, tendo sido detidas 1 509 pessoas; em 2023, verificaram-se 14 824 crimes e foram efetuadas 1 587 detenções (dados provisórios).

A GNR recorda que a violência doméstica é crime público e denunciar é uma responsabilidade coletiva. Se precisar de ajuda ou tiver conhecimento de alguma situação de violência doméstica participe: no Portal Queixa Eletrónica, em queixaselectronicas.mai.gov.pt; Via telefónica, através do número de telefone: 112; no Posto da GNR mais próximo à sua área de residência, tendo os nossos contactos sempre à mão em www.gnr.pt/contactos.aspx; na aplicação App MAI112 disponível e destinada exclusivamente aos cidadãos surdos, em http://www.112.pt/Paginas/Home.aspx; na aplicação SMS Segurança, direcionada a pessoas surdas em www.gnr.pt/MVC_GNR/Home/SmsSeguranca.

A GNR dispõe de militares com formação específica para vítimas vulneráveis e núcleos de investigação de apoio a vítimas específicas para crimes com maior complexidade que envolvam todo o tipo de vítimas vulneráveis onde se incluem crianças, mulheres e idosos.

No entanto, a GNR alerta que o melhor é a prevenção dos comportamentos violentos, para isso sensibiliza a comunidade para a promoção de uma cultura de não-violência. Neste âmbito, a GNR tem vindo a reforçar as campanhas de sensibilização e a apostar em ações específicas de formação do seu efetivo, para que esteja cada vez mais bem preparado para participar, enquadrar, tratar e acompanhar este tipo de situações, melhorando ainda a sua rede de salas de atendimento às vítimas.

Famalicão: CDU defende investimento no hospital e reforço do SNS

Esta posição surge após uma reunião de dirigentes e ativistas locais da CDU com a Administração Local de Saúde do Médio Ave.

A delegação da CDU foi constituída pelos candidatos Sandra Cardoso, Inês Rodrigues e Fernando Costa, entre outros dirigentes e ativistas locais.

Relativamente ao Hospital, a CDU recorda melhorias nas instalações, citando o Bloco de Partos, o alargamento a novas especialidades, como a Gastroenterologia, e a construção de um ambulatório de saúde mental. Mas, a CDU entende que persiste a necessidade de «um forte investimento na requalificação das instalações». Admite que existem projetos para o efeito, mas que «a tutela continua sem garantir o financiamento necessário».

Sobre os novos centros de saúde (S. Miguel-o-Anjo, Joane, Nine e Ruivães), dirigentes da CDU notam que são melhorias há muito reclamadas, mas admitem que «são insuficientes para as necessidades e problemas que se verificam, por exemplo em Fradelos».

Em contraponto aos constrangimentos físicos e de equipamentos, a CDU realçou o empenhamento dos profissionais de saúde para fazer funcionar o Hospital, «apesar a situação das suas carreiras, vínculos e da falta de meios que se verifica em várias áreas».

Em conclusão, a CDU diz que o «SNS exige mais meios humanos e materiais, com carreiras valorizadas e capacidade de intervenção».

“Taxa Zero ao Volante” alerta condutores para os riscos da condução sob o efeito do álcool

A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e a Polícia de Segurança Pública (PSP) lançam amanhã, dia 1 de fevereiro, a Campanha de Segurança Rodoviária “Taxa Zero ao Volante”, inserida no Plano Nacional de Fiscalização (PNF) de 2024.

A campanha vai decorrer entre os dias 1 e 7 de fevereiro, com o objetivo de alertar os condutores para os riscos da condução sob a influência do álcool.

As operações de fiscalização, a realizar pela GNR e pela PSP, vão incidir em vias e acessos com elevado fluxo rodoviário.

Recorde-se que em 2022 dois em cada cinco condutores mortos em acidentes de viação apresentavam uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,5 g/l e três em cada quatro destes condutores tinham uma taxa igual ou superior a 1,2 g/l.

Os agentes policiais adiantam que com uma taxa de álcool no sangue de 0,5 g/l o risco de sofrer um acidente grave ou mortal duplica; que os acidentes que decorrem da condução sob a influência do álcool são particularmente graves; que o álcool diminui o campo visual, provocando a chamada visão em túnel. «Esta perda de capacidades, bem como as alterações de comportamento que podem levar a estados de euforia e de desinibição, aumentam de forma muito significativa o risco de envolvimento em acidentes rodoviários, escrevem, em comunicado.

Das 12 campanhas de sensibilização e de fiscalização planeadas no âmbito do PNF de 2024, esta é a segunda. Até ao final do ano serão realizadas mais 10 campanhas, uma por mês, com ações de sensibilização e de fiscalização.

Na primeira campanha, que decorreu em janeiro, foram realizadas cinco ações, durante as quais foram sensibilizadas cerca de 600 pessoas presencialmente. Quanto a ações de fiscalização, o número de condutores fiscalizados presencialmente foi perto de 49.500 e cerca de cinco milhões de veículos foram fiscalizados através de radares.

As campanhas inseridas nos planos nacionais de fiscalização são realizadas anualmente pela ANSR, GNR e PSP, desde 2020, com temáticas definidas com base nas recomendações europeias estabelecidas para cada um dos anos.

O PNF de 2023 consagrou como prioritários os temas Velocidade, Álcool, Acessórios de segurança e Telemóvel.

Relativamente a 2024, para além dos quatro temas acima referidos, foi ainda adicionado um novo capítulo sobre a fiscalização dos veículos de duas rodas a motor.

Indícios de recuperação nas exportações do setor têxtil e vestuário

Em novembro passado, o setor têxtil e vestuário exportou 503 milhões de euros, uma quebra de cerca de 1% em valor, face ao mês homólogo do ano anterior. Embora as exportações de matérias têxteis tenham, ainda, ficado no vermelho (-11%), o vestuário e os têxteis-lar e outros têxteis confecionados recuperaram, com 2% e 9% de crescimento, respetivamente.

Também em volume registou-se um crescimento nas exportações de têxteis-lar e outros têxteis confecionados (+6%) e uma melhoria (ainda negativa) nas exportações de vestuário (-1%).

Itália foi o destino que mais cresceu em valor (+6 milhões de euros, equivalente a +16%) e os EUA o que registou a maior quebra (-4,4 milhões de euros, equivalente a -11%). Para Espanha exportou-se -9% em volume, mas mais 4% em valor, tendo desta forma aumentado o preço médio por quilo exportado.

Em valor acumulado, e até novembro de 2023, Portugal exportou 5.396 milhões de euros (-5%) face ao período homologo de 2022.