Dezoito anos de prisão para homicida de Fermentões

O homem que em abril de 2019 esfaqueou quatro pessoas, acabando por matar uma mulher, de 46 anos, em Fermentões, Guimarães, foi condenado a 18 anos de prisão e ao pagamento de cerca de 230 mil euros em indemnizações.

José das Neves Ferreira, de 53 anos, foi condenado esta quarta-feira pelo Tribunal de Guimarães que deu como provado que o homem alterou-se quando ouviu um rapaz a cantar “maluco, maluco”, tendo puxado de um objeto cortante e desferiu-lhe vários golpes.

Depois desta agressão, o homem ainda esfaqueou mais três pessoas, entre as quais Maria José Dias, de 46 anos, a quem desferiu sete facadas, causando-lhe a morte.

José das Neves Ferreira, desempregado, foi condenado por um crime de homicídio simples, outro de tentativa de homicídio e dois de ofensa à integridade física.

Nova rede de transportes com 152 autocarros e mais de 1100 ligações diárias

A AVE Mobilidade disponibiliza, desde o primeiro dia deste mês, transportes públicos de passageiros ao serviço de Vila Nova de Famalicão, Cabeceiras de Basto, Fafe, Guimarães, Mondim de Basto, Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho e Vizela. São 152 autocarros para mais de 1100 ligações diárias.

A nova oferta representa uma aposta da Comunidade Intermunicipal do Ave na melhoria da mobilidade na região, caraterizando-se pela eficiência e modernidade. Toda a rede estará disponível na web e nas plataformas especializadas em mobilidade e no próprio site da Autoridade de Transportes da CIM do Ave.

O presidente desta Autoridade de Transportes, Domingos Bragança, afirma que «a nova concessão de transporte público rodoviário de passageiros no território da Comunidade Intermunicipal do Ave constitui um marco na promoção da sua coesão territorial e social. “Ligamos pessoas e lugares”, o que nos deixa muito satisfeitos e, sobretudo, nos responsabiliza por uma oferta de transporte público compatível com aquelas que são exigências atuais».

Sérgio Soares, CEO da Transdev Portugal (detentora do contrato) nota que «uma política de transporte público rodoviário que vise responder às verdadeiras necessidades das populações tem de passar por dar mais oferta de transporte às pessoas. Só com uma elevada densidade de circulações é que os transportes públicos podem cumprir todo o seu potencial em matéria de transição energética, descarbonização da economia e afirmar-se como verdadeira alternativa ao transporte individual. É esta a visão partilhada pela Autoridade de Transporte desta região, que fez um esforço assinalável para melhorar a sua rede de oferta rodoviária».

A nova operação AVE Mobilidade implica mais de 200 postos de trabalho e proporciona viagens a 1, 2 e 3 euros aos passageiros que viajem entre 17 e 31 de dezembro. Esta campanha promocional aplica-se aos bilhetes adquiridos a bordo e o valor é calculado pela origem e destino; as viagens com origem e destino no mesmo município terão um valor de 1€; as viagens com origem e destino nos diferentes municípios da CIM do Ave terão um valor de 2€; e as viagens com origem ou destino fora dos municípios da CIM do Ave terão um valor de 3€.

Camião tomba na nacional 206

Ao princípio da tarde desta quarta-feira, um veículo pesado tombou na Estrada Nacional 206, Famalicão-Guimarães, na zona de Ronfe,

O acidente aconteceu nas curvas da Somelos, desconhecendo-se as circunstâncias do mesmo e se há feridos.

A circulação na via encontra-se condicionada.

Foto: Luís Silva

Famalicão: Tribunal condena homem que matou amigo e só confessou o crime 11 anos depois

O Tribunal Criminal de Guimarães condenou o homem que confessou ter matado o amigo 11 anos depois do crime. Foi condenado a oito anos e dez meses de prisão por ter morto a tiro de caçadeira João Paulo Azevedo, na altura com 34 anos, e ter enterrado o corpo. Os factos aconteceram num pinhal em Landim.

O arguido, de 57 anos, encontra-se em liberdade e assim vai continuar, por decisão do Tribunal Criminal de Guimarães, que entendeu manter a medida de coação de Termo de Identidade e Residência; isto até que a decisão transite em julgado. Foi ainda condenado a pagar 95 mil euros de indemnização à mãe da vítima, que se constituiu assistente no processo.

Recorde-se que o crime aconteceu em 2006, em Landim, quando combinaram experimentar uma caçadeira (alterada) num pinhal, depois de a vítima procurar o arguido para lhe comprar uma arma. O arguido disparou no momento em que o amigo se encontrava de costas, tendo-o atingido na cabeça.

Segundo a presidente do coletivo de juízes, o modo como o arguido atuou, sendo caçador, pelo conhecimento que tinha no manuseamento de armas de fogo, «dirigindo a arma contra a cabeça da vítima, que estava de costas, desprotegida, impõe uma ilicitude significativa». Contudo, na leitura do acórdão, a juíza presidente disse que, em julgamento, não ficou provado que o tiro foi acidental, segundo a versão apresentada pelo arguido, nem que houve intenção de matar a vítima, segundo a acusação do Ministério Público.

O Tribunal Criminal de Guimarães teve em conta que o arguido não tem antecedentes criminais, que está inserido familiar e socialmente, e que a sua confissão «foi absolutamente relevante» e teve «uma inegável importância» para a descoberta da verdade.

Recorde-se que o arguido confessou às autoridades, 11 anos depois, alegando ter consciência pesada e para que «a alma do seu amigo pudesse ter paz».

Famalicão: Condenado a cinco anos e meio de prisão por furto

Um cidadão, de 41 anos, de Joane, foi condenado pelo Tribunal de Guimarães a cinco anos e meio de prisão por três crimes de furto qualificado, um dos quais na forma tentada, e um crime de coação. Ficou provado que, em 2021, assaltou duas residências e tentou assaltar outra, tudo em Guimarães e Vizela.

O homem vai ainda ter de pagar indemnizações de 5.425 euros e de 7.925 euros aos donos das residências assaltadas.

Para atribuição da pena, o Tribunal teve em conta também os antecedentes criminais do arguido, que soma seis condenações por crimes de roubo, furto e condução sem carta. O juiz referiu-se ainda à tipologia dos furtos praticados, considerando que constituem «uma importante fonte de alarme social, porquanto lhes está associado um sentimento generalizado de insegurança no que toca à preservação do património privado perante o ataque de terceiros».

A favor do arguido, esteve o exercício regular de uma atividade laboral até 2020 e o facto de se encontrar familiarmente bem integrado. O arguido não prestou declarações.

Um outro homem envolvido no processo foi absolvido, por falta de provas.

Relativamente aos factos, o primeiro assalto remonta a 21 de abril de 2021 e teve como alvo uma residência em Vermil, Guimarães. O arguido terá trepado o muro e forçado uma janela, tendo furtado um anel, com cinco diamantes e em ouro amarelo, de valor não inferior a 2.500 euros.

No dia 30 de maio, o arguido assaltou uma residência em Infias, concelho de Vizela, tendo estroncado uma janela e levado vários objetos, entre computadores, televisões, telemóveis, brincos, anéis e uma arma de defesa pessoal.

No dia 05 de junho, tentou assaltar uma residência em Prazins, mas “foi surpreendido” pela dona da casa, que o perseguiu até que ele lhe apontou um objeto «que aparentava tratar-se de uma arma de fogo».

 

CD Trofense elege novos órgãos sociais

A Comissão Administrativa do Clube Desportivo Trofense convoca os sócios para uma Assembleia Geral Ordinária, que terá lugar esta quarta-feira, 7 de dezembro, pelas 20:30h, na Junta de Freguesia de Bougado (São Martinho e Santiago), polo de S. Martinho.

Da ordem de trabalhos consta a eleição dos órgãos sociais para o biénio 2022/2024, ato que decorre até às 22 horas; segue-se a tomada de posse e, por último, a discussão de outros assuntos de interesse para o clube.

Só será permitida a participação de sócios do clube com as quotas em dia (inclusive a quota de dezembro de 2022); só poderão votar os sócios de idade igual ou superior a 15 anos e que tenham completado, pelo menos, três meses de associado.

Os Meninos Cantores da Trofa apresentam «Cantata de Pedra»

Depois do sucesso na Fundação José Saramago – Casa dos Bicos, em Lisboa e na Antiga Estação, na Alameda da Estação, chegou a vez da Casa da Cultura receber a interpretação dos Meninos Cantores do Município da Trofa, da «Cantata de Pedra», a partir do livro “José, Será Mago?”, com texto e música de Mário João Alves. O espetáculo decorre este domingo, às 11 horas.

O coro dos Meninos Cantores do Município da Trofa, fundado a 1 de outubro de 1999, foi o primeiro projeto avançado pelo pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Trofa. O coro é formado por cerca de 40 elementos e é dirigido desde a sua fundação pela maestrina Antónia Maria Serra.

«Falar nos Meninos Cantores do Município da Trofa é falar, inevitavelmente, em magia. As atuações dos nossos meninos são um orgulho não só para a autarquia, não só para o concelho, mas para o nosso país. O resultado de qualquer atuação é sempre algo brilhante», refere Renato Pinto Ribeiro, vereador da Cultura da Câmara Municipal da Trofa.