E-REDES investe 14,5 milhões na gestão da vegetação junto às redes elétricas

Para melhorar o serviço e garantir a segurança das redes elétricas, a E-REDES vai investir, até ao final deste ano, 14,5 milhões de euros em ações de inspeção e de intervenção nas zonas de proteção e nas faixas junto às linhas de eletricidade.

O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira, por José Ferrari Careto, presidente do Conselho de Administração da Empresa, no âmbito da III Conferência Gestão da Vegetação, que contou com a presença do Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Catarino.

«A E-REDES tem feito uma aposta significativa no desenvolvimento de soluções inovadoras com vista à gestão, manutenção e monitorização das redes elétricas, com especial enfoque nos espaços florestais. Para tal, temos implementado sistemas avançados de monitorização da vegetação junto à rede de distribuição de eletricidade, dos quais são exemplo a inspeção termográfica das linhas elétricas através de voos de helicóptero e a medição das distâncias de segurança com recurso a drones e imagens de satélite. O tratamento das imagens aéreas e de toda a informação recolhida tem-nos permitido assegurar uma intervenção cada vez mais eficiente no terreno», garantiu José Ferrari Careto.

O Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território explica que a «E-REDES é uma das entidades integrantes do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais que maior eficácia introduz na execução e manutenção das faixas de gestão de combustível da rede secundária, demonstrando que a tecnologia é um poderoso aliado na gestão eficiente e inteligente de combustível».

Empresa da Póvoa de Varzim muda-se para Famalicão, cria postos de trabalho e investe 7 milhões de euros

A Steeltrax é uma empresa da Póvoa de Varzim que se vai mudar para Vilarinho das Cambas. Dedicada ao fabrico de estruturas e perfis metálicos especificamente direcionados ao mercado das energias renováveis, deverá estar pronta a funcionar em março do próximo ano. A nova unidade, com cerca de 6000 m2 e um investimento superior a 7 milhões de euros, será também a nova sede social da empresa.

Segundo os responsáveis da empresa, a mudança de concelho deve-se à necessidade de aumentar a produção, a uma melhor logística, além dos acessos privilegiados para a exportação.

A construção da nova unidade prevê a criação de 11 novos postos de trabalho “altamente qualificados”, para dar resposta à pretensão da empresa de «apostar fortemente na investigação e desenvolvimento (I&D), assim como na relação de proximidade com universidades e institutos de investigação científica, para potenciar o conhecimento e desenvolvimento de produto».

De referir que a instalação desta empresa no concelho famalicense vai contar com o apoio da Câmara Municipal, através do programa Made 2IN, que apoia a captação e fixação de empresas no concelho, com redução das taxas de licenciamento e de construção.

«A dimensão do Created IN Famalicão também é materializada com a atração de empresas com este perfil de abertura para a investigação e desenvolvimento de novos produtos, para o nosso território. Daí a manifestação de interesse municipal deste investimento», justifica o presidente da Câmara Municipal, Mário Passos.

Na Reunião de Câmara do dia 26 de janeiro, foi aprovada a abertura do período de candidaturas ao Programa Municipal de Apoio Financeiro a Bolsas de Investigação, uma medida de promoção da inovação empresarial por via do desenvolvimento de atividades de Investigação e Inovação (I&I) e a sua transferência para a indústria do concelho, que prevê a atribuição de cinco prémios a bolsas de investigação no valor de 5.000€ cada uma.

 

 

Protótipo de casaco inovador para bombeiros testado na Escola Nacional de Bombeiros

O consórcio de investigação do DIF-Jacket reuniu-se nas instalações da Escola Nacional de Bombeiros, em S. João da Madeira, para os ensaios ergonómicos e de fogo, utilizando protótipos do projeto, um futuro equipamento de proteção individual (EPI) para bombeiros. Os ensaios visaram recolher informações dos profissionais sobre os modelos testados em termos de conforto, analisar eventuais otimizações e avaliar a performance.

O CeNTI, o CITEVE – Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário e o Centro de Estudos de Fenómenos de Transporte da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto trabalham no projeto DIF-Jacket desde 2020. O objetivo é desenvolver um casaco para bombeiro, com caráter inovador, cujo principal objetivo é a segurança em diversos cenários de combate a incêndios, ou seja, pretende melhorar significativamente a capacidade de prever como um determinado equipamento protege o bombeiro num determinado cenário.

A otimização do vestuário tem em conta três variáveis: bombeiro + vestuário de proteção + ambiente de incêndio.

 

Famalicão: Programa para investigadores/bolseiros atribui prémios de 5.000 euros

Foi aprovada, esta quinta-feira, em reunião do executivo municipal, a abertura de candidaturas ao Programa Municipal de Apoio Financeiro a Bolsas de Investigação, medida de promoção da inovação empresarial por via do desenvolvimento de atividades de Investigação e Inovação (I&I) e a sua transferência para a indústria do concelho. O programa prevê a atribuição de cinco prémios a bolsas de investigação no valor de 5 mil euros cada uma.

Dirigido a investigadores e bolseiros com projetos de investigação em curso, aprovados por instituições oficiais, nacionais ou internacionais, o período de receção de candidaturas decorre de 1 de fevereiro a 30 de abril, em www.famalicaomadein.pt, onde vai estar o formulário de candidatura, bem como informação regulamentar sobre o programa que atesta, nas palavras do presidente da Câmara Municipal, «a aposta num concelho criador, onde prolifera a inovação e são criadas condições para o desenvolvimento, através da investigação (…) para isso temos que reter e atrair talento e é esse um dos grandes objetivos desta iniciativa». Mário Passos acrescenta, ainda, que esta medida «vai ao encontro do compromisso assumido com os famalicenses de criar um programa de bolsas de inovação, por forma a potenciar a competitividade económica do nosso concelho».

O Programa Municipal de Apoio Financeiro a Bolsas de Investigação decorre da implementação ‘do MadeIN ao CreatedIN’, que inclui o novo eixo de ação: MadeInovar. Esta nova abordagem do Famalicão MadeIn aposta na criação e no desenvolvimento de valor, procurando atrair empresas de base tecnológica, incentivar a transição – digital e climática -, promover a ciência, conhecimento e tecnologia, aproximar as entidades do Sistema de Investigação e Inovação (ENESII) e as empresas do território, assim como criar, atrair e reter talento e fomentar a coesão e o bem-estar social.

Foto: Câmara Municipal

 

Portal das Finanças não está a funcionar

O Portal das Finanças está inacessível e, até ao momento, não se sabe o que está a acontecer e não há nenhuma informação oficial.

Além do Portal das Finanças, também o Portal do e-faturas está inoperacional.

Nas redes sociais os utilizadores estão a ser informados que «estão a ocorrer constrangimentos no acesso ao Portal das Finanças. Lamentamos pelo incómodo. Assim que a situação estiver resolvida informamos».

Famalicão: Há uma nova oportunidade de qualificação para 20 formandos

Teve início, esta quarta-feira, o DigitalReskilling, um programa de requalificação profissional nas áreas emergentes das tecnologias digitais e business intelligence, para 20 formandos com qualificação de 12.ºano ou superior, mas em situação de desemprego, e que buscam aqui uma nova oportunidade de carreira. O curso tem a duração de 950 horas, com a formação teórica a realizar-se na Casa da Juventude e a restante (cerca de 450 horas) em contexto de trabalho, em empresas parceiras como a Salsa, TMG, Vieira de Castro, VLB Group, Primor, CMW Foundries, entre outras.

Trata-se de uma iniciativa da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, em colaboração com o Instituto de Emprego e Formação Profissional e o Cesae Digital – Centro para o Desenvolvimento de Competências Digitais.

O programa resulta, segundo Augusto Lima, «de uma auscultação prévia das necessidades das empresas, que são parceiras do processo» e representa «uma oportunidade para estas pessoas que, apesar das qualificações, não encontraram nas suas áreas de formação oportunidades profissionais», nota o vereador da Educação e Ciência do Município de Famalicão.

Augusto Lima confere que o desenvolvimento de novas tecnologias, de programação digital e tratamento de dados, «é hoje fundamental para as empresas do concelho que incorporam, cada vez mais, tecnologia, investigação e desenvolvimento no que produzem. Este programa requalifica pessoas e responde a esta necessidade», acredita o autarca.

A formatação deste programa, pelo enquadramento e envolvimento de diferentes agentes (Município, IEFP e empresas) «é exemplar e deve ser replicado», assinala Carla Vale, Diretora Regional do Instituto de Emprego e Formação Profissional. «As respostas devem ser dadas conforme as necessidades e está aqui uma grande oportunidade para integrar estes ativos no mercado de trabalho, com uma perspetiva de carreira», disse.

O programa cumpre uma das políticas municipais de promoção da qualificação e aprendizagem ao longo da vida, criando e alargando oportunidades de qualificação que vão de encontro ao mercado de trabalho, medida também enquadrada no Ano Europeu das Competências (European Year of Skills), para impulsionar a competitividade, a participação e o talento.

 

Brasmar adquire empresa britânica e reforça internacionalização

O Brasmar Group, que tem uma unidade industrial em VN Famalicão, adquiriu a Holmes Seafood, empresa britânica de pescado congelado para o segmento grossista. Com um volume de negócios a rondar os 40 milhões de euros, a Holmes Seafood é um dos principais importadores e distribuidores de produtos do mar congelados deste mercado, no qual, através da recente aquisição, a Brasmar pretende reforçar presença.

A aquisição desta empresa permitirá à Brasmar, líder nacional no setor alimentar de produtos do mar, reforçar a sua presença naquela geografia, incrementando a comercialização dos seus produtos junto dos consumidores britânicos. A Holmes Seafood manterá a atual equipa de gestão, bem como todos os postos de trabalho.

Há vários anos que a Brasmar, empresa participada do VigentGroup e do private equity MCH, tem intensificado o seu processo de internacionalização, com um conjunto de aquisições e a abertura de filiais. Em 2022 adquiriu a maioria do capital da francesa Sedisal, e em 2019 comprou duas empresas espanholas: a Foncasal e a La Balinesa.

«A Brasmar continua ativa na identificação de oportunidades de negócio, de modo a reforçar a sua posição de liderança no mercado europeu. No caso específico da Holmes, oferece-nos um valioso conhecimento, experiência e posicionamento no Reino Unido, reforçando significativamente a nossa presença neste mercado», sublinha Sérgio Silva, Presidente do Conselho de Administração da Brasmar.

O grupo português está presente em mais de 40 países, conta com um universo de colaboradores que ultrapassa os 850 e obteve uma faturação consolidada, em 2022, de cerca de 272 milhões de euros. Para este ano, estima atingir um volume de negócios de 350 milhões de euros.