Educação: Estado gasta hoje menos 700 milhões de euros do que há 10 anos

De um ponto de vista geral, o CNE aponta que “a despesa do Estado em educação, em 2018, apresenta um acréscimo de cerca de 3% relativamente ao ano anterior (mais 253,14 milhões de euros)”, mas, “quando comparado com o ano inicial da série (2009), a despesa decresceu perto de 8% (menos 727,51 milhões de euros)”

Numa perspetiva que abrange toda a despesa do Estado com educação exceto o ensino superior, os números apontam para um aumento de 108 milhões de euros face ao ano anterior e uma diminuição de cerca de 12% (menos 867 milhões de euros), comparativamente a 2009.

O CNE refere que dos 6,3 mil milhões de euros gastos em educação não superior em 2018 pelo subsetor Estado, quase 4,7 mil milhões (76%) representam gastos com pessoal.

2018 registou o valor mais baixo da década em ensino profissional e o mais alto no ensino superior

Se a educação pré-escolar e o ensino básico e secundário (na escola pública) e o ensino especial registaram um aumento de despesa, os gastos com o ensino profissional estão em queda há cinco anos e atingiram em 2018 o valor mais baixo da década, com 375 milhões de euros.

Também a despesa com ação social escolar baixou em 2018, com uma redução de mais de seis milhões de euros em apenas um ano.

Já o ensino superior registou em 2018 a despesa “mais alta da década, tendo aumentado cerca de 162 milhões no último ano” para cerca de 2,6 mil milhões de euros.

“Mais de metade é executada em despesas de pessoal e provém de receitas gerais”, refere o CNE, que indica ainda que em 2018 as universidades e politécnicos tiveram cerca de 600 milhões de euros de receitas próprias.

A ação social no ensino superior representou um acréscimo de despesa para o Estado em 2018, que gastou mais seis milhões de euros de fundos nacionais, mas os apoios sociais a universitários continuam a ser maioritariamente assegurados por fundos comunitários: cerca de 60% da despesa com ação social direta provêm de fundos europeus.

Dos 145,51 milhões de euros gastos em ação social direta em 2018, apenas 58,88 milhões de euros foram pagos pelo Estado, sendo os restantes 86,63 milhões de euros financiados por fundos comunitários.

O CNE aponta também que o valor da receita das instituições do ensino superior, sem incluir saldos de gerência, foi o mais alto da década, “tendo aumentado cerca de 250 milhões de euros no último ano”.

As propinas representaram para as instituições públicas receitas de cerca de 343 milhões de euros.

Ao nível da investigação científica, a despesa do Estado cresceu em 2018 quase 160 milhões de euros face ao ano anterior, para os 659 milhões de euros.

Para atingir a meta europeia de 2,7% do PIB investidos em investigação em desenvolvimento, Portugal vai ter que mais do que duplicar o investimento no setor, uma vez que os dados do relatório, neste caso referentes a 2017, apontam para gastos na ordem dos 1,3% do PIB.

Nesse ano a média da União Europeia foi de 2,1%.

Professores: qualificados, envelhecidos e demoram muito tempo a progredir na carreira

Os professores em Portugal são profissionais muito qualificados e estão envelhecidos, mas só 0,02% estão no topo de carreira, revela o mesmo relatório, que alerta para o longo tempo para se progredir.

“Em Portugal, o tempo para chegar ao topo da carreira é longo e a diferença entre a remuneração no topo de carreira e no início é muito significativa, quando comparado com outros países europeus”, refere o “Estado da Educação 2018”.

A carreira dos professores divide-se em dez escalões e, na maioria dos casos, cada escalão deveria equivaler a quatro anos de serviço. No entanto, os professores do 3.º escalão, por exemplo, têm em média 22,6 anos de serviço e mais de 48 anos de idade.

No topo estão “apenas 0,02% dos docentes e têm em média 61,4 anos de idade”

Já no topo da carreira estão “apenas 0,02% dos docentes (…) e têm em média 61,4 anos de idade e 39 anos de tempo de serviço”, refere o relatório, da autoria do Conselho Nacional de Educação (CNE).

O congelamento prolongado das carreiras e a não recuperação da totalidade do tempo de serviço são as razões apontadas pela CNE para esta situação.

A contagem integral do tempo de serviço é uma das grandes reivindicações dos sindicatos que têm prometido não deixar morrer, depois de ter provocado uma crise política na anterior legislatura, mas sem o resultado obtido pelos docentes.

Em 2017/2018, havia menos de 150 mil professores do ensino obrigatório, ou seja, houve uma redução de mais de 30 mil apenas numa década. O relatório mostra que aconteceu um decréscimo em todos os níveis e ciclos de educação e ensino.

Também tem vindo a diminuir o número de alunos nas escolas e este ano várias notícias deram conta da falta de docentes nas escolas.

Para a presidente da CNE, neste momento não faltam docentes mas é preciso fazer “um planeamento para a vaga de aposentações que se aproxima e a baixa procura de cursos de formação de professores”.

Mais de metade dos professores poderá reformar-se até 2030

Segundo um outro relatório do CNE, mais de metade dos professores (57,8%) poderá aposentar-se até 2030.

Em Portugal, o corpo docente está cada vez mais envelhecido: no ano letivo de 2017/2018, quase metade dos professores, desde a educação pré-escolar até ao secundário, tinha 50 ou mais anos (46,9%), enquanto a percentagem dos que tinham menos de 30 anos era de 1,3% em 2017/2018.

As escolas portuguesas e italianas são as que têm menos docentes jovens.

No ensino superior a situação não é diferente: na década 2008-2018, aumentou a proporção de docentes com 50 ou mais anos (mais 15,1 pontos percentuais) e diminuiu os que têm menos de 30 anos de idade (menos 3,1 pontos percentuais).

Estão mais velhos e a grande maioria é “muito qualificada”: mais de 80% dos professores do ensino obrigatório têm licenciatura ou equiparado e, no ensino superior, 71% dos professores universitários são doutorados assim como 42,1% nos politécnicos (dados de 2017/2018).

Por outro lado, nos últimos anos, são cada vez menos os jovens que sonham ser professores. Os cursos da área Educação têm vindo a registar perdas importantes, atingindo em 2018 o valor mais baixo de inscritos desde 2009, com apenas 13.084 alunos.

Famalicão: Feira da Formação abre esta quinta-feira

De quinta a sábado, o centro da cidade acolhe a Feira da Formação, evento com mais de duas dezenas de expositores e que reúne estabelecimentos de ensino e entidades de formação, que darão a conhecer a sua oferta educativa e formativa dirigida aos jovens e adultos interessados em formação qualificante. O certame terá abertura oficial às 16 horas desta quinta-feira, com a presença do presidente da Câmara Municipal, Mário Passos.

Os dias de quinta e sexta-feira são dedicados aos alunos das escolas do concelho, em fase de termino do ciclo de estudos, enquanto que a manhã de sábado, tem como público alvo pais e encarregados de educação, para que também eles possam conhecer os cursos, planos de estudo e saídas profissionais da oferta formativa existente.

Todos ao Jamor para apoiar a equipa feminina do FC Famalicão

No tarde do dia 28 de maio, a equipa feminina do FC Famalicão disputa a final da Taça de Portugal, contra o Sporting, no Estádio Nacional do Jamor.

Para este momento singular na história do emblema famalicense, o clube continua a desenvolver uma campanha que convida os famalicenses a fazerem parte desta festa do futebol. O ingresso e transporte custam 10 euros e os interessados devem dirigir-se à Loja Oficial ou à Academia.

Vários clubes famalicenses, associando-se a este apelo e a este momento inédito no desporto concelhio, estão a partilhar nas redes sociais este convite, apelando a que todos apoiem a equipa neste importante jogo, marcado para as 17h15 do dia 28 de maio.

Famalicão: Pedro Almeida promete competitividade no Rali de Portugal

Ao volante de um Skoda Fabia, Pedro Almeida e Mário Castro vão disputar o Rally de Portugal, prova do WRC – Campeonato do Mundo de Ralis que se realiza entre quinta-feira e domingo, entre Coimbra e Matosinhos. A dupla está inscrita no WRC2 e no CPR – Campeonato de Portugal de Ralis.

«O nosso foco é o CPR e estar bem, em especial nas classificativas que pontuam para o Campeonato de Portugal», salienta Pedro Almeida.

Pedro Almeida, que vai para a quarta participação, diz que quer «desfrutar do evento, mas impondo-nos a responsabilidade de sermos muito competitivos, de dar o máximo e continuar a aproximação aos registos dos pilotos mais rápidos do CPR, somando pontos no campeonato».

O famalicense salienta ainda a dureza da prova, que exige atenção aos pilotos nacionais. «Temos trabalhado muito na preparação e confiamos na fiabilidade do Skoda Fábia, fundamental para cumprir os nossos objetivos. No Rally de Portugal partimos mais atrás, já encontramos o terreno degradado e isso exige-nos cuidados redobrados», aponta o piloto.

O Rally de Portugal começa esta quinta-feira com uma curta super especial em Coimbra e prolonga-se até domingo, com final em Matosinhos. A classificação do CPR- Campeonato de Portugal de Ralis fica fechada no final de sexta-feira, após a realização da especial de classificação 9, a super especial de Lousada.

Famalicão: Três dias para ajudar a escolher um curso

De quinta a sábado, a Praça D.Maria II acolhe a Feira da Formação que reúne duas dezenas de expositores, com os estabelecimentos de ensino e entidades de formação a darem conhecer a sua oferta educativa e formativa dirigida aos jovens e adultos interessados em formação qualificante.

A realização do certame visa potenciar o contacto direto entre as entidades formadoras e as pessoas, mostrar as oportunidades de formação disponível no território, contribuindo para uma tomada de decisão mais consciente e informada, quer dos alunos, pais, encarregados de educação e pessoas em busca de novas qualificações formativas.

A quinta e sexta-feira são dedicados aos alunos das escolas do concelho, em fase de fim de ciclo de estudos. Na manhã de sábado, a feira tem como público alvo pais e encarregados de educação, para que também possam conhecer os cursos, planos de estudo e saídas profissionais da oferta formativa existente.

A feira vai funcionar das 9h15 às 18 horas, quinta e sexta-feira; e das 9h15 às 13 horas, no sábado.

Mais de 750 produtos sem glúten na Mercadona

A Mercadona continua a aumentar a diversidade de produtos sem glúten e celebra hoje, 16 de maio, o Dia Internacional do Celíaco, mantendo o seu compromisso com todos os “Chefes” (clientes) intolerantes ou alérgicos a esta proteína.

Neste hipermercado, os produtos isentos de glúten estão devidamente identificados com um selo exclusivo (SEM GLÚTEN) na embalagem para facilitar no ato de compra. Além disso, a empresa oferece um serviço gratuito de Apoio ao Cliente através do 800 500 220 para canalizar dúvidas e sugestões, encaminhando-as diretamente para os especialistas e fabricantes dos produtos.

Atualmente, a Mercadona possui em Portugal cerca de 750 produtos livres desta proteína: bolo de chocolate sem lactose; pão de hambúrguer; mini gelados sabores variados; cereais recheados de chocolate e avelã; biscoito revestido de chocolate; nuggets de peru; massa folhada; cerveja sem álcool; sidra de maçã; sidra de morango; tostas; croquetes de presunto; pizza de fiambre e queijo sem lactose; molho fresco de trufa; massa tipo penne; cocktail frutos secos tostados sem sal; tarte de queijo; madalenas.

Nesta “Semana do Celíaco” pode encontrar, tanto nas lojas como nos canais oficiais da Mercadona, ações de sensibilização da sociedade para esta doença, esclarecendo dúvidas, ouvindo e oferecendo algumas opções de receitas, destacando o sortido sem glúten. A Mercadona dispõe, ainda, no seu website, de uma seção de conselhos sobre alimentação, no qual podem ser encontradas algumas sugestões de receitas sem glúten, como pizzas ou snacks.

A empresa trabalha para oferecer produtos com a máxima segurança alimentar e a melhor qualidade a preços imbatíveis.

Os mais recentes estudos sobre o tema dão conta de que em Portugal a doença celíaca pode afetar cerca de 1% da população. No entanto, crê-se que apenas cerca de 15.000 casos tenham sido diagnosticados, sendo, por isso, uma doença largamente subdiagnosticada, e cujo número real de celíacos possa oscilar entre os 70.000 e os 100.000 em Portugal.

Colaboração com Associações

A Mercadona mantém um compromisso importante com a comunidade celíaca nos locais onde está presente, pelo que colabora, há dois anos, com a Associação Portuguesa de Celíacos (APC). Esta colaboração visa desenvolver ações conjuntas com a finalidade essencial de formar e informar o consumidor celíaco e os seus familiares, promovendo o direito dos consumidores à informação e sensibilizando a sociedade para as características da doença celíaca.

 

Famalicão: Jorge Moreira da Silva testa positivo à covid e altera agenda de campanha

Nas redes sociais, o candidato à presidência nacional do PSD comunicou, esta segunda-feira, que testou positivo à covid-19, «pelo que terei de suspender a minha participação presencial nos eventos previstos para os próximos dias».
O famalicense Jorge Moreira da Silva avança que alguns dos encontros terão de ser alterados para um formato virtual e outros terão de ser reagendados. «Em breve darei mais informações sobre as alterações de agenda», esclarece.
Entretanto, a formalização da sua candidatura será feita esta segunda-feira, pelas 18 horas, na sede nacional do PSD, pelo coordenador da candidatura, Miguel Goulão, e pelo diretor de Campanha, Carlos Eduardo Reis, com a entrega das assinaturas dos militantes subscritores, do orçamento da campanha e da moção de estratégia global».
As eleições diretas no PSD estão agendadas para o dia 28 de maio.