Estafeta da Uber procura quem o abalroou e fugiu sem ajudar

Miguel Gomes, estafeta da Uber Eats, foi vítima há duas semanas de um acidente de viação que o deixou com diversos ferimentos e incapacitado.

O colaborador da empresa de entregas, que seguia numa mota, foi abalroado na Avenida de S.José e, o condutor do carro envolvido no acidente, colocou-se em fuga sem prestar auxílio.

A recuperar dos ferimentos, o estafeta recorreu às redes sociais para relatar o que lhe aconteceu e apelar ao condutor em fuga que o contacte.

10 Comments

  1. As melhoras ,deveriam prestar auxílio era obrigatório. Mas por vezes andam ai,que até me ademira não haver mais acidentes

  2. São sempre de lamentar estas situações. Oxalá se encontre o responsável.
    No entanto, quero deixar aqui uma recomendação a todos os motoqueiros da Uber, Glovo, etc, para terem muito cuidado com as manobras arriscadas que fazem no meio do trânsito, bem como da velocidade a que por vezes circulam, e que potenciam estas situações!!

  3. Anabela Braga apesar de concordar consigo, a falta de prestação de auxílio é crime! Nada tem a ver com as causas do acidente…🤷‍♀️

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Há greve nos comboios esta quarta-feira

A CP informou que, devido a greve convocada por organizações representativas dos trabalhadores, preveem-se perturbações na circulação de comboios, a nível nacional, na quarta-feira, com possível impacto nos dias anterior e seguinte ao da paralisação.

Num comunicado divulgado, esta terça-feira, a CP adianta que foram “definidos os serviços mínimos que se podem consultar” no site da empresa e que “aos clientes que já tenham bilhetes adquiridos para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Internacional, InterRegional e Regional, será permitido o reembolso, no valor total do bilhete adquirido, ou a sua revalidação gratuita para outro comboio da mesma categoria e na mesma classe”.

“O reembolso ou revalidação podem ser feitos em myCP na área ‘Os seus bilhetes’ (para bilhetes adquiridos na bilheteira ‘online’ e App CP) até aos 30 minutos que antecedem a partida do comboio da estação de origem do cliente, bem como nas bilheteiras e, se reembolso, em cp.pt através do preenchimento do formulário ‘online’, com o envio da digitalização do original do bilhete e indicação de Nome, Morada postal, IBAN e NIF, até 10 dias após terminada a greve”, indica a CP.

Na quarta-feira, os trabalhadores da CP cumprem uma greve de 24 horas, em conjunto com os trabalhadores da Infraestruturas de Portugal, reivindicando um prémio financeiro para mitigar os efeitos da inflação e o cumprimento do Acordo de Empresa.

De acordo com uma ata disponível no ‘site’ da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), os sindicatos e a CP chegaram a acordo para o cumprimento de serviços mínimos de 25%.

Nos termos do pré-aviso de greve, divulgado em 17 de novembro, os trabalhadores “lutam pela atribuição de um prémio financeiro anual que compense a perda de [poder de] compra verificada no ano de 2020, pela atualização do subsídio de alimentação, pelo fim da discriminação entre sindicatos, pelo cumprimento do Acordo de Empresa em vigor e pela realização do processo de avaliação de desempenho em falta, referente ao período de maio de 2021 a abril de 2022”.

PSP detém homem a conduzir alcoolizado em Famalicão

Esta terça-feira, agentes da PSP detiveram na cidade de Famalicão um homem, com 30 anos, por conduzir alcoolizado.

Aquela autoridade refere que o detido conduzia com uma TAS de 1,46 g/l no sangue.

O condutor foi notificado para comparecer no Tribunal de Famalicão.

Dia Internacional do Voluntariado assinalado na Trofa

A Câmara Municipal da Trofa comemora o Dia Internacional do Voluntário, no dia 5 de dezembro, com uma homenagem a todos os cidadãos que se dedicam à prática do voluntariado no Concelho.

A sessão, intitulada “Sentimentos de um Voluntário”, tem lugar no Auditório Fórum Trofa XXI, pelas 15h00. A primeira parte desta sessão comemorativa será dedicada ao debate e reflexão sobre a temática do voluntariado, nomeadamente, a sua importância para o desenvolvimento local e no seio das diferentes instituições.

«Pela sua dedicação e pelos seus esforços incessantes, todos os voluntários merecem o nosso profundo agradecimento e reconhecimento. Os voluntários são um apoio importante do nosso trabalho, substituindo-se, muitas vezes, às próprias responsabilidades do Estado, e materializando o contributo ativo da comunidade. Sem eles, seriam impossíveis muitas atividades de emergência social e de proteção da dignidade humana», realça Sérgio Humberto, presidente da Câmara Municipal da Trofa.

De recordar que a Câmara Municipal da Trofa tem um Banco Local de Voluntariado aberto à participação de todos os interessados. Mais informações em https://mun-trofa.pt/menu/477/banco-local-de-voluntariado-da-trofa.

 

 

Santo Tirso: Idosa fica em estado grave depois de ser atropelada por familiar

Uma mulher, com cerca de 90 anos, ficou, na tarde desta segunda-feira, em estado grave, depois de ter sido atropelada por um veículo conduzido por um familiar, avança a Santo Tirso TV.

Segundo a mesma fonte, o acidente aconteceu na Rua da Aldeia Nova, em Santo Tirso, numa altura em que o familiar efetuava manobras na viatura para sair de casa.

No socorro estiveram os Bombeiros Voluntários Tirsenses que asseguraram o transporte da vítima para a unidade de Vila Nova de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave.

Cruz Vermelha de Ribeirão resgata coruja e devolve-a à natureza

Socorristas da Cruz Vermelha Portuguesa, núcleo da vila de Ribeirão, em Famalicão, resgataram uma coruja que entrou para o pavilhão daquela delegação.

A história foi partilhada nas redes sociais, num post do facebook, onde a Cruz Vermelha explica que o animal ficou preso e, só graças à ajuda de dois socorristas, foi possível o resgate.

A coruja foi, depois, devolvida à natureza.

Aumentam as burlas em nome da EDP Comercial

A EDP Comercial alertou hoje que as tentativas de fraude a clientes, em que o nome da empresa é usado para cobrar dívidas inexistentes, aumentaram mais de 230% em outubro, face à média dos meses anteriores.

“No último mês, o número de casos de fraudes (ou tentativas) a clientes da EDPC disparou mais de 230%, face à média dos meses anteriores”, disse à Lusa fonte oficial da empresa, a quem foram reportados cerca de 200 casos em outubro, face a 120 registados no total do primeiro semestre.

Já no Portal da Queixa foram identificadas mais de 1.000 reclamações relativamente a tentativas de fraude onde “é utilizado indevidamente o nome da EDP Comercial para tentar que os clientes da empresa paguem alegadas dívidas que, na verdade, não têm”, explicou a mesma fonte.

“Estas tentativas de fraude têm-se sofisticado, quer pela adulteração de faturas em papel, quer pelo ajuste do texto das mensagens de telemóvel (SMS). Mais recentemente, detetámos também que conseguiram mascarar o nome de quem envia aquele SMS para, alegadamente, parecer da EDP”, apontou a empresa.

Relativamente às faturas em papel, têm sido detetados, segundo a elétrica, “casos em que há envelopes desviados e abertos, adicionando-se uma última página na fatura, com uma alegada dívida e uma referência multibanco para pagamento”.

Para evitar ser vítima de fraude, a empresa aconselha os clientes a que verifiquem a veracidade da informação recebida, confirmando se a entidade enviada nos dados para pagamento é utilizada pela empresa.

Já no que diz respeito aos SMS, foram detetados “vários números diferentes a praticar esta ilegalidade”, sendo possível que, em alguns aparelhos, os números surjam com o nome “EDPC”.

“Para tentar minimizar o número de clientes que é envolvido neste esquema, a EDP Comercial está a enviar mensagens de segurança a alguns grupos de clientes que podem estar mais vulneráveis”, vincou a empresa, lembrando ainda que “não assina os SMS como EDP ou EDP Comercial”, mas sim como “EDPC”.

A empresa disse que não tem informação sobre o número total de casos de tentativa de fraude, uma que vez que só consegue ter conhecimento dos que são reportados pelos clientes, podendo até dar-se o caso de haver clientes que pagam sem se aperceberem de que é burla.

A empresa alertou também que as entidades de pagamento que utiliza são 20174 ou 23013, para clientes residenciais, e 12223 e 21196, para clientes empresariais.

Adicionalmente, a empresa assinalou ainda que “não utiliza dados pessoais dos clientes nos contactos com os mesmos”, nem “pede dados bancários aos clientes nos contactos com os mesmos”.