Faleceu Sócio Fundador do Clube Desportivo de Lousado

Manuel Eduardo Fonseca Ferreira, sócio fundador do Clube Desportivo de Lousado, faleceu esta sexta-feira.

Em publicação na rede social facebook, a direção do clube fala de “um dia de profunda tristeza para toda a família do CD Lousado e para todos aqueles que com ele privaram”.

O clube apresenta as sentidas condolências aos familiares e amigos de Manuel Eduardo Fonseca Ferreira e dá conta de que as celebrações fúnebres decorrem este sábado pelas 15h00 na Igreja Paroquial de Lousado.

As cerimónias estão restritas aos familiares diretos por força dos constrangimentos determinados pela pandemia de Covid-19.

Precisa de médico? Quase 200 centros de saúde com horário alargado este feriado

O Governo adianta em comunicado que além destes 197 centros de saúde que hoje prolongam o horário, no fim de semana haverá um reforço do atendimento nos cuidados primários, com 233 centros de saúde abertos no sábado e 200 centros de saúde abertos no domingo.

Estas informações são também atualizadas no portal do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Para melhor atendimento e aconselhamento, reforça-se a importância de ligar em primeiro lugar para o SNS 24 (808 24 24 24), para uma triagem e encaminhamento adequado de cada situação, promovendo-se uma resposta mais célere e também o melhor planeamento da atividade do SNS”, refere o Ministério da Saúde.

Governo português envia 30 milhões de euros para ajudar refugiados ucranianos na Polónia

O Governo português aprovou hoje, em Conselho de Ministros, um apoio de 30 milhões de euros para ajuda humanitária aos refugiados ucranianos que se encontram na Polónia, o país que recebeu mais pessoas que fogem da guerra na Ucrânia.

O apoio constitui parte do que tinha sido prometido, em maio, pelo primeiro-ministro, António Costa, durante uma deslocação a Varsóvia, na qual visitou o estádio nacional da capital polaca, onde foi instalado um centro de acolhimento de refugiados.

Na altura, António Costa anunciou que Portugal iria dar apoio material às autoridades polacas para o acolhimento de refugiados ucranianos num valor de até 50 milhões de euros, ajuda que passaria também por bens como casas pré-fabricadas ou produtos farmacêuticos.

Desde o início da invasão russa da Ucrânia, em 24 de fevereiro, a Polónia recebeu mais de três milhões de refugiados ucranianos, devendo observar uma nova vaga nos próximos meses.

Há duas semanas, a Polónia, em conjunto com a República Checa, a Hungria e a Eslováquia, pediu à Comissão Europeia ajuda adicional para receber os novos refugiados que deverão deixar a Ucrânia nos meses de inverno, depois de a Rússia ter adotado uma estratégia de ataque às infraestruturas de energia naquele país.

“Vem aí mais uma vaga de refugiados”, afirmou, no dia 24 de novembro, o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, numa conferência de imprensa realizada na cidade eslovaca de Kosice, depois de participar numa cimeira do Grupo de Visegrado, composta pelos quatro países da Europa central, dos quais três partilham uma fronteira com a Ucrânia.

“Exortamos hoje Bruxelas a tomar medidas preventivas rápidas e a ajudar mais os países de acolhimento, devido aos elevados custos que os refugiados implicam”, disse Morawiecki.

Na terça-feira, os quatro países defenderam que preferem ajudar Kiev a gerir a crise humanitária do que enfrentar uma nova vaga migratória.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), pelo menos 4,8 milhões de refugiados da Ucrânia foram registados em toda a Europa, sendo a Polónia o principal destino, com um registo estimado de até 3,5 milhões de pessoas.

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 6.702 civis mortos e 10.479 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Empresa procura Pais Natais: Paga 135 euros por duas horas de serviço

Ser Pai Natal por duas horas pode render 135 euros, é isso que promete a plataforma de serviços locais Fixando.

O desafio é lançado à comunidade devido à falta de animadores para festa de natal, em todo o território nacional. Assim, os interessados devem-se registar na Fixando para receber todo o apoio necessário para desempenhar a função.

“Com dois serviços por dia, num fim de semana é fácil atingir mais de 500 euros, bastando apenas um pequeno investimento no fato, que custa cerca de 30 euros já com botas e adereços (barba e bigode)”, esclarece a responsável da Fixando.

 

Camião tomba na nacional 206

Ao princípio da tarde desta quarta-feira, um veículo pesado tombou na Estrada Nacional 206, Famalicão-Guimarães, na zona de Ronfe,

O acidente aconteceu nas curvas da Somelos, desconhecendo-se as circunstâncias do mesmo e se há feridos.

A circulação na via encontra-se condicionada.

Foto: Luís Silva

IVAucher, Bruno de Carvalho, Putin e Big Brother foram os mais pesquisados em Portugal durante 2022

O google já revelou as palavras e personalidades mais pesquisadas durante o ano de 2022, que se aproxima do fim.

Nas pesquisas gerais, a palavra que se destacou foi IVAucher, o programa do governo criado para estimular os consumo nos setores mais afetados pela pandemia.

Nas personalidades nacionais, o mais pesquisado foi Bruno de Carvalho, seguindo-se Liliana Almeida e Bernardo Sousa, todos eles ex-concorrentes do Big Brother. O realty show da TVI também surge em primeiro lugar nas pesquisas de Programas / Séries e Filmes.

O ranking da google é revelado todos os anos e tem por base todas as pesquisas efetuadas em território nacional.

 

Famalicão: Tribunal condena homem que matou amigo e só confessou o crime 11 anos depois

O Tribunal Criminal de Guimarães condenou o homem que confessou ter matado o amigo 11 anos depois do crime. Foi condenado a oito anos e dez meses de prisão por ter morto a tiro de caçadeira João Paulo Azevedo, na altura com 34 anos, e ter enterrado o corpo. Os factos aconteceram num pinhal em Landim.

O arguido, de 57 anos, encontra-se em liberdade e assim vai continuar, por decisão do Tribunal Criminal de Guimarães, que entendeu manter a medida de coação de Termo de Identidade e Residência; isto até que a decisão transite em julgado. Foi ainda condenado a pagar 95 mil euros de indemnização à mãe da vítima, que se constituiu assistente no processo.

Recorde-se que o crime aconteceu em 2006, em Landim, quando combinaram experimentar uma caçadeira (alterada) num pinhal, depois de a vítima procurar o arguido para lhe comprar uma arma. O arguido disparou no momento em que o amigo se encontrava de costas, tendo-o atingido na cabeça.

Segundo a presidente do coletivo de juízes, o modo como o arguido atuou, sendo caçador, pelo conhecimento que tinha no manuseamento de armas de fogo, «dirigindo a arma contra a cabeça da vítima, que estava de costas, desprotegida, impõe uma ilicitude significativa». Contudo, na leitura do acórdão, a juíza presidente disse que, em julgamento, não ficou provado que o tiro foi acidental, segundo a versão apresentada pelo arguido, nem que houve intenção de matar a vítima, segundo a acusação do Ministério Público.

O Tribunal Criminal de Guimarães teve em conta que o arguido não tem antecedentes criminais, que está inserido familiar e socialmente, e que a sua confissão «foi absolutamente relevante» e teve «uma inegável importância» para a descoberta da verdade.

Recorde-se que o arguido confessou às autoridades, 11 anos depois, alegando ter consciência pesada e para que «a alma do seu amigo pudesse ter paz».