Famalicão: Homem encontrado inconsciente dentro de carro no centro da cidade

Um homem foi, na madrugada desta terça-feira, encontrado inconsciente no interior de um automóvel, na Rua Luís Barroso, no centro da cidade de Vila Nova de Famalicão.

A vítima estava, cerca das duas da manhã, fechada no interior da viatura e, por razões que não foram apuradas, não respondia às pessoas que o encontraram e o tentaram abordar através do exterior.

Esta situação motivou a intervenção dos Bombeiros Voluntários Famalicenses que conseguiram reverter a situação e asseguraram o transporte do homem para a unidade de Vila Nova de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave.

 

Famalicão: Curso solidário de primeiros socorros a animais de companhia

A Associação Portuguesa de Busca e Salvamento realiza, a 20 de novembro, um curso de Primeiros Socorros a Animais de Companhia. A inscrição tem um custo de 30 euros e a verba angariada reverte para a requalificação de postos de saúde das aldeias da Guiné-Bissau onde a Humanitave – Associação de Emergência Humanitária trabalha.

O curso, de 8 horas, decorre no auditório Casa de Camilo, em Seide S. Miguel. Durante a formação serão ministrados conhecimentos e protocolos de atuação ao nível do socorro pré-hospitalar animal, designadamente casos clínicos, sinais e sintomas que podem ser encontrados perante situações de emergência, bem como os solucionar ou os amenizar.

Este curso é aberto a bombeiros, médicos, enfermeiros, veterinários, auxiliares de veterinária, Groomers, forças da segurança, elementos de associações de proteção e defesa animal e civis.

Inscrições, até 10 de novembro, através dos seguintes contactos: apbsalvamento@hotmail.com 938185935

Famalicão: Congresso reúne especialistas em emergência hospitalar

A CESPU – Instituto Politécnico de Saúde do Norte, CHMA – Centro Hospitalar do Médio Ave e VMER do CHMA organizam, no dia 1 de outubro, no auditório da CESPU, o II Congresso Internacional Up To Date Emergência, para o qual estão convidados vários oradores.

Para a sessão de abertura, pelas 10 horas, foram convidados o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, o presidente do Conselho de Administração do CHMA, o presidente da CESPU e o coordenador da VMER do Centro Hospitalar do Médio Ave.

Durante o dia estarão em análise diversos temas, como “A” – Via Aérea; um painel sobre as Multivítimas; ao início da tarde debate sobre o “Doente agitado em emergência”; “Ecografia em emergência: um novo paradigma na avaliação do doente agudo.

Pelas 16 horas está marcada uma mesa redonda sobre “Emergência, com risco, com responsabilidade. Risco na tomada de decisão – como evitar erros. A legalidade de comportamentos e atuações – como gerir conflitos em emergência? Será que sabes ler artigos?”. É moderadora Marta Marques, da Cidade Hoje. São palestrantes: Marta Ferreira, Pedro Miguel Silva, Isabel Araújo e Durval Ferreira.

A sessão de encerramento está prevista para as 17h30.

 

Famalicão: Município quer continuar a combater a discriminação

O Município de Famalicão apresentou esta terça-feira, dia 27 de setembro, o Plano Municipal para a Igualdade e Não Discriminação, que aponta para a aplicação de três dezenas de medidas. A sessão, que decorreu na Casa das Artes, contou com representantes de escolas e instituições, juntas de freguesia, forças policiais e responsáveis municipais.

Esta sessão de apresentação do Plano foi acompanhada com tradução pela língua gestual. Aliás, o braile e a língua gestual são instrumentos de comunicação que o município de Famalicão quer tornar mais frequentes para combater a discriminação.

O Plano contém muitas outras medidas, desde campanhas de sensibilização, regulamentos, eliminação de barreiras físicas, ajudas técnicas para os cidadãos portadores de deficiência e prémios.

«Já vínhamos fazendo uma sensibilização para esta igualdade de oportunidades que tem que existir entre homens e mulheres. A única coisa a ser distinguida são as qualificações, tarefas e as funções e não o sexo ou a raça da pessoa», realça o presidente da Câmara, em declarações aos jornalistas no final da palestra de apresentação do Plano.

Além das medidas já referidas, o autarca famalicense defende o cumprimento da escolaridade obrigatória como um requisito importante para atingir a igualdade de oportunidades. «Vou estar atento a isso porque não quero que, por via da falta de escolaridade, as pessoas tenham menos oportunidades», referiu Mário Passos.

Ao nível da não discriminação, o edil quer também campanhas de sensibilização e medidas que ajudem a combater algum tipo de discriminação a nacionais ou estrangeiros. «O concelho tem que ser para todos», recordando que Famalicão conta já com cidadãos de 27 nacionalidades.

O presidente da Câmara considera que também na área da Igualdade e Não Discriminação o município de Famalicão é uma referência nacional. No entanto, apesar de reconhecer que muito já foi feito, reconhece que ainda há trabalho a fazer. «Não estamos satisfeitos porque não atingimos os 100%», por isso diz que é preciso continuar a trabalhar para melhorar. «Não entendo que avôs/avós, pais/mães, que temos filhos/filhas ou netos/netas, a quem damos a melhor educação que sabemos e podemos, e depois hajam outros que, porventura, os discriminem», frisa.

Portugal perde com Espanha em Braga e está afastado da Liga das Nações

A seleção portuguesa de futebol foi hoje afastada da ‘final four’ da Liga das Nações, ao perder por 1-0 com a Espanha, em encontro da sexta e última jornada do Grupo A2, no Estádio Municipal de Braga.

Um golo de Álvaro Morata, aos 88 minutos, selou o triunfo da ‘roja’, finalista vencida em 2021, que ganhou o agrupamento, com 11 pontos, contra 10 de Portugal e nove da Suíça, que venceu em casa a República Checa (2-1), regelada à Liga B, com quatro.

Portugal, vencedor em 2019, só precisava de empatar com a Espanha para selar um lugar na ‘final four’ da terceira edição da Liga das Nações, que se disputará de 14 a 18 de junho de 2023, com Espanha, Croácia, Itália e Países Baixos.

Violência doméstica está aumentar em Portugal

As forças de segurança receberam 20.334 participações de violência doméstica até agosto, um aumento de 1,6% face ao mesmo período de 2019, antes da pandemia de covid-19, revelou hoje o ministro da Administração Interna.

Numa audição pedida pelo PSD sobre violência doméstica, José Luís Carneiro deu conta que, até agosto, foram registadas 20.334 participações, das quais 63% correspondiam a violência física e mais de 80% a violência psicológica, em contraste com as 20.021 queixas no período homólogo de 2019.

“Um ligeiro aumento de 1,6%, ou seja, mais 313 participações”, disse, sublinhando que “a participação dos crimes de violência doméstica tem vindo a aumentar, na medida em que há já uma maior perceção e sensibilização para a gravidade deste crime”.

O governante sublinhou que, para se combater este crime, é preciso “conhecer as cifras negras, ou seja, conhecer a criminalidade que é desconhecida porque não é denunciada”.

José Luís Carneiro anunciou que o Ministério da Administração Interna vai avançar em 2023 com um inquérito à vitimização da violência doméstica, para que se tenha “melhores indicadores que permitam atuar mais eficazmente sobre este fenómeno”.

José Luís Carneiro disse também que os ministérios da Administração Interna, da Justiça, dos Assuntos Parlamentares e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, bem como a Procuradoria-Geral da República e o Conselho Superior de Magistratura estão a concluir os trabalhos relativos à base de dados da violência doméstica.

Segundo o governante, foi ministrada formação a mais de oito mil efetivos das forças de segurança na área da violência contra as mulheres e violência doméstica.

O ministro disse ainda que existem atualmente “completamente operacionais” 490 salas de atendimento à vítima, das quais 329 em postos territoriais da GNR e 161 em esquadras da PSP.