Famalicão homenageou e recordou José de Azevedo e Menezes

Um dos grandes responsáveis pela fixação da memória camiliana, em Vila Nova de Famalicão, José de Azevedo e Menezes, foi homenageado no passado sábado, na sua Casa do Vinhal, na cidade famalicense, com a presença de várias dezenas de pessoas, entre as quais o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, o diretor da Casa de Camilo, José Manuel Oliveira, muitos familiares e autores que lhe dedicam o estudo.

Através do lançamento da obra “Correspondência de José de Azevedo e Menezes (1878-1933) Camilo Homenageado”, com introdução, leitura e notas de Emília Nóvoa Faria, o município recordou e homenageou o escritor e genealogista famalicense, no 80.º aniversário da sua morte.

Os imponentes jardins da histórica Casa do Vinhal encheram-se de gente e recordou-se o homem que, em 1915, após o violento incêndio que arrasou por completo a casa onde viveu Camilo Castelo Branco “moveu mundos e fundos” pela recuperação da casa e a sua transformação em Museu. José de Azevedo e Menezes desenvolveu com Camilo Castelo Branco uma relação cordial de amizade motivada pelo tema da genealogia, uma área de interesse comum, e após a morte do romancista presidiu à Comissão Promotora da homenagem póstuma ao grande escritor, tendo sido o primeiro diretor do Museu que foi inaugurado em 1923.

Para a historiadora Emília Nóvoa Faria, a sessão realizada é “uma justa homenagem”. “Famalicão deve a este homem a fixação da memória de Camilo aqui”, acrescentou salientando que “se José de Azevedo e Menezes não tivesse presidido à Comissão depois do incêndio” duvida que “a reconstrução tivesse sido feita”. E explicou: “a avultada soma de dinheiro que era necessária para proceder à recuperação, feita maioritariamente à custa de donativos, era um problema, mas este homem nunca desistiu ele estava apostado em reconstruir a Casa de Camilo, ultrapassando todos os obstáculos”. Isso mesmo destacou o diretor da Casa de Camilo, José Manuel Oliveira, referindo-se ao “trabalho hercúleo que José de Azevedo e Menezes levou a cabo no sentido de tirar das ruinas e do pó a casa que hoje visitamos em S. Miguel de Seide, o que é de facto notável”.

Também o presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Professor Doutor Artur Anselmo, afirmou que “o nome de José de Azevedo e Menezes ficará para sempre ligado à sobrevivência da casa camiliana de Seide”, salientando que “se dúvidas houvesse a este respeito, bastariam, para as desfazer, estas cartas perduráveis”. O responsável referia-se à cartas trocadas entre os dois, sublinhando que “são cartas que têm Camilo como figura central e que permitem também “reconstituir o ambiente intelectual que se vivia na altura”. Em relação ao livro apresentado, Artur Anselmo explica que “retoma o título que José de Azevedo e Menezes dedicou a Camilo – “Camilo Homenageado” – em 1920, depois da reconstrução da casa do romancista”.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, salientou a justiça da homenagem referindo-se ao “grande contributo que nos deixou na criação da Casa de Camilo”. Mas o autarca foi mais longe e salientou “o papel social, cultural e político de enorme relevância para o concelho de Famalicão”, lembrando as suas funções como “Provedor do Hospital de S. João de Deus e presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.”

Entre os vários familiares que marcaram presença na cerimónia, o representante Martim Lopes de Azevedo Menezes disse que “a família ficou muito orgulhosa com esta homenagem” e lembrou o lado mais pessoal de José de Azevedo e Menezes seu bisavô. “Foi um homem que ao longo da sua vida sofreu várias deceções. Era monárquico e assistiu à implantação da República; era um católico fervoroso e sofreu com as perseguições feitas à igreja; assistiu à morte de dois dos seus filhos, mas ainda assim soube manter sempre o espírito aberto às novidades e inovações”.

Refira-se que o livro lançado “Correspondência de José de Azevedo e Menezes (1878-1933) Camilo Homenageado” é o primeiro de três volumes a editar pela Húmus com o apoio da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. As cartas transcritas neste volume e nos dois que serão dados à estampa em 2019 e 2020, integram, na sua maioria, o Fundo de José de Azevedo e Menezes depositado no Arquivo Municipal de Alberto Sampaio, entregue pela Família Menezes em 2015 ao Município de Vila Nova de Famalicão.

Este primeiro volume versa exclusivamente assuntos camilianos, subdividindo-se em duas partes: na primeira apresentam-se as cartas trocadas entre Camilo Castelo Branco e José de Azevedo e Menezes, cujos originais se encontram na Casa de Camilo, e na segunda, as cartas endereçadas ao Senhor da Casa do Vinhal por diversos remetentes, entre os quais António José de Almeida, Alberto Pimentel, António Cabral, Conde de Sabugosa, Eugénio de Castro, Joaquim de Araújo, José Malhoa, Jorge Colaço, Pinho Leal, Raul Brandão e Teixeira Lopes.

Centro de Recolha Animal de Famalicão retira cão de um poço com cerca de 15 metros

Esta quarta-feira ficou marcada por mais uma intervenção de resgate levada a cabo pelo Centro de Recolha Animal de Vila Nova de Famalicão.

Desta vez o resgate aconteceu na freguesia de Landim. O latir de um cão alertou alguns populares que acabaram por encontrar o animal no interior de um poço, com cerca de 15 metros de profundidade.

Depois de uma operação de resgate que durou cerca de uma hora, o amigo de quatro patas foi retirado daquele local sem qualquer tipo de ferimentos.

Famalicão: Feira da Formação abre esta quinta-feira

De quinta a sábado, o centro da cidade acolhe a Feira da Formação, evento com mais de duas dezenas de expositores e que reúne estabelecimentos de ensino e entidades de formação, que darão a conhecer a sua oferta educativa e formativa dirigida aos jovens e adultos interessados em formação qualificante. O certame terá abertura oficial às 16 horas desta quinta-feira, com a presença do presidente da Câmara Municipal, Mário Passos.

Os dias de quinta e sexta-feira são dedicados aos alunos das escolas do concelho, em fase de termino do ciclo de estudos, enquanto que a manhã de sábado, tem como público alvo pais e encarregados de educação, para que também eles possam conhecer os cursos, planos de estudo e saídas profissionais da oferta formativa existente.

Famalicão: Na União de Freguesias de Arnoso e Sezures há uma «comunidade comprometida com o futuro»

Mário Passos anda a «ouvir para melhor governar» e, esta terça-feira, foi colher opiniões e inteirar-se dos desafios, projetos e problemas que enfrenta a comunidade da União de Freguesias de Arnoso (Santa Maria, Santa Eulália) e Sezures.

Esta Presidência de Proximidade começou em Sezures para assinalar as obras de requalificação do adro da Igreja, intervenção que está já numa fase final e teve um apoio municipal de 147 mil euros. O autarca confere que a conclusão desta obra «é uma boa notícia», notando que «os adros têm o seu simbolismo religioso, mas são, também, espaços de convívio abertos a toda a população.

Já em Arnoso Santa Eulália o foco esteve na rede viária, com a repavimentação das ruas das Cruzes e Dr. Antero Martins apontadas como prioritárias. Nesta localidade, sempre acompanhado pelo executivo liderado por Jorge Amaral, Mário Passos passou pelas obras de reabilitação da sede da Banda Marcial de Arnoso. Nesta primeira fase da intervenção, que contou com um apoio municipal de 75 mil euros, os trabalhos decorrem sobretudo na cobertura e no exterior do edifício. Trata-se «de uma obra fundamental para o futuro desta instituição que muito prestigia o concelho», reconheceu o autarca.

Em Arnoso Santa Maria, Jorge Amaral aproveitou a presença do presidente da Câmara Municipal para falar da construção de um multiusos.

Como vem sendo habitual, no final da visita Mário Passos reuniu com as forças vivas desta união de freguesias, representada por cerca de meia centena de pessoas, reiterando «que estes encontros são muito importantes. Um território só se desenvolve com este envolvimento, com esta participação coletiva e fico muito satisfeito por constar o quanto os famalicenses estão comprometidos com o futuro de Vila Nova de Famalicão».

 

Famalicão: Mil alunos envolvidos no programa My Machine

Está de regresso o programa “My Machine” concebido para materializar ideias dos alunos do 1.º ciclo. Este ano, foram envolvidos mais de mil alunos do ensino básico, ensino profissional e Universitário. O resultado prático das ideias dos mais pequenos vai ser exposto na Universidade Lusíada, cuja inauguração é no dia 25 de maio, às 14 horas.

«My Machine» é um programa educativo que desafia alunos do primeiro ciclo do ensino básico a desenvolverem uma ideia que solucione problemas do seu dia-a-dia. O desenho dos alunos do ensino básico passa para os futuros engenheiros da Universidade Lusíada, que traduzem a ideia num desenho técnico e apresentam soluções que são materializadas pelos alunos do ensino profissional.

O empreendedorismo dos mais pequenos é surpreendente e as ideias surpreendem. Por exemplo, a existência de folhas e outros resíduos no chão do recreio da escola originou o desenho do soprador «Limpa Recreio», criado pelos alunos da turma C5 do 3.º ano da Escola Básica de Delães. A invenção funciona a energia solar e os alunos pedalam para chegar a todos os cantos do recreio, onde, através do aspirador, colocado no atrelado, sugam as folhas existentes no recreio da escola.

Os esboços técnicos das máquinas a construir em 2022/2023, na sua maioria relacionadas com questões ambientais e o controlo de ruído nas salas de aula, vão poder ser vistos na Lusíada. «Comboio da Diversão» ou «Reutilizador de Água» são dois outros exemplos das novas máquinas que vão ser construídas pelos Agrupamentos de Escolas D. Sancho I e o de Ribeirão.

Recorde-se que o Município de Vila Nova de Famalicão foi um dos pioneiros na implementação, em Portugal, do «My Machine», um programa educativo que envolve vários graus de ensino. «É um projeto educativo desafiante e interessante, ao permitir estimular desde cedo as crianças para as áreas científicas e tecnológicas», considera o presidente da Câmara Municipal, Mário Passos. «Vejo com bons olhos esta envolvência de várias camadas de ensino, desde os alunos do 1.º ciclo aos do ensino profissional e universitário, num projeto que os desafia a encontrar soluções para problemas do dia-a-dia e abrir horizontes criativos», acrescenta.

Apesar da pandemia, os projetos desenvolvidos no âmbito do «My Machine» foram concretizados e as 12 máquinas construídas ao longo dos dois últimos anos letivos vão ser apresentadas na Universidade Lusíada, na sessão do dia 25 de maio.

 

Famalicão: Investimento de 292 mil euros para ajudar 300 famílias a pagar as rendas

Ao longo deste ano, a Câmara Municipal vai apoiar 303 famílias do concelho no pagamento das rendas, num investimento de 292.500 mil euros. A proposta para estes apoios, no âmbito do programa municipal “Casa Feliz – Apoio à Renda”, é um dos pontos em discussão na reunião desta quinta-feira do executivo municipal.

Os apoios são divididos em três escalões. O “A” corresponde a um apoio mensal de 100 euros e foi atribuído a 105 candidatos; o escalão B é de 75 euros e foi atribuído a 159 candidatos; o escalão C corresponde a um apoio de 50 euros mensais e foi atribuído a 39 candidatos.

O presidente da Câmara Municipal, Mário Passos, fala numa «retaguarda importante para aliviar o peso que as despesas com a habitação têm no orçamento das famílias famalicenses». O valor das rendas continua a ser «um problema para muitas famílias e, por isso, faz todo o sentido que a Câmara Municipal continue atenta e disponível para as apoiar. Tem sido assim nos últimos anos e vai continuar a ser», garante o autarca.

Este ano regista-se um novo aumento do investimento municipal afeto a este programa e do número de famílias beneficiadas. Em 2021, o investimento fixou-se nos 284 mil euros, beneficiando 287 famílias.

Recorde-se que as candidaturas ao programa “Casa Feliz – Apoio à Renda” decorreram até 31 de janeiro deste ano.

Para além da vertente de apoio às rendas, em vigor desde 2012, o programa Casa Feliz arrancou em 2005 para apoio às obras. Com este projeto, as famílias que mais precisam têm acesso a um apoio financeiro até 5 mil euros para a realização de obras de reparação da habitação, proporcionando as condições mínimas de bem-estar.

Na reunião do executivo desta quinta-feira vão estar também em análise mais 12 candidaturas apresentadas ao “Casa Feliz – Obras”, num investimento que ronda os 60 mil euros. Recorde-se que desde o seu lançamento, já foram concretizados várias centenas de processos de reabilitação, tendo o município investido mais de um milhão de euros.

 

Artista famalicense leva a “Universidade de Bolso” a Guimarães

A presente edição da “Universidade de Bolso”, conferência criada pelo famalicense João Sousa Cardoso, está marcada para os dias 27, 28 e 29 de maio, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães.

Desta vez o tema é a “Coabitação e as novas temporalidades”, concentrado na atualidade dos direitos das minorias étnicas e na elaboração social, ética e estética de uma cultura cosmopolita e transtemporal.

Para quem não conhece, a “Universidade de Bolso” é um programa de construção de conhecimento em regime intensivo que promove o encontro de ideias e experiências sobre um tema proposto.

Esta edição tem convidados de reconhecidos méritos, mas também é aberta à participação da comunidade. Os artistas/pensadores convidados para esta aula pública são: Françoise Vergès, intelectual, escritora e militante francesa que tem desenvolvido um pensamento crítico sobre as relações entre anticapitalismo, ativismo feminista e decolonização; Vladimir Safatle, filósofo brasileiro, docente na Universidade de São Paulo e músico, que tem produzido reflexão sobre a construção política das subjetividades entre a filosofia, a crítica da cultura e a teoria psicanalítica; Mary Enoch Elizabeth Baxter, que também assina com o nome hip‐hop Isis Tha Saviour, artivista norte‐americana que trabalha a relação entre o sistema institucional da justiça (incluindo a justiça reprodutiva), a violência de estado e a comunidade afrodescendente nos Estados Unidos da América.

Svitlana Baptista e Niranjan Sapkota são duas cidadãs radicadas em Guimarães que vão partilhar a experiência de imigração da Ucrânia e do Nepal, respetivamente, para Portugal.

Além dos oradores e dos habitantes locais convidados, esta “Universidade de Bolso” tem ainda os “observadores” que fazem a análise dos três dias de conferência. Este ano, a tarefa está entregue à historiadora francesa Yvane Chapuis – responsável pelo Departamento de Pesquisa na escola de artes La Manufacture, em Lausanne (Suíça) – e a António Guerreiro, crítico cultural e professor na Faculdade de Belas‐Artes da Universidade de Lisboa.
Para participar nesta conferência é necessário inscrever-se, que pode ser no Centro Cultural Vila Flor, Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Casa da Memória ou na Loja Oficina.

Esta conferência internacional é criada pelo artista e docente famalicense João Sousa Cardoso, licenciado em Artes Plásticas e doutorado em Ciências Sociais.