Famalicão: Jovem é agredido à porta da escola no centro da cidade, foi levado para o hospital e será operado

Um jovem de 18 anos terá sido, na quarta-feira ao início da tarde, agredido à porta da Escola D.Sancho I, em Vila Nova de Famalicão.

De acordo com o Jornal de Notícias, que avança com as informações, a alegada vítima, com 18 anos, estaria à porta da escola à espera da namorada quando se deu a confusão.

Àquele jornal o jovem afirma que, enquanto aguardava, estava a ser constantemente observado por três rapazes e, uma vez que a situação lhe terá gerado desconforto, decidiu questionar-lhes. Assim que perguntou o que se passava, a suposta vítima diz que foi agredida com socos por um dos elementos desse grupo.

O jovem foi socorrido no Hospital de Famalicão, levado pelos pais da namorada que entretanto haviam chegado ao estabelecimento de ensino e depararam-se com a situação. Com ferimentos na cabeça, no nariz e num olho, acabou por ser transferido para o Hospital de S.João, no Porto, acrescenta a mesma fonte.

A ocorrência terá sido registada pela PSP de Famalicão, que se deslocou ao hospital local afim de ouvir o queixoso. O alegado agressor, bem como os jovens que o acompanharam e assistiram à pancadaria, foram, mais tarde, identificados pelas autoridades.

Avança ainda o JN que o suspeito terá contado uma versão contrária aos agentes da PSP, afirmando que o jovem é que estava sempre a olhar para eles e que este reagiu com agressões, assim que lhe foi questionado o que é que se passava.

42 Comments

  1. Surreal!
    Mas sem sombra de duvida k isto só mostra a educação k os jovens recebem em casa, bater por tudo e por nada! Tristeza de geração.
    Mas a culpa é dos pais, que nao sabem ter boas maneiras e nem as ensinam aos filhos!

  2. Quando existem pais que vão bater aos professores por eles lhes tirarem o telemóvel na sala de aula, os filhos não podem sair melhor que os pais!

  3. Se os pais educassem os filhos, estes sabiam estar, sabiam respeitar. Ninguém estava a perguntar pelas auxiliares, nem pelo porteiro, direção, muito menos escola segura.
    A primeira figura de autoridade e respeito são os pais.
    Os pais educam. A escola ensina.

  4. Infelizmente so eu a minha filha e a vítima que e meu genro e os agressores é que podemos dizer a verdade

  5. Isto e falta de educação em casa .Os país destes gajos deviam ir presos juntamente com eles .só sabem culpar os vigilantes e a polícia ….

  6. Agora já não se pode olhar, os jovens estão com mau olhado. Falta saber a posição da escola, uma vez que foi á entrada, normalmente ficam calados e em silêncio, está na hora de tomar posições.

  7. Isto é a amostra da educação que recebem
    Não me venham dizer que a culpa é dos funcionários ou da polícia. Eles não conseguem, nem são obrigados a estar em todo o lado ao mesmo tempo.
    As pessoas é que tem que ter educação e saber estar, seja onde for

  8. Com um bocadinho de jeito até os país vão querer que a polícia frequente as aulas dos seus filhinhos so pára tomar conta deles !!!!!! A culpa não é dos funcionários dos professores e nem da polícia!!!!!a maior culpa é dos país que as vezes não vêem que os filhos precisam de atenção !!! e ensinamento de boas maneiras não é qusndo fazem asneiras passar a mão na cabeça e não os chamar atenção!!!!é que a educação começa em casa!!!

  9. Gostaria de apresentar o meu descontentamento por nunca saber uma simples resposta a minha questão? Vou voltar a questionar: onde estão os/as assistentes operacionais? Não vigiam os locais no que diz respeito ao seu trabalho?

  10. Quando existem pais que vão bater aos professores por eles lhes tirarem o telemóvel na sala de aula, os filhos não podem sair melhor que os pais!

  11. Bem castigados. No meu tempo de juventude se fosse eu o agressor chegava a casa levava porrada se fosse a vítima levava igual e hoje estou aqui não morri.Hoje em dia a culpa é só nossa…pais… Não educamos os filhos a terem respeito por nós quanto mais pelos outros. E culpa das leis que temos não se pode dar uma sapatada num filho que vamos presos é violência doméstica. E eles sabem disso abusam até dos pais. Não a respeito nenhum. Atenção que contra mim falo tenho filhas da mesma idade.

  12. “Avança ainda o JN que o suspeito terá contado uma versão contrária aos agentes da PSP, afirmando que o jovem é que estava sempre a olhar para eles e que este reagiu com agressões, assim que lhe foi questionado o que é que se passava.”

    SURREAL!!!!

  13. Uma troca de olhares!!! Acaba em agressão desta violência !!! Como é possível!!!
    Algo está mal na sociedade…

  14. E vão continuar sem fazer nada. E cada dia que passa há sempre uma criança/adolescente a sofrer de bullying na escola! E ninguém faz nada para isso acabar.

  15. Os polícias têm que andar com o radar para angariar dinheiro a quem trabalha a pretexto da segurança, não podem estar em todo o lado!
    Isso da “escola segura” não interessa nada para os cofres.

  16. Se algum dia acontece isto a minha filha ou aos meus faço bem pior a esse canalha afinal hoje em dia é cada vez mais um por si a polícia é muito boa sim para fazer operações Stop e andar nos tascos a beber. M€rda de mundo de pais e de educação

  17. É lamentável a policia estava perto da escola e não fez, nada ninguém pediu ajuda três contra um sao uns cobardes.Onde estava o porteiro da entrada da escola. Porque não está a polícia na entrada da escola nas horas mais críticas.

  18. Isto é a educação que os filhos levam em casa hoje em dia os pais term medo aos filhos depois da nisto no meu tempo se mijasse fora do penico alombava com uma mangueira pelas costelas abaixo

  19. Uma troca de olhares! Uma troca de olhares!!!

    Lembro-me de achar que o mundo estava perdido quando lia nas notícias que fulana tinha sido assassinada para lhe roubarem um telemóvel no Brasil. Hoje, em Portugal, mata-se por 5 euros e agride-se por um olhar. Ah, mas fica melhor. Ele perguntou o que se passava, logo isso já justifica tudo…

  20. no meu tempo um trocar de olhares era sinónimo de paixão, hoje é quase uma certidão de óbito

  21. Infelizmente a escola segura não consegue estar em todas as escolas…. A educação o respeito esse sim é que está a faltar a muitos anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Famalicão: Secretário de Estado da Justiça visita Tribunal e Delegação da Ordem dos Advogados

O Secretário de Estado da Justiça vem a Vila Nova de Famalicão, no dia 15 de dezembro, para visitar as instalações do Tribunal e, depois, participar numa cerimónia na Delegação da Ordem dos Advogados.

A visita decorre durante a tarde daquele dia e surge no seguimento das ações desenvolvidas pela Delegação pelo regresso das Instâncias Centrais, que culminaram com uma reunião, em Lisboa, no passado dia 2 de setembro. Fonte próxima da Delegação acredita que esta visita do Secretário de Estado da Justiça pode ser o momento final e determinante para que num futuro próximo o Tribunal volte a albergar as Instâncias Centrais Cível, Criminal e Juízo de Instrução.

Na visita ao Tribunal Judicial, para aferir das suas condições, o Secretário de Estado estará acompanhado pelo Juiz Presidente da Comarca de Braga e pela diretora da Direção-Geral da Administração da Justiça. Já para a sessão que decorrerá na Delegação, serão convidadas várias personalidades, como o presidente da Câmara Municipal, representantes dos grupos parlamentares na Assembleia Municipal e respetivo presidente. Todos os representantes das diversas entidades que participaram no dossiê elaborado pela Delegação da Ordem para efetivar e justificar a instalação das Instâncias Centrais, também serão convidados.

Famalicão: Lago Discount vendido a empresa da região e fundo de investimento

O presidente da Câmara Municipal, Mário Passos, anunciou, esta terça-feira, durante a visita à Pafil, no Louro, que o Lago Discount foi vendido.

Muito embora Mário Passos não tenha avançado com pormenores sobre esta venda, CIDADE HOJE sabe que a venda do Lago Discount, em Ribeirão, resulta de um processo que envolve uma empresa da região norte e um fundo de investimento.

A ideia é revitalizar aquele espaço comercial. Os novos promotores acreditam neste projeto e conceito comercial e tendem, no futuro, a desenhar novas ideias que permitam acrescentar mais-valias a este espaço comercial.

O Lago Discount é um espaço comercial único no país, quer pela sua dimensão, de 81 mil metros quadrados, quer pela diversidade da oferta, organizada por sectores de actividade desde a moda, ao mobiliário e decoração, hipermercado e restauração. O espaço integra, ainda, um parque temático de lazer e um Business Center, que oferece excelentes condições a todo o tipo de empresas, em 5 mil metros quadrados dedicados aos negócios.

Famalicão: Junta de S. Cosme, Telhado e Portela alerta para a indevida colocação de lixo

A União de Freguesias de S. Cosme, Telhado e Portela alerta a população que apenas os resíduos domésticos ou equiparados podem ser colocados nos devidos locais, entre as 7 e as 8 horas, às terças, quintas e sábados. O aviso visa sensibilizar os habitantes para que evitem a colocação de lixo fora destes horários e dias.

Por outro lado, a autarquia local recorda que os resíduos devem ser colocados em sacos plásticos, devidamente fechados, ou em equipamentos apropriados, de forma a evitar que fiquem espalhados na via ou locais públicos.
Fica, ainda, um alerta aos proprietários de cães da zona do cemitério da Portela, bem como na Avenida do Pinheiro, em Telhado, para que não soltem os animais durante a noite para não acontecer o que tem verificado, ou seja, os cães espalham o lixo na via pública.
A Junta de Freguesia recorda, ainda, que a recolha de objetos de grande dimensão (eletrodoméstico, peças de mobiliário e outros), que não podem ser recolhidos pelos meios normais de recolha de resíduos, nem colocados nos ecopontos ou contentores de lixo, deve ser solicitada, de forma gratuita, pelo 800 29 28 27.
O não cumprimento destas normas, incorre numa coima (multa) conforme previsto no Regulamento de Resíduos Sólidos e Limpeza pública, em vigor.

Famalicão: Tribunal condena homem que matou amigo e só confessou o crime 11 anos depois

O Tribunal Criminal de Guimarães condenou o homem que confessou ter matado o amigo 11 anos depois do crime. Foi condenado a oito anos e dez meses de prisão por ter morto a tiro de caçadeira João Paulo Azevedo, na altura com 34 anos, e ter enterrado o corpo. Os factos aconteceram num pinhal em Landim.

O arguido, de 57 anos, encontra-se em liberdade e assim vai continuar, por decisão do Tribunal Criminal de Guimarães, que entendeu manter a medida de coação de Termo de Identidade e Residência; isto até que a decisão transite em julgado. Foi ainda condenado a pagar 95 mil euros de indemnização à mãe da vítima, que se constituiu assistente no processo.

Recorde-se que o crime aconteceu em 2006, em Landim, quando combinaram experimentar uma caçadeira (alterada) num pinhal, depois de a vítima procurar o arguido para lhe comprar uma arma. O arguido disparou no momento em que o amigo se encontrava de costas, tendo-o atingido na cabeça.

Segundo a presidente do coletivo de juízes, o modo como o arguido atuou, sendo caçador, pelo conhecimento que tinha no manuseamento de armas de fogo, «dirigindo a arma contra a cabeça da vítima, que estava de costas, desprotegida, impõe uma ilicitude significativa». Contudo, na leitura do acórdão, a juíza presidente disse que, em julgamento, não ficou provado que o tiro foi acidental, segundo a versão apresentada pelo arguido, nem que houve intenção de matar a vítima, segundo a acusação do Ministério Público.

O Tribunal Criminal de Guimarães teve em conta que o arguido não tem antecedentes criminais, que está inserido familiar e socialmente, e que a sua confissão «foi absolutamente relevante» e teve «uma inegável importância» para a descoberta da verdade.

Recorde-se que o arguido confessou às autoridades, 11 anos depois, alegando ter consciência pesada e para que «a alma do seu amigo pudesse ter paz».

Tribunal de Famalicão pode decidir esta sexta-feira sobre futuro dos irmãos que não frequentam aulas de Cidadania

O Tribunal de Família e Menores de Famalicão tem marcada para esta sexta-feira, dia 9 de dezembro, a audiência que pode decidir sobre o futuro escolar dos dois irmãos Mesquita Guimarães que não frequentam as aulas de Cidadania e Desenvolvimento desde 2018/19, por decisão dos pais.

Bons alunos às restantes disciplinas, os dois irmãos têm vindo a transitar de ano, apesar de chumbados por faltas à disciplina obrigatória de Cidadania e Desenvolvimento. Os pais têm contestado em Tribunal a decisão, o que faz com que os alunos transitem de ano.

O Ministério Público do Tribunal de Família e Menores de Famalicão pediu em abril que os jovens ficassem sob tutela da direção da escola durante o período de aulas, considerando esta a única medida «que se apresenta como do superior interesse dos jovens». Houve uma sessão marcada no início de julho que acabou suspensa e que foi agora marcada.

Recorde-se que o Ministério da Educação considera que o objetivo passa pela criação, a título excecional, de planos de recuperação, conforme previsto na lei, para que os alunos possam ter aproveitamento positivo a esta disciplina.

Como tem vindo a ser referido, os pais defendem que a educação para a cidadania é uma competência da família, não aceitando que matéria como “Educação para a igualdade de género” e “Educação para a saúde e sexualidade” seja ensinada fora da família. Na opinião deles, a educação no sistema público não pode seguir nem impor diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas.

A audiência está marcada para esta sexta-feira, às 9 horas, pede apoio de quem se identifica com a sua causa.

Famalicão: Cabaz de Natal com sabores locais à venda na Praça

Neste Natal, os Cabazes Made In Famalicão com “Produto Que é Nosso” voltam a estar disponíveis, mas desta vez na Praça-Mercado de Famalicão, na loja Atrium, e também podem ser encomendados através dos telefones 919102306 / 966648245 ou do email produtosmadein@gmail.com.

Os produtores locais e a Câmara Municipal de Famalicão uniram-se para promover a venda de cabazes de Natal que juntam três diferentes opções. O vinho verde da região, os enchidos, o mel, as compotas, os queijos, chocolates ou bolachas tradicionais são alguns dos produtos que se juntam nestes cabazes, diferenciados conforme os produtos em Gourmet, Superior e Premium.

Os promotores consideram que os cabazes são uma excelente sugestão para oferecer neste Natal, promovendo ao mesmo tempo a economia local e os produtores de Vila Nova de Famalicão.

São vários os produtores locais que aderiram à iniciativa, com produtos diferenciados e que reúnem um conjunto de critérios de avaliação e reconhecimento distinguidos com o Selo Made IN Famalicão – Produto que é Nosso.