Famalicão: Município garante transporte a quase uma centena de cidadãos famalicenses portadores de deficiência

Este ano, o Município de Vila Nova de Famalicão apoia o transporte de 93 cidadãos famalicenses portadores de deficiência que se deslocam de quase todas as freguesias do concelho para instituições sociais e educativas. A ajuda municipal é na ordem dos 186 mil euros, verba aprovada na última reunião de Câmara.

Recorde-se que o serviço de transporte é realizado diariamente durante todo o ano, exceto na segunda quinzena de agosto. E, entre setembro de 2021 e agosto de 2022, a autarquia fez um investimento municipal na ordem dos 240 mil euros.

O valor e o número de beneficiários é ajustado ao longo do ano mediante o aparecimento de novas necessidades. Para além deste apoio, acresce uma verba previsível na ordem dos 50 mil euros referente a gastos de deslocações de cidadãos portadores de deficiência para instituições de fora do concelho.

Este apoio inclui deslocações a instituições, entre elas, a APPACDM Vila Nova de Famalicão, AFPAD – Associação Famalicense de Prevenção e Apoio à Deficiência, Centro Social e Cultural de São Pedro de Bairro, Universidade do Minho, Agrupamento de Escolas Alberto Sampaio (Braga), Instituto Politécnico do Cávado e Ave – Guimarães, Centro Capacitação e Formação de Famalicão (ACIP) e APACI – Associação de Pais e Amigos das Crianças Inadaptadas (Barcelos).

O presidente da Câmara reconhece que «apesar de pequeno, para estes famalicenses e as suas famílias, é um gesto com grande significado». Mário Passos destaca que «o facto de terem como se deslocar a instituições que fornecem atividades ocupacionais adaptadas à sua realidade, assim como ofertas formativas relevantes, é um passo importante para garantir o acesso destes cidadãos à educação, o seu bem-estar e o seu desenvolvimento pessoal e coletivo».

Refira-se que a Câmara Municipal tem providenciado, ao longo das últimas décadas, o serviço de transporte para pessoas portadoras de deficiência, através de transporte adaptado, táxis ou por ambulâncias, para a frequência das estruturas de apoio social e educativo situadas na área do concelho de Famalicão, bem como, Guimarães, Santo Tirso e Braga, dado as entidades da Administração Central do Estado, nos domínios da Segurança social e da Saúde, não financiarem o referido transporte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Famalicão: Rali passa por várias freguesias com a especial noturna em Esmeriz

O Rali de Famalicão vai para a estrada este fim de semana. Prova pontuável para o Campeonato Start Norte de Ralis, Troféu kumho e Troféu de Ralis Team Baia.

No primeiro dia, sábado, há dupla passagem na pec de Arnoso Santa Eulália, Nine, Jesufrei e Lemenhe (14h15/15h55); e tripla passagem em Calendário, Vilarinho das Cambas e Fradelos (15, 16h50 e 18h10). A terminar o primeiro dia a novidade é a Super Especial com dupla passagem em Esmeriz (19h50, 20h05), seguindo-se para o Pódio Start, no átrio do Município (23H).

O domingo começa com mais uma novidade, a dupla passagem na pec de Vale de São Martinho, Santiago da Cruz, Vale de São Cosme e Sezures (10h55, 12h41), prosseguindo com pec de Outiz Vilarinho das Cambas e Ribeirão (11h35, 13h20), também com dupla passagem, terminado com o pódio extra nos Paços do Concelho (15h30).

As ruas por onde vão passar os cerca de 90 competidores encerram para circulação 1h30 antes dos horários dos percursos atrás descriminados.

Em 2021, a prova foi ganha Adruzilio Lopes / Paulo Silva, em Mitsubishi Lancer Evolution IX; no segundo lugar ficou Fernando Peres/José Pedro Silva, em Mitsubishi Lancer Evo IX, fechando o pódio com Filipe Silva/Joana Silva, em Mitsubishi Lancer Evolutions VI.

PS rejeita pedido do Bloco para ouvir ministro sobre encerramento da maternidade de Famalicão

A Comissão Coordenadora Distrital do Bloco de Esquerda «lamenta profundamente» que o Partido Socialista tenha inviabilizado o pedido do BE para que o Ministro da Saúde fosse ao Parlamento prestar esclarecimentos sobre a possibilidade de encerramento de maternidades e urgências de obstetrícia/ginecologia no Serviço Nacional de Saúde. Em causa está, por exemplo, a maternidade do Hospital de Famalicão, «uma estrutura essencial para o distrito que não pode ser posta em causa», refere o Bloco em nota enviada à imprensa.

Todos os partidos votaram a favor, exceto o PS, «que assim inviabiliza a audição de Manuel Pizarro» para esclarecer sobre o possível encerramento da maternidade de Famalicão e falar do relatório elaborado pela Comissão de Acompanhamento, coordenada por Diogo Ayres de Campos, onde estaria previsto o encerramento, por exemplo, da unidade famalicense.

Recorde-se que nas últimas semanas foi noticiada a possibilidade de encerramento de maternidades e urgências de obstetrícia/ginecologia no Serviço Nacional de Saúde e para esclarecer esta situação, o Bloco considera “fundamental” a audição de Manuel Pizarro na Assembleia da República. «O PS rejeitou esse esclarecimento».

 

Desfile de Fanfarras dos BV Famalicenses

As fanfarras dos bombeiros voluntários de Paços de Ferreira, Barcelinhos, Azambuja, Fafe, Peniche, Vizela, Ourém, Famalicão e Riba de Ave participam, na noite deste sábado no Desfile de Fanfarras “Chefe Joaquim Silva”. Trata-se de mais uma iniciativa integrada nos 95 anos da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários Famalicenses, cuja fanfarra também participa no desfile.

As fanfarras participantes são recebidas no quartel às 16 horas e, às 18h30, decorre o jantar. O início do desfile, pelas ruas da cidade, começa às 20 horas.

Está tudo «afinado» para o Rali de Famalicão

«Está tudo pronto» para o Rali de Famalicão, a afirmação é de Sérgio Aguiar da direção do Team Baia, organizador deste evento desportivo que promete um grande espetáculo para a alegria dos muitos aficionados famalicenses e de toda a região.

Há 90 equipas inscritas, «muito acima das expectativas», garante Sérgio Aguiar. Depois do adiamento de julho para 1 e 2 de outubro, devido ao tempo, o responsável do Team Baia garante que não foi um revés e que o Rali não perdeu qualidade.

A prova é que há mais equipas inscritas, afirma. Chegam de vários pontos de Portugal, «o que prova a importância do nosso Rali», acrescenta. O responsável do Team Baia diz que há, naturalmente, muitas equipas famalicenses porque esta é uma prova a que ninguém quer faltar, a não ser por imperativos de agenda.

Sérgio Aguiar não destaca o nome de um piloto ou navegador, porque, na sua perspetiva, todos «são importantes», de pilotos, a navegadores, passando pelos mecânicos e outros assistentes.

Os últimos pormenores é o reforço da segurança, o maior requisito para um espetáculo desta natureza. «Temos muita sinalização, não olhamos a meios nesta matéria», descreve. Além disso, estão a contactar a população residente nas zonas das classificativas para tomar todas as cautelas nas horas das provas. E não são apenas as pessoas que importam, há também a preocupação com os animais que possam andar errantes. «As nossas classificativas são muito urbanas, há casas quase de 50 a 50 metros», regista Sérgio Aguiar. Isto apesar de muitas pessoas pensarem que a prova só atravessa montes em Fradelos, Vilarinho, S. Martinho ou Sezures.

Para que tudo funcione na perfeição, o Team Baia conta com quase 300 pessoas, entre forças policiais, bombeiros, médicos, staff da organização e outros voluntários.

Sérgio Aguiar reconhece que Famalicão tem muitos e bons pilotos, navegadores e mecânicos experientes; tem um Rali que «é uma imagem de marca do concelho e que ajuda a projetar a imagem de Famalicão»; e que, por isso, o Rali é um produto que ajuda o desporto, a economia e o turismo. Se um dia o Rali de Famalicão vai contar para outros prémios nacionais, Sérgio Aguiar não tem dúvidas de que vai acontecer porque «tem condições», mas não sabe ainda quando será. O importante agora, «é está tudo pronto».

João Pedro Sousa leva uma semana de trabalho para preparar receção ao Boavista

João Pedro Sousa cumpre, esta quinta-feira, uma semana de trabalho no FC Famalicão. No regresso ao clube, o treinador prepara a estreia, já este domingo, diante do Boavista, equipa que treinou depois de sair do Famalicão, em 2021.

Depois do sucesso em 2019/2020, com o sexto lugar na primeira liga, o treinador saiu em janeiro de 2021, seguiu-se uma passagem pelo Al Raed, da Arábia Saudita, até ao regresso a Famalicão, que aconteceu no passado dia 22 de setembro

Na conferência de imprensa de apresentação, João Pedro Sousa logo avançou que «não gosta de vender sonhos», reconheceu que o momento da equipa «é difícil», mas, doravante, «vamos jogar para ganhar». Do plantel que agora treina, João Pedro Sousa disse que o conhece bem e está «identificado com o seu valor». Voltar a ser «feliz» em Famalicão, motivar e trabalhar os jogadores «para jogarem com alegria» e inverter o ciclo negativo já no próximo jogo (em casa, com o Boavista), são as suas primeiras premissas. E tudo isto para «dar alegrias aos nossos adeptos».

Foto: FC Famalicão

Famalicão dá palco para aulas de teatro a alunos do 5.º ano

Depois da música e da dança, o teatro passa, também, a fazer do ensino artístico. Atualmente, são 21 os alunos de duas turmas do 5.º ano que vão frequentar, neste ano letivo, o ensino artístico especializado das artes de palco, em regime articulado, numa parceria entre a Câmara Municipal, a ACE- Escola de Artes e os agrupamentos de escola de Pedome e Ribeirão.

Atualmente, o ensino articulado em Famalicão abrange perto de meio milhar de alunos, com a Câmara Municipal a investir uma verba que ultrapassa os 100 mil euros. E sobre o valor afeto ao ensino articulado, o presidente da Câmara Municipal lamenta que o estado português não disponibilize os meios financeiros necessários «para que seja efetivo e para que todos os alunos possam fazer a sua escolha. Vou fazer todas as diligências para que o ensino articulado do Teatro e da Dança também sejam convenientemente apoiados e financiados por parte da tutela»

A apresentação do Curso Básico de Teatro decorreu, na tarde desta terça-feira, na Escola Básica de Pedome. Na ocasião, o presidente da autarquia enalteceu o «enorme contributo» do ensino artístico no enriquecimento do projeto educativo. «Temos alunos mais motivados e a adquirir novas competências através de outras formas de aprendizagem e saber», anotou Mário Passos.

A coordenadora do curso da ACE, Sílvia Correia, fala numa mudança de paradigma que «os pais aceitam e percebem as mais valias que é o seu filho, ao longo de 5 anos, do 5. ao 9.º anos, poder frequentar disciplinas que vão dar conhecimentos técnicos e artísticos, mas também consolidar matérias e tornar mais coeso o currículo».

O Curso Básico de Teatro ocupa atualmente 6 horas da carga horária semanal dos alunos, com as disciplinas de interpretação, improvisação e movimento e técnica vocal.

A promoção do ensino artístico e do ensino articulado continua a ser uma das apostas da Câmara Municipal de Famalicão e aos cursos de Música, promovidos pelo CCM- Centro de Cultura Musical e pela ArtEduca, a autarquia acrescentou ainda o ensino da Dança, em parceria com a Andança, iniciando agora o ensino articulado do Teatro em duas turmas dos agrupamentos de escola de Pedome e Ribeirão.