Famalicão: «Os famalicenses são os grandes protagonistas» da Região Empreendedora Europeia

O presidente da Câmara de Famalicão, Mário Passos, considera o título de Região Empreendedora Europeia como «um selo de qualidade representativo do ADN empreendedor do concelho de Vila Nova de Famalicão» e que muito se deve aos famalicenses. Por isso, não tem dúvidas de que «estamos a trilhar um caminho de futuro, marcado por uma aposta assente na inovação e no desenvolvimento tecnológico, que fará de Famalicão um concelho criador de valor e capaz de dar resposta aos desafios que aí vêm».

CIDADE HOJE (CH) – O que representa, para o concelho, ostentar o “título” de Região Europeia Empreendedora?

Mário Passos (MP) – É o melhor testemunho da vitalidade do nosso território. É o reconhecimento da nossa dinâmica empresarial, do esforço e empenho dos trabalhadores, empresários, escolas, centros tecnológicos e de investigação e de todo um trabalho no âmbito das políticas públicas de estímulo ao empreendedorismo. É um prémio dos famalicenses e da sua força de trabalho, que se expressa todos os dias na dinâmica empreendedora do concelho e em números como os que ainda estes dias demos conta de um novo recorde histórico no volume de exportações. É um título que reforça a nossa posição nacional e internacional enquanto território capaz, que empreende, um território de futuro e um lugar onde todos queremos estar.

CH – O que contribuiu para esta distinção?

MP – Sobretudo um conjunto de argumentos que assentam na capacidade e resiliência do concelho e da visão que temos para o futuro. Falo das dinâmicas do Famalicão Made IN e do Famalicão Created In; do processo de internacionalização do concelho; das ações desenvolvidas na área da governança e das parcerias institucionais, nomeadamente na elaboração e desenvolvimento do Plano Estratégico Famalicão.30; da força exportadora e produtora do concelho e do crescimento dos centros tecnológicos e universidades presentes no território.

Olhando para o que somos, facilmente encontramos muitas e muitas razões que correspondem aos requisitos das cidades e regiões a quem o Comité das Regiões atribuí esta distinção: somos uma região empreendedora e inovadora, que gera riqueza e competências, com uma visão de futuro credível, inovadora e promissora.

CH – Como é que as empresas podem retirar dividendos deste título?

MP – Pela dimensão e prestígio da distinção, mas sobretudo porque este título é também um reconhecimento do trabalho das nossas empresas. É um selo de qualidade representativo do ADN empreendedor do concelho de Vila Nova de Famalicão, que é apontado como um exemplo pela sua dinâmica empresarial, económica, de inovação e pela sua visão de futuro, que traz também uma dimensão de confiança para quem trabalha com as empresas do nosso concelho.

A distinção de Região Empreendedora Europeia é a validação de que estamos no caminho certo e incentiva-nos a fazer ainda mais e melhor e a mantermos este espírito insaciável e de superação que tanto nos caracteriza enquanto comunidade.

CH – As escolas têm um importante papel, principalmente as profissionais e universidades, o que pode ser melhorado?

MP – As instituições de ensino, independentemente da sua natureza, têm um papel crucial no desenvolvimento de qualquer território. E o caso de Famalicão não é exceção. Os contributos que resultam da formação das nossas instituições são inestimáveis e têm permitido preparar as gerações mais jovens, aumentar as qualificações dos famalicenses e formar quadros mais qualificados, capazes de dar resposta às necessidades das empresas instaladas no concelho.

As instituições de ensino profissional e universitário vão adaptando os seus currículos formativos às necessidades das empresas e serviços locais. Ter mão de obra qualificada e com uma formação ajustada às necessidades das atividades económicas instaladas no concelho é muito importante na medida em que ajuda a garantir a continuidade do tecido empresarial e, por conseguinte, o desenvolvimento do nosso território.

CH – No final do ano, acredita que Famalicão estará mais capacitado? Em que setores? O que é que esta distinção alavanca em termos de empreendedorismo e inovação?

MP – Não tenho dúvidas de que vamos todos sair de 2024 ainda mais fortes. Estamos a trilhar um caminho de futuro, marcado por uma aposta assente na inovação e no desenvolvimento tecnológico, que fará de Famalicão um concelho criador de valor e capaz de dar resposta aos desafios que aí vêm. A distinção de Região Empreendedora Europeia é a validação de que estamos no caminho certo e incentiva-nos a fazer ainda mais e melhor e a mantermos este espírito insaciável e de superação que tanto nos caracteriza enquanto comunidade.

CH – Aquando da atribuição referiu que a mesma valida as políticas públicas de estímulo ao empreendedorismo. De que forma?

MP: A distinção que recebemos do Comité das Regiões Europeu confirma aquilo em que acreditamos: que a aposta do município em políticas promotoras e facilitadoras da atividade empresarial e de estímulo ao empreendedorismo é uma aposta ganha e uma aposta que, ao longo dos últimos anos, tem também contribuído para o desenvolvimento e crescimento do nosso concelho. É uma aposta com muitos, muitos frutos e este prémio vem reconhecer os bons resultados que temos retirado dessas políticas.

Gostava muito que as coisas mudassem, que os decisores políticos nacionais percebessem que há mais Portugal para além das grandes áreas metropolitanas

CH – Com este selo, a Câmara de Famalicão terá ainda mais argumentos diante do Governo e das instituições decisoras para reivindicar investimento público?

MP: Com ou sem prémio, acredito que os argumentos existem e sempre existiram! Famalicão é, de há muitos anos para cá, um motor do desenvolvimento não só da região, como também do país. Gostava que os números do nosso concelho – que aliás crescem de ano para ano – valessem por si, mas às vezes parece que não são suficientes. Temos batalhado muito junto do governo central, chegamo-nos à frente em muitas situações e temos chamado a atenção para muitos constrangimentos que atingem o nosso território. A alternativa à Nacional 14 é um bom exemplo disto que falo. Muitos se questionaram porque é que eu e os autarcas da Trofa e da Maia assinalamos recentemente o arranque da construção da última fase da empreitada quando o investimento é do Governo português. Não se enganem. Se este investimento está no terreno foi porque durante décadas os representantes deste eixo exportador – e não falo só de representantes políticos – se esgotaram em esforços para que esta solução se concretizasse. Somos nós os grandes obreiros desta empreitada.

Gostava muito que as coisas mudassem, que os decisores políticos nacionais percebessem que há mais Portugal para além das grandes áreas metropolitanas e que não se pode governar um país a partir de Lisboa. Enquanto assim continuar, a única certeza e garantia que posso dar é que cá estarei para dar voz ao nosso concelho e às nossas gentes.

CH – Estão previstas várias iniciativas ao longo do ano. Quais as mais relevantes e porquê?

MP – Eu acredito que todas as iniciativas têm a sua relevância até porque todas são pensadas e desenhadas para envolver a nossa comunidade, o nosso ecossistema empresarial, educativo e de investigação e promover o seu desenvolvimento. No próximo mês de março, por exemplo, vamos refletir sobre o papel das instituições locais e dos seus agentes na promoção de um território mais competitivo, inovador e internacionalizado. Em abril vamos lançar os Bairros Comerciais Digitais, uma medida que visa a digitalização da economia local, e lançar o Plano Municipal de Formação para a Capacitação Transição Digital e Verde. Vamos promover os mercados da formação, do emprego e do empreendedorismo e assinalar o 35.º aniversário do CITEVE. Vamos promover a aproximação entre as empresas e as entidades do Sistema de Investigação e Inovação e as Universidades e continuar a reconhecer, apoiar e acelerar startups inovadoras e diferenciadoras. Em outubro vamos assinalar a primeira década de existência do Famalicão Made IN e promover mais um Fórum Económico. São mais de três dezenas de iniciativas que acredito que vão fortalecer ainda mais o nosso ADN empreendedor.

CH – Iniciou, este mês, o roteiro “Rostos da EER”. O que pretende com esta iniciativa?

MP – Desde o início que temos vindo a dizer que os famalicenses são os grandes protagonistas deste reconhecimento. Por isso, faz todo o sentido dar a conhecer e enaltecer alguns dos nomes que ajudaram e ainda ajudam a alavancar Famalicão como uma das maiores economias do país e a impulsionar o ADN empreendedor do nosso concelho. Esse é o grande objetivo deste novo roteiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Famalicão: BV Famalicenses chamados para incêndio em garagem

Os Bombeiros Voluntários Famalicenses foram chamados, esta sexta-feira, para um incêndio, ao que se presume numa garagem. Os efetivos estão, ainda, a tentar apurar qual o foco do fumo. No local estão três veículos e nove bombeiros.

O sinistro, cujo alerta foi dado às 10h14, localiza-se no Edifício Saza, em frente ao Parque de Sinçães.

Famalicão: CIOR avança com obras para o Centro Tecnológico Especializado

A Escola Profissional CIOR assinou o auto de consignação que permitirá o arranque das obras do CTE-Centro Tecnológico Especializado Industrial na área da metalurgia e metalomecânica. Um projeto/empreendimento financiado pelo PRR- Plano de Recuperação e Resiliência – no montante global de 1 700 000 euros, que deverá ser executado até final de 2024.

Esta moderna estrutura, a funcionar nas instalações da CIOR, ocupará uma área de 1200 m2, que será adaptada, recriando uma oficina multifuncional, com processos industriais reais e inovadores também ao nível da organização, com modernos equipamentos e automatização dos processos.

A reconversão do edifício contempla as seguintes áreas de formação: centro de maquinação industrial, laboratório de metrologia, espaço de serralharia e de soldadura e salas de desenho técnico/ informática, entre outras. Neste espaço altamente especializado serão lecionados os cursos de Técnico de Desenho de Construções Mecânicas e Técnico de Maquinação e Programação CNC.

Segundo Amadeu Dinis, diretor da CIOR, a importância desde CTE surge «em virtude dos cursos ligados ao setor da metalomecânica e afins serem uma escolha articulada e coerente no que diz respeito às necessidades de mão de obra especializada em défice nas empresas deste importante cluster em franca expansão no concelho de Vila Nova de Famalicão e na região». Amadeu Dinis, ainda a propósito da falta de técnicos nestes setores, alerta para a pertinência de se desenvolverem «ações de marketing promocional no sentido de se desmistificar e desconstruir preconceitos existentes nos jovens e nos pais em torno destes importantes, promissores e cada vez mais modernos e inovadores setores de atividade industrial».

Este CTE «será equipado com recursos educativos tecnológicos que asseguram a incorporação da indústria 4.0, mais produtiva e sustentável, no desenvolvimento da atividade formativa», assegura, por sua vez, José Paiva, diretor pedagógico, que refere ainda as relações de parceria firmadas entre a Escola e empresas de referência da região com base num novo paradigma de “empresa-âncora”.

Famalicão: Espetáculo de poesia e música sobre Abril em Avidos

Na noite deste sábado, às 21h30, o auditório António Gomes, em Avidos, recebe um recital poético-musical comemorativo dos 50 anos do 25 de Abril.

O espetáculo – Abril… Sempre! – conta com as participações de Rui Mesquita (piano), Carlos Carneiro (guitarra clássica), Mónica Mesquita, Sofia Oliveira e Flávio Ferreira (canto) e António Sousa (poesia).

Esta iniciativa tem o apoio da Junta de Freguesia de Avidos e Lagoa e a colaboração da Fraternidade Nuno Álvares.

Famalicão: Festa a S. Tiago em Outiz

Nos dias 27 e 28 de julho, Outiz estará em festa com as comemorações a S. Tiago.

O programa festivo começa pela manhã, com a entrada dos Zés P´reiras de Barcelinhos, com a noite reservada para a atuação da tuna académica Incognituna, às 21h30, do grupo Banda Docasião, às 22 horas, e uma sessão de fogo de artifício.

No domingo, dia 28, às 10h30, celebra-se missa solene; às 15h30, entrada da fanfarra dos escuteiros de Mouquim, seguindo-se atos religiosos com a procissão em honra de S. Tiago. Às 17 horas, atuação da Associação de Tocadores e Cantadores ao Desafio Famalicense.

Famalicão: Mafalda é campeã do mundo de Desporto Escolar

Mafalda Mesquita é a nova campeã do Mundo de natação de Desporto Escolar, nos 400 livres.

O feito foi conseguido esta quinta-feira, no decurso dos Mundiais de Desporto Escolar, que estão a decorrer na Roménia.

Mafalda é aluna da Secundária Camilo Castelo Branco e atleta do GD Natação.

Em representação de Portugal, Mafalda Mesquita e Tiago Costa, também do GDN, conseguiram, na quarta-feira, o segundo lugar nos 100 metros costas.

Famalicão: Mulher morre depois de ser atropelada

Na madrugada desta quinta-feira, uma mulher, com cerca de 60 anos, morreu depois de ser atropelada por uma viatura, em plena Avenida dos Descobrimentos, Famalicão.

Ao que a Cidade Hoje conseguiu apurar, o atropelamento aconteceu cerca das 02h20, em circunstâncias não apuradas.

A vítima, em estado grave, ainda foi transportada para o hospital pelos Bombeiros Voluntários de Famalicão mas acabou por falecer.

A PSP tomou conta da ocorrência.