Famalicão: PAN insiste nos esclarecimentos sobre a central fotovoltaica

A Comissão Política Concelhia do PAN quer obter mais esclarecimentos sobre a nova central fotovoltaica e questionou as Juntas de Freguesia de Brufe, Calendário, Vilarinho das Cambas, assim como a União de Freguesias Gondifelos, Cavalões e Outiz.

Recorde-se que o PAN já tinha encetado diligências junto da Câmara Municipal sobre este assunto, mas adianta que o município se tem recusado a ceder documentos administrativos relativos ao processo do projeto.

Segundo o PAN Famalicão, este é «um dos maiores atentados ambientais do concelho, com o abate de quase 300 sobreiros e a ocupação de zona agrícola.

Entre outras informações solicitadas às Juntas, o PAN quer esclarecimentos acerca da data de notificação sobre a instalação da central, se foi realizada alguma sessão de esclarecimento à população e os seus resultados, e qual o parecer das Juntas em relação a este projeto.

Os dirigentes do PAN dizem que «a transparência deve ser um dos princípios basilares da administração pública, e por isso, consideramos fundamental esclarecer todo este processo junto dos representantes locais».

A concelhia do PAN diz que a única informação que é pública é o pedido da empresa requerente que deu entrada nos serviços municipais em final de 2020, «pelo que se constata uma falta de transparência relativa a este projeto, onde a resposta ao pedido de acesso ao processo administrativo do projeto está a ser mais demorada que o próprio licenciamento».

Paralelamente, o partido pediu à Câmara esclarecimentos sobre quantos projetos para a instalação de centrais fotovoltaicas ou centros eletroprodutores deram entrada nos serviços municipais, assim como quais os locais previstos para a instalação dos mesmos e as áreas correspondentes.

4 Comments

  1. Joaquim Faria as culpas são de ambos Ministério pela autorização dada Autarquia pelo uso do “Interesse Público Municipal” para contornar o relatório do ICNF que considera o terreno de perigosidade alta para ocorrência de incêndios naqueles terrenos e por isso chumbava a construção da estação fotovoltaica. O grande ponto de interrogação é o porquê de não ter havido discussão pública junto dos munícipes para algo que se diz de interesse comunitário. Mais num concelho com tanta indústria não tem parques de pavilhões inteiros para colocar centenas de painéis nesses edifícios? É preciso deitar 80 campos de futebol de floresta abaixo (3 vezes o tamanho do parque da cidade) para colocar num monte os ditos painéis? Isto foi feito em silêncio e nos longe do olhar público dos Famalicenses sendo o único objetivo municipal o interesse de alguns poucos não do concelho.

  2. Eu penso que o PAN a ser sério deveria perguntar antes ao Ministério do Ambiente. Agora, quando as decisões são a nível central, perguntar às Autarquias, a meu ver, é chover no molhado. Obviamente aceito estar errado …

  3. Já diziam ilustres falecidos como o Adriano Moreira e o Medina Carreira que os piores crimes em Portugal são aqueles que o Estado ou as Autarquias conseguem legalizar. Este é infelizmente para nós um excelente exemplo do que eles referiam.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Famalicão: An-Dança reconhecida internacionalmente

Trinta e um alunos da An-Dança – Conservatório de Dança Vila Nova de Famalicão competiram, na passada semana, no Dance Open América que decorreu em Madrid. Nesta competição internacional, das mais revelantes, os alunos do plano de alto rendimento e ensino articulado arrecadaram importantes prémios. Desde logo, o Conservatório foi considerado a melhor escola da competição, recebendo o galardão Outstanding School Award.

A professora Núria D´Oliveira foi distinguida com o prémio New Generation Star pelas suas coreografias. Trata-se de um prémio que normalmente distingue um bailarino, mas que excecionalmente foi atribuído à coreógrafa.

A aluna Catarina Azevedo foi distinguida com o Diploma Of Achievement, prémio para a bailarina revelação pela sua demonstração e dedicação à arte da dança.

Todos os alunos foram premiados nas diferentes categorias de dança clássica e contemporânea, a nível individual, duo/trios e grupos. Foram às finais desta competição, com Golden Pass para todos que se destacaram até ao 6º lugar, que se vai realizar em Miami, nos Estados Unidos, de 25 a 28 de abril deste ano.

A direção da AN-Dança sublinha que «com muito orgulho levamos o nome do Município a mais um reconhecimento internacional na arte da dança, estando a qualidade do nosso trabalho entre as maiores escolas a nível internacional, como temos comprovado ao longo destes anos».

Famalicão: Formação digital para funcionários e professores

Técnicas administrativas, assistentes operacionais e docentes dos agrupamentos de escolas Terras do Ave e Camilo Castelo Branco estão a receber formação sobre “Folha de cálculo – funcionalidades avançadas”. Esta iniciativa na área digital é dinamizada por João Paulo Carneiro, tem a duração de 25 horas e decorre em Pedome, na escola sede do agrupamento.

Inserida no Plano Estratégico do Agrupamento Terras do Ave, no que diz respeito à aposta na capacitação de pessoal docente e não docente, o grupo está a aprofundar os conhecimentos para prestar um serviço de maior qualidade a toda a comunidade, já que atuam em diferentes áreas.
Ricardo Ribeiro, adjunto da direção do AE Terras do Ave e responsável pelo plano formativo, confere que esta formação «é importante porque contribui para o crescimento profissional e sucesso coletivo dos nossos colaboradores e, por consequência, na qualidade dos serviços que o Agrupamento de Escolas oferece à comunidade educativa»..
Os formandos, por seu turno, estão entusiasmados com o desenvolvimento das suas competências no domínio desta ferramenta essencial e com a certificação da sua capacitação.

Famalicão: Festival de Teatro Amador começa em março e acaba em abril

A décima sétima edição do Festival de Teatro Amador “Terras de Camilo” decorre de 2 de março a 27 de abril, no auditório do Centro de Estudos Camilianos, em Seide S. Miguel. As propostas são de todo o país, de Barcelos, a Idanha-a-Nova, passando por Maia, Viseu, Vila Nova de Gaia e Valongo. Acresce ao certame os espetáculos protagonizados pela ‘prata da casa’. Todos os espetáculos têm entrada livre, sujeita a lotação do espaço, e início pelas 21h30.

O festival, organizado pelo Município de Vila Nova de Famalicão em parceria com o GRUTACA – Grupo de Teatro Amador Camiliano, começa no dia 2 de março com a peça “A Furgoneta”, pelo Teatro de Balugas (Barcelos).

Segue-se a peça “O Casamento”, pela Escola Dramática e Musical de Milheirós (Maia), no dia 9 de março, depois “A Beata da Sogra”, pelo Grupo de Teatro Aldeia Verde de Lazarim (Viseu), no dia 16, e “Sozinha”, protagonizada pela atriz famalicense, Elsa Pinho, no sábado, 23.

O Dia Mundial do Teatro, comemorado a 21 de março, será marcado com iniciativas como a apresentação do espetáculo infantojuvenil, “O Rei Que Comia Histórias”, pela Pandora Teatro (Vila Nova de Gaia), no dia 27 de março, pelas 15h00, bem como a oficina de teatro “Abril e a Liberdade – Da Escrita Criativa à Encenação de um Conto”, orientada por Ana Azevedo, com sessões de 27 de março a 25 de abril e inscrição gratuita e obrigatória.

No dia 5 de abril está prevista a inauguração da exposição “O Palco das Marionetas”, pelas 18h00, que ficará patente na Casa do Caseiro da Casa-Museu de Camilo Castelo Branco até 28 de abril, com entrada livre.

O festival prossegue no dia 6 de abril, com o espetáculo “Até Que a Boda Nos Separe”, pelo Grupo Dramático e Recreativo da Retorta (Valongo), seguindo-se, no dia 13, “O Anexo”, pela Ajidanha – Associação de Juventude, de Idanha-a-Nova. A 20 de abril, será a vez do Núcleo de Teatro da Associação Cultural de Vermoim levar à cena “Bons Olhos o Vejam”.

O festival encerra com uma performance protagonizada pelo GRUTACA, no dia 27 de abril, que apresentará o espetáculo “O Lobisomem”.

Toda a programação pode ser consultada no portal da autarquia em: www.famalicao.pt/xvii-festival-de-teatro-amador-terras-de-camilo .

Famalicão: PSP desmente CHEGA no caso dos disparos na cidade

A PSP já reagiu ao caso dos alegados tiros que terão sido disparados aquando da passagem da caravana do CHEGA, na Avenida Rebelo Mesquita, em Famalicão.

Numa reação ao Jornal de Notícias, a Polícia de Segurança Pública desmente a versão do partido. Aquela autoridade afirma que o som audível no vídeo partilhado pelo CHEGA é proveniente de rateres produzidos por uma mota, que integrava a caravana, e não de uma arma.

Ao JN a PSP adianta ainda que o momento foi constado por uma equipa policial que estava em patrulhamento no recinto da feira semanal.

CHEGA diz ter sido recebido com tiros em Famalicão, PSP reage e desmente partido

O partido CHEGA afirma ter sido recebido com tiros, em Vila Nova de Famalicão. O episódio terá acontecido na tarde desta quarta-feira, na sequência de uma ação de pré-campanha, na passagem da caravana do CHEGA pela Avenida Rebelo Mesquita, nas proximidades do recinto da feira semanal.

O momento, onde são audíveis os alegados disparos, ficou registado em vídeo e foi partilhado nas redes sociais do partido.

Pouco tempo depois da publicação do vídeo, a PSP reagiu em comunicado e nega a versão do CHEGA.

Nas últimas horas tem-se assistido à partilha de um vídeo em várias redes sociais em que se vê a passagem de um camião e várias viaturas ligeiras na Av. Rebelo Mesquita, em Vila Nova de Famalicão, com imagens alusivas ao partido Chega.

Na parte final do vídeo é audível um som semelhante ao disparo de uma arma de fogo, que se repete por quatro vezes.

Esse aspeto tem sido destacado em muitas dessas partilhas, onde é sugerido que a caravana do partido Chega foi recebida a tiro na cidade de Vila Nova de Famalicão.

Relativamente a este assunto, o Comando Distrital da PSP de Braga informa que no momento da passagem da caravana encontrava-se uma equipa policial em patrulhamento no recinto da feira que, ao aperceber-se dos sons, saiu do recinto e pôde constatar que se tratava de rateres produzidos por um motociclo que seguia na caravana“.

Candidatos da Aliança Democrática por Braga visitam instituições de saúde

Os candidatos da Aliança Democrática (AD) pelo Círculo Eleitoral de Braga, onde se inclui o famalicense Jorge Paulo Oliveira (4.º da lista), dedicaram esta quarta-feira à saúde pública, com visitas a várias instituições, incluindo os hospitais de Famalicão, Braga, Guimarães e Barcelos.

Depois de auscultar os problemas, o cabeça-de-lista, Hugo Soares, declarou que «na Aliança Democrática não temos complexos ideológicos entre o público e o privado. A nossa ideologia são as pessoas…resolver os problemas das pessoas».

Nos contactos que estabeleceram com responsáveis da saúde, ouviram dificuldades específicas de cada estabelecimento de saúde, mas no cômputo geral consideram que existem problemas comuns. «A incapacidade do Ministério da Saúde em recrutar e reter mais médicos e a insatisfação dos profissionais de saúde – gerando greves sucessivas – estão na origem de alguns dos problemas, assim como os constrangimentos e as dificuldades provocadas pelo Ministério das Finanças, que tudo quer controlar».

Por isso, denunciam que «o balanço dos oito anos de governação PS não podia ser mais desastroso». Hugo Soares diz que «a crise na saúde atingiu níveis impensáveis. Ninguém pode aceitar que Portugal esteja a regredir numa área prioritária como a saúde». Falou especificamente dos atrasos nas consultas, nas cirurgias e na medicina familiar.