Festival do Vinho do Vade reforça impacto económico e social

O Festival do Vinho do Vade, no concelho de Vila Verde, vai contar este ano com um programa alargado de animação e valorização de produtos locais.

Cerca de duas dezenas de produtores de vinho vão participar no evento, que a União de Freguesias do Vade organiza no próximo fim de semana, de 3 e 4 de março.

Sopas de burro cansado’ e papas de milho fazem parte da ementa gastronómica, juntamente com os tradicionais petiscos. Rusgas, folclore e cantares regionais vão marcar a animação do Festival, que mobiliza os movimentos associativos da terra e gentes de todas as idades.

O vinho do Vade diferencia-se pelas suas características únicas, com textura e sabor moldados pelas expressivas encostas solarengas desta região, situada nos limites dos concelhos de Vila Verde e Ponte da Barca. Graças também à qualidade das vinhas e ao saber das tradições agrícolas específicas desta região, o Vinho do Vade distingue-se ainda por atingir níveis mais elevados de volume de álcool, comparativamente com o que normalmente acontece com os vinhos verdes.

A União de Freguesias do Vade assume o vinho destas terras como “um produto-âncora para a valorização e dinamização da economia local”, num processo que reforça a mobilização da comunidade, desde os mais novos aos mais idosos, em torno das tradições e marcas de identidade deste território, que congrega as freguesias de Atães, Codeceda, Covas, Penascais e Valões.

“O Festival do Vinho do Vade é uma aposta para ajudar à dinamização económica e também social deste território. Através das marcas da nossa identidade muito própria, das nossas raízes e das nossas tradições, queremos valorizar e rentabilizar as potencialidades e aquilo que temos de melhor nas nossas terras», afirma o autarca Carlos Cação.

O presidente da Junta da União de Freguesias do Vade reconhece “as muitas dificuldades de um território de baixa densidade populacional, deslocado dos grandes centros urbanos e de acessibilidades difíceis”, mas salienta que, “em contrapartida, existem marcas muito próprias e insubstituíveis que nos distinguem e diferenciam como um espaço de qualidade, de gente que sabe fazer e com produtos únicos”.

Sobre o Festival do Vinho do Vade, que arranca já no próximo sábado, no Pavilhão Multiusos, Carlos Cação anuncia «um evento de grande festa, aberto, com muita animação e capaz de mobilizar a comunidade em torno do melhor que temos e fazemos nas nossas freguesias».

Cerca de duas dezenas de produtores locais vão estar no certame com pipos de vinho para provas, num ambiente de grande animação popular. No sábado, dia 3, vão marcar presença Rusgas de Arcos de Valdevez, Ponte da Barca e Vila Verde. A noite vai ainda incluir animação alternativa com DJ para as gerações mais novas. No domingo, o folclore e os cantares regionais vão marcar a animação.

No Festival haverá ainda mirtilos, cogumelos e outros produtos locais. “Sopas de burro cansado” e papas de milho fazem parte da ementa mais típica que será servida pelo Centro Social de Covas, ao lado das tasquinhas e espaços de petiscos a cargo de associações e comissões de festas do Vade. Os bares serão geridos por grupos de jovens. Crianças do pré-escolar e primeiro ciclo terão à venda artesanato e outros objectos para angariação de receitas a favor de atividades escolares.

 

Famalicão: Pedro Abrunhosa e “Bela e o Monstro” marcam o 21º aniversário da Casa das Artes

No dia 1 de junho celebra-se o aniversário da Casa das Artes e há um programa para comemorar os 21 anos de atividade. No dia de aniversário, pode ver o espetáculo “Bela e o Monstro”, no grande auditório. A peça, desenvolvida pela companhia Jangada Teatro, com dramaturgia de Filipe Gouveia e encenação de Xico Alves, pode vista às 10h00 e às 15h00. Nos dias 3 e 4 de junho, Pedro Abrunhosa preenche o grande auditório, com o Comité Caviar. O espetáculo começa às 21h30.

“Música para Famílias 2022” realiza-se no dia 5 de junho, pelas 11h30. Já nos dias 9, 10 e 11, às 21h30, estreia a peça “Aberto 24 Horas”, uma Coprodução do Ensemble-Sociedade de Actores com a Casa das Artes de Famalicão.

O café concerto vai ser palco de mais uma edição de “Fado no Café da Casa”, uma coprodução da Casa das Artes de Famalicão e a ACAFADO – Associação Cultural & Artística Famalicão Fado, no dia 9 de junho, às 21h30. “Pela Mão da Música” é o espetáculo que vai dar vida ao Grande Auditório no dia 15, às 21h30.

“Folefest” vai ser apresentado a 17 e a 18 de junho, pelas 21h30, no Pequeno Auditório. Segundo a Casa das Artes, o concerto visa «promover e divulgar o acordeão de concerto, criando um público e uma consequente fidelização a um instrumento que, nos últimos anos, tem conquistado as salas de concertos em Portugal».

Na semana seguinte, nos dias 24 e 25, a Casa das Artes vai acolher “Chamar a Música” – Portugal no Festival Eurovisão da Canção. O espetáculo inicia-se às 21h30 e apresenta-se como uma coprodução da ArtEduca e da Casa das Artes. Durante seis dias, de 28 de junho a 3 de julho, vai desenrolar-se a mostra do Circo Contemporâneo, desenvolvida pelo do Instituto Nacional de Artes do Circo e a Casa das Artes.

O mês de junho vai contar ainda com a exibição de filmes no Cineclube de Joane. No dia 2 de junho, os famalicenses podem assistir ao filme “O Poder do Cão”. Nos dias 9, 16 e 23, vão ser exibidas as longas-metragens “Drive my car”, “28 ½” e “Acidente”, respetivamente. As sessões iniciam-se às 21h45.

Famalicão de prata na Taça de Portugal de Boccia Sénior

A Câmara Municipal, através da seleção de Boccia Sénior, participou na Taça de Portugal Individual 2021/2022, realizada no dia 26 de maio, em São João da Madeira. Esta competição teve a participação de 64 atletas de todo o país.

A seleção famalicense esteve representada por cinco atletas, com destaque para Plácido Miranda que conseguiu a prata, depois de perder, na final, com uma atleta da maia. A participação famalicense teve a coordenação técnica Luís Silva e Vânia Pinheiro.

 

Famalicão: Bikemania organiza “Trilhos de Perdição”

A Bikemania Famalicão organiza, no dia 4 de junho, a 5.ª etapa do GPS EPIC Samsys de 2022, denominada “Trilhos de Perdição”. As inscrições terminam quinta-feira e podem ser realizadas on-line no site oficial: www.gpsepic.com

Recorde-se que o GPS Epic é um circuito nacional que consiste num passeio de BTT orientado exclusivamente por GPS e em total autonomia, que percorre património local e natural.

Nesta etapa, os participantes percorrerão vários trilhos e caminhos rurais do concelho famalicense, além de passarem por locais com um importante valor histórico e cultural como a Casa de Camilo Castelo Branco, o Aqueduto de Castelões, a Capela de Santa Tecla em Santa Maria (Oliveira), o Teatro Narciso Ferreira em Riba de Ave, a zona arqueológica de Vermoim, a Casa de Pindela em Cruz, entre outros.

A partida e a chegada do evento ocorrerão na entrada principal do Parque da Devesa e os participantes terão à sua escolha diferentes percursos, consoante a distância pretendida.

Este evento faz parte do plano de atividades de comemoração dos 10 anos da associação famalicense.

Famalicão: Concerto de Emmy Curl adiado para 17 de setembro

Emmy Curl ia apresentar o novo álbum “15 years” no Café-concerto da Casa das Artes, este sábado, dia 28 de junho. O espetáculo foi remarcado para o dia 17 de setembro, por motivos de saúde.

Os espetadores que tenham adquiridos bilhetes para o dia 28 de junho devem contactar a bilheteira da Casa das Artes.

Famalicão: AM Lameiras celebra 38.º aniversário

Depois de dois anos sem festa, a Associação de Moradores das Lameiras voltou a festejar o aniversário de forma presencial, no recinto das Lameiras.

Foram muitas as crianças, moradores e amigos da AML que marcaram presença para cantar os parabéns, juntamente com os corpos gerentes desta associação.

Jorge Faria, presidente da direção, salientou «que após dois anos de confinamentos e separações forçadas, este ano é ainda mais especial a celebração», referindo que «a AML merecia e precisava que nos voltássemos a juntar para celebrar todo o caminho percorrido ao longo de 38 anos e, em especial, estes últimos dois anos totalmente atípicos».

Desta vez foi possível, uma vez mais, festejar dentro do Edifício das Lameiras, como acontece desde 1984, com os parabéns e o corte do bolo, contaram, ainda, com uma surpresa, protagonizada por uma antiga moradora do edifício, a Marissol, que encantou todos os presentes, ao entoou algumas músicas conhecidas de todos.

Após o brinde à AML, Jorge Faria, deixou votos para que dali a um ano todos se voltem a reunir para festejar o 39º aniversário da AML e, em 2024, para assinalar o 40º aniversário.

Na página oficial de Facebook da AML poderão reviver alguns momentos da comemoração deste ano.

Famalicão: Companhias da PASEC enchem Centro de Estudos Camilianos com peça de teatro sobre industrialização

As Companhias Artísticas da PASEC, em conjunto com o Agrupamento de Escolas Dona Maria II, levaram à cena a peça de teatro “De 1830 rumo a 2030” sobre o impacto da industrialização no tecido social português ao longo dos últimos 200 anos.

O espetáculo, integrado no Plano Nacional das Artes, teve lugar no Centro de Estudos Camilianos, no dia 25 de maio, com uma assistência superior a 200 espectadores. Estiveram em cena as Companhias de Teatro ADN, Companhia de Dança e Expressão Corporal Arena e Companhia de Música ADV, todas da PASEC.

Subiram ao palco mais de 50 crianças e adolescentes, apresentando uma reflexão sobre os nossos últimos séculos de industrialização.

O espetáculo totalmente redigido, produzido e encenado pelas próprias crianças e adolescentes que lhe deram forma, teve como objetivo dar a conhecer a forma como a Indústria afetou a vida das pessoas, as oportunidades que gerou e os impactos mais negativos. Numa viagem de duzentos anos, o final da peça incidiu no conceito de desenvolvimento sustentável e como hoje é possível estabelecer um equilíbrio entre o processo de Industrialização, o Homem e o Ambiente.

No final do espetáculo, a diretora do Agrupamento de Escolas D. Maria II, Cândida Pinto, destacou a singularidade do espetáculo apresentado e de como é possível conjugar a educação formal e a educação não formal em projetos socioeducativos capazes de promover a capacitação e inclusão de todos os alunos, despoletando tanto o seu envolvimento social como o sucesso educativo.