GNR regista dois infetados, 57 de quarentena e 77 em avaliação

Segundo informações da Guarda Nacional Republicana (GNR) há, atualmente, dois militares infetados, três com suspeita de infeção, 57 em quarentena e 77 em avaliação.

Estes números são avançados num comunicado em que a GNR dá conta da sua ação no combate ao Covid-19. Esta força de segurança refere que nas últimas semanas ajustou o seu funcionamento e rotinas, «a fim de manter uma capacidade de resposta para as necessidades do País, neste período de pandemia como o que vivemos».

Para além do habitual policiamento de proximidade, os militares da GNR têm procurado potenciar as suas capacidades distintivas, no que diz respeito à segurança e vigilância do território nacional, monitorizando movimentos e controlando fronteiras, através de afetação diária de mais de 500 militares. Assim, tem sido implementado um reforço das cadeias logísticas em prol da autossuficiência do dispositivo operacional, bem como canalizadas todas as valências policiais no apoio à população, nomeadamente no suporte à primeira linha da saúde, na proteção de áreas e no apoio à população idosa, sobretudo a que vive sozinha e isolada.

«Os militares da Guarda, com tranquilidade e serenidade, procurarão manter ininterruptamente a sua capacidade operacional, adaptando-se à nova realidade, e procurando ir ao encontro da necessidades dos Portugueses».

Famalicão: Carro incendeia junto ao posto da GNR de Joane

Ao inicio da tarde desta sexta-feira, um veículo que circulava em frente ao Posto da GNR de Joane, começou a ser consumido pelas chamas.

Uma condutora que circulava em outra viatura rapidamente deu conta do sucedido e alertou os militares da GNR.

A rápida intervenção com extintores evitou que o carro ardesse na totalidade, tendo ficado apenas com alguns danos.

Tribunal de Famalicão decreta prisão preventiva a assaltantes de lares

O Tribunal de Famalicão decretou prisão preventiva a cinco dos nove detidos, pela GNR, por crimes de furto de cofres em lares do concelho de Barcelos. Aos restantes quatro arguidos foi aplicada a medida de coação de apresentações diárias e semanais nos postos policiais das suas respetivas áreas de residência.

Na passada quarta-feira, no decurso de uma investigação por 15 furtos em lares, nos distritos de Braga, Viana do Castelo, Porto, Bragança e Portalegre, o Comando Territorial de Braga da GNR, através do Núcleo de Investigação Criminal de Barcelos, deteve os suspeitos, com idades compreendidas entre os 25 e 53, todos com antecedentes criminais.

No decurso desta ação, os militares deram cumprimento a 16 mandados de busca, 11 domiciliárias e cinco em veículo, que culminaram na apreensão de diverso material: 11 telemóveis; 4 650 euros em numerário; oito chaves de fendas; dois passa montanhas; duas lanternas; um alicate; dois objetos em ouro; notas falsas/contrafeitas; duas facas; e uma soqueira.

Esta ação contou com o reforço dos militares do Comando Territorial de Porto.

Famalicão: CITEVE poderá estar envolvido na operação do “Maestro” Manuel Serrão

A operação “Maestro”, sobre alegada fraude com fundos comunitários, e que coloca Manuel Serrão no centro da suspeita, também visa o CITEVE, em Famalicão. Segundo escreve o Jornal “O Público”, o CITEVE terá emitido faturas relativas ao fornecimento de bens e serviços à Associação Seletiva Moda que poderão não ter correspondência com a realidade.

Recorde-se que a operação “Maestro” saiu esta terça-feira para a praça pública, com duas centenas e meia de inspetores da Polícia Judiciária, peritos financeiros e informáticos a realizarem cerca de oitocentas buscas, em vários organismos de diferentes regiões do país.

A Polícia Judiciária, em comunicado, esclareceu que estão em causa suspeitas da prática de crimes de fraude na obtenção de subsídio, fraude fiscal qualificada, branqueamento e abuso de poder que, no total, podem chegar aos 40 milhões de euros, na maioria do quadro do Compete 2020 – Programa Operacional Temático Competitividade e Internacionalização.

As suspeitas recaem na criação de estruturas empresariais complexas, com o objetivo de apresentar justificações contratuais referentes a prestações de serviços e fornecimento de bens para a captação de fundos. Manuel Serrão é tido como o “cérebro” desta estrutura, mas há outros suspeitos: o jornalista Júlio Magalhães e o presidente do COMPETE, Nuno Mangas, estão entre os nomes já conhecidos.

Próxima época da Liga BPI em relvado natural e campeonato reduzido a 10 equipas (só em 2025/26)

O formato competitivo dos campeonatos nacionais seniores femininos vai ser alterado. A redução para 10 equipas na Liga BPI (atualmente são 12) e a criação da 4.ª divisão são as grandes alterações… só para 2025/26. Outra novidade, em vigor já na próxima época, é a realização de todos os jogos em relvado natural.

A redução de equipas no principal campeonato determina que na próxima época (24/25) haverá mais descidas. Falta saber quantas equipas descem diretamente e se haverá playoffs entre formações do primeiro e segundo escalão.

A 2. ª divisão manterá 16 equipas e a 3.ª divisão contará com apenas 12. Com esta redução de equipas, será criada uma 4.ª divisão, sem limite de equipas. Para 2026/27, a única alteração acontece na 2.ª divisão, que será reduzida de 16 para 12 equipas.

Estas medidas têm como objetivo «melhorar a competitividade, promovendo o equilíbrio, aumentar a base de recrutamento de futebolistas portuguesas e potenciar o contexto em que jogam», refere a FPF. Por outro lado, o organismo desportivo pretende, também, «evitar sobrecarga no calendário» face ao aumento de clubes nacionais nas competições da UEFA, nomeadamente na Liga dos Campeões, já em 2024/2025, e uma «maior distribuição e criteriosa aplicação de fundos de apoio aos clubes, estando já estabelecido um montante de 7,8 milhões de euros para as épocas de 2024/2025 e 2025/2026».

GNR deteve 84 pessoas e apreendeu material relacionado com vacinação de cães

O Serviço da Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR efetuou 51 mandados de busca domiciliária nos concelhos de Braga e Viana do Castelo, incluindo Vila Nova de Famalicão, que resultaram na constituição de 84 arguidos, suspeitos de falsificação de documentos e falsidade informática, relacionados com a não vacinação de cães contra a raiva.

A investigação decorria há mais de um ano, mas a operação policial aconteceu nos dias 11 e 12 de março.

Juntamente com os detidos, com idades entre os 20 e os 80 anos, foi apreendido diverso material, nomeadamente 53099 euros, 524 boletins sanitários, 109 ampolas, 540 vinhetas médicas, dez computadores, três armas ilegais e um revólver. Ainda diversos documentos físicos e digitais relacionados com atos médicos veterinários e com os crimes em investigação.
Os cinco detidos já tinham sido sujeitos a medidas de coação, incluindo a proibição de contactos entre eles e a suspensão do exercício da profissão de médica veterinária e funções no Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) para uma detida.

Ensino: Presidente da CESPU reeleito na liderança da Associação Portuguesa de Ensino Superior Privado

Almeida Dias, presidente do Conselho de Administração da CESPU – Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário, foi reeleito, no início deste mês, para o segundo mandato na presidência da Associação Portuguesa do Ensino Superior Privado (APESP).

A APESP é a única entidade que formalmente representa as instituições do ensino superior privado no Conselho Nacional de Educação, no Conselho Coordenador do Ensino Superior, na Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior e no Conselho Consultivo da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior.

Almeida Dias foi eleito, pela primeira vez, em abril de 2021, tendo cumprido o mandato que terminou em 2023.

Novamente à frente da APESP, Almeida Dias aponta como prioridades para os próximos dois anos alterações na «avaliação da qualidade dos centros de investigação» e na «avaliação das candidaturas dos centros de investigação no âmbito dos programas plurianuais de financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia».

Pretende, também, criar um regime de contratação e carreira do pessoal docente e de investigação que respeite a natureza específica do setor particular e cooperativo, assim como a sua autonomia e modelo de gestão. E acabar com a discriminação institucional entre público e privado, nomeadamente no que concerne ao reconhecimento de graus e diplomas estrangeiros.

Outro eixo de intervenção será o reforço da internacionalização das instituições, utilizando a APESP como veículo corporativo.

Foto: CESPU