Inovação: Têxtil famalicense inventa processo de tingimento sem usar água

A Crafil, empresa de Oliveira S. Mateus, inventou um processo de tingimento de linhas de costura sem usar água. Este meio de produção amigo do ambiente já vinha a ser desenvolvido desde o início do ano passado e, neste momento, entrou em fase de aplicação.

«Já temos uma máquina protótipo e fizemos todos os testes», afirma Vítor Alves, 45 anos, líder e fundador desta empresa, que se dedica à produção de linhas de costura.

Segundo o empresário famalicense, trata-se de um produto premium feito a pensar num mercado restrito. «Fazemos linhas que há 15 anos, quando arrancamos com a empresa, era impossível imaginar que viriam a existir. Neste momento, já somos mais procurados pelas nossas inovações do que pelo preço», declara o administrador da Crafil, empresa que se especializou em linhas de costura para denim e exporta cerca de 65%.

Este processo de tingimento é apenas um dos exemplos da estratégia da empresa para produzir com valor acrescentado. Outro exemplo é a linha de costura de poliéster 100% reciclada a partir de garrafas de plástico PET.

Com 16 trabalhadores em Portugal, mais seis na Tunísia, a Crafil fechou 2018 com um volume de negócios de 2,3 milhões de euros, que este ano deverá registar um crescimento na ordem dos dois dígitos.

Este ano já morreram 88 pessoas em meio aquático, o número mais alto dos últimos 5 anos

Portugal registou este ano, até 31 de julho, 88 mortes em meio aquático, um recorde dos últimos cinco anos, informou esta terça-feira a Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (FEPONS).

Este é o valor mais elevado para os primeiros sete meses do ano desde que o Observatório do Afogamento, da FEPONS, começou a reunir estatísticas, em 2017, destacou a federação.

Segundo um comunicado, 35 mortes ocorreram em mar e 31 em rio, havendo ainda oito óbitos em poços, seis em barragens e três em piscinas domésticas.

Em 2021, também entre janeiro e julho, tinham sido registadas 62 mortes; 57 em 2020 e 2019; 66 em 2018 e 71 em 2017, de acordo com os dados do comunicado divulgado hoje.

Em 3 de agosto, um homem de 77 anos morreu depois de ter entrado em paragem cardiorrespiratória, na água, na praia da Quarteira, no concelho de Loulé, revelou a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Em 12 de julho, o Observatório do Afogamento tinha divulgado o relatório relativo ao primeiro semestre, revelando que as vítimas são sobretudo homens (72,1%) e as fatalidades verificam-se em locais não vigiados (97,15%).

A federação verificou um aumento dos óbitos nas idades mais jovens, até aos 24 anos, e que a maioria das vítimas mortais estava a tomar banho (26,5%), mas que 5,9% encontrava-se a passear junto à água ou a pescar.

Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores apela a uma “urgente revisão da legislação”

“Num momento em que se está a registar uma enorme dificuldade na contratação de nadadores-salvadores, e num momento em que as temperaturas vão subir, estas conclusões preocupam a FEPONS, que apela à classe política uma urgente revisão da legislação deste setor”, pode ler-se no relatório.

Em 19 de julho, a AMN e a Direção-Geral da Saúde (DGS) associaram-se para sensibilizar a população portuguesa para os cuidados a ter nas praias com a campanha “Juntos Por Um Verão Mais Seguro”.

Para minimizar o número de acidentes durante a época balnear 2022, a AMN e a DGS recomendam que se vigie permanentemente as crianças, a frequentar praias vigiadas, utilizar calçado adequado nos acessos à praia e na utilização de apoios balneares e respeitar a sinalização das praias.

Recomendam igualmente às pessoas que se mantenham hidratadas, a tomar refeições ligeiras, a respeitar os períodos de digestão, a evitar as horas de maior exposição solar (11:00 — 17:00), usar protetor solar, a não se aproximarem de arribas instáveis e respeitar as indicações dos nadadores-salvadores, dos agentes da autoridade e dos elementos que reforçam a vigilância nas praias.

Famalicão: População alerta para fogo em zona de mato na freg. de Portela com início às 03h da manhã

As três corporações de bombeiros do concelho foram alertadas, na madrugada desta terça-feira, para uma situação de incêndio florestal na freguesia de Portela, em Vila Nova de Famalicão.

O fogo começou a ser avistado por volta das 03h00 da manhã, numa zona de mato nas proximidades da Avenida do Paço.

A situação ficou rapidamente controlada graças à intervenção dos soldados da paz.

Não há registo de feridos.

Quase 5 mil pessoas passaram pelo FAMAFOLK

“Um verdadeiro sucesso”. É este o balanço traçado pelo diretor do FAMAFOLK, o Festival Internacional de Folclore de Famalicão que no último fim de semana trouxe o ritmo, as cores e a alegria da etnografia nacional e internacional até ao concelho famalicense.

“Os famalicenses aderiram ao convite lançado pela organização do festival e deixaram-se envolver. O feedback do público e dos grupos participantes é muito positivo e não podíamos estar mais satisfeitos”, refere Ricardo Carneiro que se despede desta edição do FAMAFOLK já a pensar na edição do próximo ano. “Queremos fazer mais e melhor e para isso já estamos a trabalhar na próxima edição do festival”.

Recorde-se que este ano o certame organizado pelo Grupo Etnográfico Rusga de Joane reuniu em palco perto de meio milhar de folcloristas, com destaque para a participação dos grupos internacionais Compañía de Danzas de Funza, da Colômbia, Compañía Mexicana de Danza Folklorica, do México, Folklore Ensemble Bystry, da Polónia, e Escola de ball de bot DIT I FET, de Espanha.

Os três espetáculos do festival – Paços do Concelho de Famalicão, Largo da Igreja de Riba de Ave e Parque da Ribeira de Joane – ficaram marcados por muita alegria em palco e casa cheia na plateia.

Participaram ainda no FAMAFOLK o Grupo Etnográfico de São Tiago da Cruz, o Grupo Etnográfico Rusga de Joane, o Rancho Folclórico São Martinho de Brufe e o Grupo Folclórico da Casa do Povo de Santa Cruz do Bispo, de Matosinhos.

Refira-se que a organização contou com o apoio do Município de Famalicão, das Juntas de Freguesia de Joane e Riba de Ave, da Federação do Folclore Português, da Fundação INATEL, Associação CIOFF Portugal e Escola Secundária Padre Benjamim Salgado.

O F.C.Famalicão recebe o S.C.Braga esta sexta-feira e já há bilhetes à venda

Na segunda jornada do campeonato, o Futebol Clube de Famalicão recebe o Sporting Clube de Bragal. A partida está marcada para as 20h15 da próxima sexta-feira e os bilhetes já estão à venda.

Até quarta-feira a venda é exclusiva a sócios com quota 7 regularizada.

O ingresso custa 5 euros e também pode ser comprado no dia do jogo, na bilheteira do estádio junto à bancada Placard.pt.