Liga dos Bombeiros assina acordo com INEM

A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) assina hoje, segunda-feira, às 18h00, um novo acordo com o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) que estabelece novas regras para a prestação do socorro pré-hospitalar pelos bombeiros.

A cerimónia decorre na sede do INEM, em Lisboa, e será presidida pelo Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, contando com a presença do presidente da LBP, Jaime Marta Soares.

Este acordo culmina um ano de «intensas e difíceis negociações» entre a LBP e com a participação da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, tendo em conta que o mesmo há muitos anos que não era atualizado.

Apesar deste acordo não ser considerado o ideal para a LBP, esta instituição lembra que «o anterior poderá ter sido bom em tempo, mas passaram-se muitos anos sem que tivesse sido revisto; não obstante, a par disso, todos os custos terem aumentado sem parar, seja combustíveis, manutenção e reparação de viaturas, oxigénio, consumíveis ou vencimentos dos tripulantes». A LBP recorda que o período pandémico só agravou a situação dos custos.

Greve dos trabalhadores da IP vai afetar circulação de comboios nos dias 1, 3 e 5 de agosto

A organização sindical representativa dos trabalhadores da IP – Infraestruturas de Portugal (gestor da infraestrutura ferroviária) convocou uma greve para os dias 1, 3 e 5 de agosto e a Comboios de Portugal (CP) prevê «fortes perturbações» na circulação.

Em comunicado, a CP reporta que, «por motivo de greve convocada por organização sindical representativa dos trabalhadores da IP – Infraestruturas de Portugal preveem-se fortes perturbações na circulação de comboios, a nível nacional, em todos os serviços, nos dias 1, 3 e 5 de agosto de 2022».

Está prevista a realização de serviços mínimos nos dias da greve, sem prejuízo de poderem ser realizados comboios adicionais, cuja lista pode ser consultada em www.cp.pt

«Esta é a época para o Famalicão dar um passo a mais na Liga», acredita o capitão Riccieli

Riccieli, capitão do Futebol Clube de Famalicão, está confiante que a equipa vai arrancar bem neste campeonato 2022/23, que começa já diante do Estoril Praia, uma equipa «que conhecemos bem», e para a qual «nos estamos a preparar».

Reconhece as dificuldades sentidas nas duas últimas temporadas, em que o FC Famalicão esteve a lutar para não descer até às últimas jornadas, acabando por ficar na primeira parte da tabela. Para este ano, «as expectativas são as melhores. A pré-temporada tem sido bem dura, mas é importante para começar bem, pensando jogo a jogo, para andar no topo da tabela», afirma Riccieli.

Esta confiança advém da qualidade dos companheiros e da manutenção da base da equipa. «É sempre difícil quando se troca bastante, porque demora para entrosar. Temos um grupo já formado e chegaram jogadores bons, para acrescentar valor. Mas acho que a manutenção desses jogadores será crucial para o resto da temporada», reconhece o capitão de equipa.

O defesa central vai para a quarta época no FC Famalicão, o que lhe dá um conhecimento grande do clube, algo que quer passar aos novos colegas de equipa. «Quero fazer um grande campeonato pelo FC Famalicão, tenho objetivos pessoais, mas o importante é a equipa e acho que este ano vamos dar um passo a mais na Liga», ambiciona.

Sub-23 do FC Famalicão começam a jogar a 6 de agosto

A equipa sub-23 do Futebol Clube de Famalicão inicia a nova época com a participação no Torneio de Abertura da Liga Revelação, competição criada pela Federação Portuguesa de Futebol e que será disputada em duas fases. A primeira com os clubes distribuídos por quatro séries e a segunda será jogada por eliminatórias.

O Famalicão integra a série A e vai defrontar as equipas da série B. O primeiro classificado de cada série é apurado para as meias-finais (a uma só mão), sendo que os vencedores jogam a final e os vencidos disputam o jogo do 3.º e 4.º lugares.

As equipas classificadas em lugares que não deram acesso às meias-finais disputam mais um jogo de uma eliminatória que definirá as respetivas posições finais da prova.

O Torneio de Abertura começa a 6 de agosto e a final está agendada para 31 do mesmo mês. Na primeira jornada, o Famalicão joga em Matosinhos, com o Leixões; segue-se, a 10 de agosto, a receção ao Vizela e, quatro dias depois, jogo fora, em casa do Gil Vicente.

Famalicão: Miguel Ribeiro acredita que a indústria do futebol «está em claro crescimento»

A nova direção da Liga Portugal, que continua a ser liderada por Pedro Proença, tomou posse, esta quinta-feira, e dela faz parte Miguel Ribeiro, em representação da SAD do FC Famalicão.

Após a tomada de posse dos novos membros da direção, houve várias intervenções, incluindo de Miguel Ribeiro. O dirigente falou da responsabilidade de estar na direção em representação das 34 sociedades desportivas, assinalando que «a indústria do futebol está em claro crescimento e, por isso, a responsabilidade advém de uma perspetiva coletiva de melhorar cada vez mais o nosso futebol». Sobre o presente e o futuro, Ribeiro considera que as principais Ligas e os mais relevantes emblemas europeus «confiam na Liga Portugal. É notório, até pelo recrutamento dos nossos jogadores. E isso é sinónimo do grande nível que existe na Liga Portugal».

Para além do FC Famalicão, também o Portimonense, Trofense, Estrela da Amadora e Farense entraram na estrutura após as eleições de 5 de julho. Além do presidente da LPFP e do representante da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), mantêm-se na direção as sociedades desportivas de FC Porto, Sporting e Vitória de Guimarães. Em representação dos emblemas da II Liga foram eleitos os já citados Trofense, Estrela da Amadora e Farense.

Famalicão: Mário Passos congratula-se com avanços no processo de descentralização

Segundo o presidente da Câmara de Famalicão, «o princípio de acordo que os municípios aprovaram ontem com o Governo para a descentralização de competências nas áreas da Educação e Saúde prova que Vila Nova de Famalicão, assim como muitos outros municípios portugueses, tiveram razão ao recusar até ontem as propostas sugeridas pela Administração Central para os dois domínios».

A declaração de Mário Passos surge na sequência da reunião do Conselho Geral da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), do qual é membro efetivo, que teve lugar esta segunda-feira, dia 18, em Coimbra, e na qual acompanhou os seus colegas autarcas na aprovação da nova proposta setorial para a Educação e Saúde.

No caso de Vila Nova de Famalicão, para além do financiamento previsto, o autarca famalicense garantiu a inclusão no documento de um conjunto de obras a realizar até 2030, nomeadamente, a reabilitação e modernização da Escola Secundária Padre Benjamim Salgado e da Escola Básica Bernardino Machado, em Joane, as escolas básicas D. Maria II, Júlio Brandão e Nuno Simões, e a Escola Básica de Gondifelos. Ao nível da Saúde ficou garantida a construção de duas novas unidades de saúde, em S. Miguel-o-Anjo e Joane, estando ainda em negociações com a Administração Regional de Saúde para a inclusão da reabilitação das Unidades de Saúde sediadas em Famalicão.

Em declarações à imprensa, o autarca lembra que Famalicão começou por recusar assumir em 2019 a transferência das competências para as autarquias locais «por se tratarem de tarefas e não de competências e, ainda por cima, desacompanhadas das indispensáveis garantias para a sua execução».

No final do ano passado e início deste ano, o município voltou a adiar essa decisão por considerar não estarem reunidas as condições necessárias para o efeito, nomeadamente ao nível da transferência do respetivo envelope financeiro, que garantisse uma gestão eficaz das áreas.

Para o presidente da Câmara de Famalicão, «as reivindicações dos municípios foi justa e legítima» e permitiu «um acordo mais equilibrado», que reserva mais verbas para as Câmaras Municipais, destinadas à manutenção de equipamentos, para as refeições escolares, fórmulas de financiamento mais equilibradas e a garantia de obras de modernização em equipamentos ainda não intervencionados. É igualmente reservada a possibilidade para as Câmaras e as Comunidades Intermunicipais poderem vir a ter alguma autonomia na gestão dos Centros de Saúde, por exemplo, ao nível dos horários de funcionamento.

Por isso, Mário Passos fala em «avanços positivos» e espera agora que o Governo materialize este acordo.

 

Associação Têxtil e Vestuário crítica falta de apoios à internacionalização

A direção da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal está preocupada com o que diz serem atrasos e incertezas no apoio à internacionalização para este setor do têxtil e vestuário.

Mário Jorge Machado, presidente da ATP, garante que a Associação tem procurado informações junto das entidades competentes e que não tem obtido as respostas que precisa.

«As manifestações de preocupação foram dirigidas ao mais alto nível, a diversas entidades e responsáveis políticos, desde a membros do Governo, ao COMPETE, à AICEP Portugal Global, à própria CIP, e, nalguns casos, manifestações reiteradas», acusa.

Mário Jorge Machado recorda que as «últimas calls do Portugal 2020 para a internacionalização das empresas ficaram muito aquém das necessidades, com cortes orçamentais que não eram de todo esperados. Sobretudo numa altura essencial em que deveríamos estar a ajudar as empresas a reverter os efeitos provocados, primeiro, por uma pandemia, a que somaram, recentemente, outros provenientes da guerra, com crise de preços na energia e matérias-primas, subida da inflação e recuo da procura», frisa.

Ainda que reconheça que as verbas do Portugal 2020 possam estar esgotadas, Mário Jorge Machado lembra que há um «Programa como o Portugal 2030 que devia estar ao serviço da economia desde 2021, e estamos no 3.º trimestre de 2022 e ainda ninguém consegue antecipar quando poderá estar operacional, com abertura de calls nestas e noutras áreas».