M. & Costas Power volta a realizar o Honda SUV Dream Days -Test-drives

De 18 a 20 de abril decorrerá mais uma edição dos Honda SUV Dream Days no concessionário oficial Honda – M.&Costas Power em Guimarães.

Durante este evento, os clientes terão a oportunidade de conhecer a nova gama eletrificada da marca e ainda de realizar um test-drives com uma ampla variedade de modelos da gama elétrica e SUV da Honda, incluindo o e:Ny1 EV, o ZR-V Full Hybrid, o HR-V Full Hybrid e o CR-V Plug-In/Full Hybrid, proporcionando opções para todos os gostos e necessidades.

O destaque deste Honda SUV Dream Days é a oferta de condições únicas de valorização de retoma pela M. & Costas Power. Com apoio à retoma de até mil euros na gama Honda, esta é a oportunidade perfeita para efetuar a troca para um carro novo e mais amigo do ambiente.

Escolha a energia SUV que quer experimentar e aproveite as condições exclusivas de valorização da retoma, disponíveis apenas durante os três dias deste evento imperdível.

Para garantir a sua participação, seja um dos primeiros a agendar a sua marcação aqui.

2 Comments

  1. Está visto que estão a ficar com os elétricos acumulados, o povo está acordar.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Famalicão: ACIF e Acelerar o Norte explicam projeto de digitalização das empresas

A Associação Comercial e Industrial de Famalicão e o projeto Acelerar o Norte promoveram um roadshow, para darem a conhecer o projeto de digitalização das empresas. A Universidade Lusíada acolheu, para o efeito, mais de cem empresários e comerciantes interessados no projeto. Houve também intervenções do presidente da ACIF, Fernando Xavier Ferreira, Francisco Salgueirinho Moreira, Gestor Territorial e de Capacitação do Projeto, João Pedro Araújo, Gestor de Transição Digital da Aceleradora de Famalicão, Yang Qi, em representação do grupo Mikado, e Jorge Silva em representação da TIAJO.

O projeto, dirigido por um consórcio composto por CCP, AEP, AHRESP E ACEPI, completamente financiado pelo fundo europeu PRR, visa ajudar as micro e pequenas empresas a fazer a transição digital. Com uma equipa de trabalho no terreno, que irá diagnosticar as necessidades de cada empresa e depois ser-lhes-á atribuído um voucher que pode atingir o valor máximo de 2000 euros para adquirirem serviços na área do digital.

Fernando Xavier Ferreira, presidente da ACIF, destacou o caminho que a associação tem feito no apoio aos comerciantes e empresários, com duas candidaturas a dois projetos de digitalização dos negócios em apenas um ano: o Acelerar o Norte, com a Aceleradora Ave 2, e os Bairros Comerciais Digitais.

O roadshow teve ainda a presença de dois empresários da região de Vila Nova de Famalicão. Yang Qi, pelo grupo Mikado, e Jorge Silva pela TIAJO, deram o seu testemunho motivador em como a digitalização, o online e a tecnologia foram importantes para se estabelecerem no mercado e garantirem a sustentabilidade do seu negócio na área da restauração e na área têxtil, respetivamente.

João Pedro Araújo dá a cara pelo projeto Acelerar o Norte e é o Gestor de Transição Digital da Aceleradora Famalicão. Na sessão de esclarecimento enalteceu a capacidade de resiliência de todos os empresários, e alertou para a importância de não deixar fugir a oportunidade de potenciarem o seu negócio pela via da digitalização. Nas palavras do próprio, «o futuro é o digital, o futuro tem passagem obrigatória pelo digital e o futuro começa agora».

A equipa da Aceleradora de Famalicão está disponível para ajudar todos os empresários, na Casa do Empresário em Vila Nova de Famalicão, ou através do email: famalicao@aceleraronorte.pt.

Famalicão: Aceleradora explica incentivos de um milhão para o desenvolvimento digital de empresas

O auditório da Universidade Lusíada de Famalicão recebe, na tarde desta quinta-feira, o roadshow para Digitalização do Norte, um projeto do Acelerar o Norte desenvolvido em consórcio liderado pela Confederação do Comércio e Serviços de Portugal e copromovido pela Associação da Economia Digital, pela Associação Empresarial de Portugal e pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal. É dirigido às micro, pequenas e médias empresas das oito sub-regiões do Norte do país (Alto Minho, Cávado, Ave, Alto Tâmega, Área Metropolitana do Porto, Tâmega e Sousa, Douro e Trás-os-Montes).

Na zona Norte há 16 aceleradoras do comércio digital, sendo que em Vila Nova de Famalicão está a Aceleradora Ave 2, que abrange, também os concelhos de Santo Tirso e Vizela. A região do Ave foi contemplada com mais de 1 milhão de euros, sendo que a dotação nacional deste projeto, no âmbito do PRR, contempla um total de 55 milhões de euros.

Para dar a conhecer o projeto na região, a Aceleradora Ave 2 realiza esta sessão pública, de entrada livre, cuja abertura está marcada para as 15h30, no auditório da Universidade Lusíada. A sessão conta com as participações, entre outros, do presidente da Associação Comercial e Industrial, do gestor territorial e de capacitação do projeto, Francisco Salgueirinho; de vários empresários; de João Pedro Araújo (gestor de transição digital da Aceleradora de Famalicão) e do vereador municipal, Augusto Lima que fará o encerramento marcado para as 17h30.

O objetivo deste projeto visa dotar as micro, pequenas e médias empresas do comércio, serviços, restauração e similares de condições para o seu desenvolvimento digital, com ferramentas gratuitas de diagnóstico e consultoria, apoio à contratação de serviços digitais e capacitação, envolvendo milhares de empresas e negócios de proximidade e mobilizando estes setores para a transformação digital.

 

Famalicão: Conflitos obrigam Riopele a repensar estratégia de importação e exportação

A Riopele, que alcançou em 2023 o seu melhor ano de sempre, tendo faturado 97 milhões de euros enfrenta, este ano, um novo desafio. O conflito entre Israel e Hamas e os ataques dos Houthis no Canal do Suez estão a afetar a importação e exportação da empresa de Pousada de Saramagos que foi obrigada a repensar todo o sistema logístico, de forma a manter o comprometimento com os clientes.

A opção das companhias marítimas, que transportam mercadorias, foi pelo Cabo da Boa Esperança, o que fez aumentar o valor do frete e o tempo de demora. Para piorar, o mau tempo que se verificou no primeiro trimestre obrigou ao desvio de alguns navios com paragem em Sines para outros portos marítimos. «Em resultado, a Riopele passou a viver uma nova realidade, na medida em que o transporte de um contentor proveniente da Ásia passou a demorar 60 dias, em vez dos tradicionais 45», descreve, no site da empresa, o diretor do departamento de Compras da Riopele, Paulo Oliveira. «Uma vez que não conseguimos agir diretamente sobre as rotas marítimas, o que fizemos foi informar os nossos parceiros de todos os procedimentos», esclarece Paulo Oliveira.

Já antes a atividade da Riopele tinha sido afetada pela Guerra na Ucrânia. Um conflito que fez diminuir o transporte de mercadorias para os países do Leste. Ao nível da importação, «o tempo de trânsito das matérias-primas aumentou consideravelmente, o que obrigou a repensarmos a estratégia de aprovisionamento, antecipando planos de compra, de forma a minimizar eventuais riscos», refere Miguel Teles, diretor de logística da empresa têxtil.

 

Famalicão tem uma Aceleradora do Comércio Digital que é apresentada a 9 de maio

Na tarde do dia 9 de maio, o auditório da Universidade Lusíada de Famalicão recebe a apresentação da Aceleradora do Ave 2, um projeto do Acelerar o Norte desenvolvido em Consórcio liderado pela Confederação do Comércio e Serviços de Portugal e copromovido pela pela Associação da Economia Digital, pela Associação Empresarial de Portugal e pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal. É dirigido às micro, pequenas e médias empresas das oito sub-regiões do Norte do país (Alto Minho, Cávado, Ave, Alto Tâmega, Área Metropolitana do Porto, Tâmega e Sousa, Douro e Trás-os-Montes).

Na zona Norte do país há 16 aceleradoras do comércio digital, sendo que em Vila Nova de Famalicão está a Aceleradora Ave 2, que abrange, também os concelhos de Santo Tirso e Vizela. A região do Ave foi contemplada com mais de 1 milhão de euros, sendo que a dotação nacional deste projeto, no âmbito do PRR, contempla um total de 55 milhões de euros.

O objetivo deste projeto visa dotar as micro, pequenas e médias empresas do comércio, serviços, restauração e similares de condições para o seu desenvolvimento digital, com ferramentas gratuitas de diagnóstico e consultoria, apoio à contratação de serviços digitais e capacitação, envolvendo milhares de empresas e negócios de proximidade e mobilizando estes setores para a transformação digital.

Para dar a conhecer o projeto na região, a Aceleradora Ave 2 realiza a sessão pública, cuja abertura está marcada para as 15h30, no auditório da Universidade Lusíada. A sessão conta com as participações, entre outros, do presidente da Associação Comercial e Industrial, do gestor territorial e de capacitação do projeto, Francisco Salgueirinho; de vários empresários; de João Pedro Araújo (gestor de transição digital da Aceleradora de Famalicão) e do vereador municipal, Augusto Lima que fará o encerramento marcado para as 17h30.

Famalicão: Bairro Comercial Digital abrange 20 ruas e 455 estabelecimentos

A Câmara Municipal e a Associação Comercial e Industrial (ACIF) apresentam quinta-feira, 2 de maio, o projeto Bairro Comercial Digital de Famalicão, numa sessão pública marcada para as 19h00, na Fundação Cupertino de Miranda.

Mário Passos, presidente do Município, Fernando Xavier, líder da ACIF, Nuno Gonçalves, do Conselho Diretivo do IAPMEI, e Nuno Camilo, diretor do projeto “Acelerar o Norte” estão entre os convidados da cerimónia.

Este projeto, apoiado pelo PRR, visa a transformação digital do comércio e a digitalização da economia, bem como aumentar a atratividade, conectividade e sustentabilidade do espaço público.

O Bairro Digital de Famalicão abrange 20 ruas do centro urbano da cidade, num total de 455 estabelecimentos comerciais. Trata-se de uma oportunidade de transformação digital e modernização económica dos estabelecimentos da área urbana, tornando o comércio e o espaço urbano mais atrativos, com iniciativas criativas, lúdicas e indutoras de boas experiências de consumo, centradas nas pessoas e no apoio aos comerciantes.

Famalicão: João Vilas Boas é um dos rostos da Região Empreendedora Europeia

O município famalicense escolheu João Vilas Boas como um dos rostos da Região Empreendedora Europeia por causa da marca de moda do mesmo nome. «Nascido e criado no mundo da moda», recorda as Galerias Gold como a primeira loja dos pais, surgida na década de 70, na rua Adriano Pinto Basto.

A marca Vilas Boas tem uma rede de lojas nacionais e o seu mentor refere que o segredo passa por estudar o mercado e não esperar que o cliente bata à porta. Refere, também, que o comércio de rua tem que se reinventar e sair da sua zona de conforto.

Com uma experiência de mais de 40 anos e uma vasta equipa por detrás, o criador famalicense é hoje o rosto da moda de cerimónia, com clientes de todo o país. Dos clássicos fatos de trespasse aos mais modernos, a marca oferece o que há de mais exclusivo e personalizado para os dias mais especiais.

Na opinião deste especialista, «o nosso mercado principal é a festa, o mercado cerimonial. Os nossos clientes procuram, sobretudo, diversidade, moda, preço médio e versatilidade», refere com a certeza de que «não há dois clientes iguais, cada fato é um fato».

Por isso, o município o considerou um dos Rostos de Famalicão Região Empreendedora Europeia.

Recorde-se que ao longo deste ano e através do Roteiro “Os Rostos da EER”, Mário Passos dará a conhecer muitos dos nomes que ajudam a posicionar Vila Nova de Famalicão como uma das maiores e mais pujantes economias do país e a impulsionar o ADN empreendedor do concelho.