Mercadona partilha 409 milhões de euros de lucro com os mais de 90 mil trabalhadores

A cadeia espanhola de supermercados Mercadona anunciou esta segunda-feira ter distribuído 409 milhões de euros de lucro em prémios aos mais de 90.000 trabalhadores em Espanha e Portugal.

A partilha de benefícios com os trabalhadores tem sido prática da empresa há mais de 20 anos e, desde então, os acionistas da empresa já distribuíram pelos colaboradores mais de 4.200 milhões de euros, refere.

Assim, qualquer trabalhador, a partir do primeiro ano de antiguidade — e no caso de alcançar as metas e objetivos definidos no início de cada ano — receberá um salário extra e dois salários, depois de cumprir cinco anos de antiguidade.

Segundo a empresa, graças a isso, o salário líquido de um trabalhador base chega a alcançar aproximadamente 1.200 euros líquidos por mês (em média), com subsídios extra e o prémio por objetivos já incluído.

Desde o momento em que o estado de emergência foi declarado e até à data, a Mercadona destinou mais de 200 milhões de euros para proteger, reforçar e garantir a segurança e saúde dos clientes, colaboradores e fornecedores.

Este custo extra foi preferencialmente dirigido, entre outros, para a aquisição de equipamentos de proteção individual, tais como desinfeção, limpeza e adequação de medidas de segurança nas lojas, blocos logísticos, “colmeias” e escritórios e reforço dos serviços médicos próprios.

A Mercadona afirma que impulsiona há muitos anos uma política de recursos humanos pioneira no setor, que aposta na conciliação, formação e desenvolvimento pessoal e profissional de todos os que integram a sua equipa.

Neste sentido, desde a abertura das suas primeiras lojas em Portugal, em julho de 2019, os operadores de supermercado dispõem de uma jornada laboral de cinco dias, com duas folgas consecutivas.

Famalicão: Lago Discount vendido a empresa da região e fundo de investimento

O presidente da Câmara Municipal, Mário Passos, anunciou, esta terça-feira, durante a visita à Pafil, no Louro, que o Lago Discount foi vendido.

Muito embora Mário Passos não tenha avançado com pormenores sobre esta venda, CIDADE HOJE sabe que a venda do Lago Discount, em Ribeirão, resulta de um processo que envolve uma empresa da região norte e um fundo de investimento.

A ideia é revitalizar aquele espaço comercial. Os novos promotores acreditam neste projeto e conceito comercial e tendem, no futuro, a desenhar novas ideias que permitam acrescentar mais-valias a este espaço comercial.

O Lago Discount é um espaço comercial único no país, quer pela sua dimensão, de 81 mil metros quadrados, quer pela diversidade da oferta, organizada por sectores de actividade desde a moda, ao mobiliário e decoração, hipermercado e restauração. O espaço integra, ainda, um parque temático de lazer e um Business Center, que oferece excelentes condições a todo o tipo de empresas, em 5 mil metros quadrados dedicados aos negócios.

Famalicão: Startup’s mostram projetos a empresários e investidores

No dia 29 de novembro, empreendedores e empresários reuniram-se para uma partilha de conhecimento e de ideias de negócio.

A iniciativa, promovida pelo Município de Vila Nova de Famalicão, através do Famalicão MadeIN, em parceria com a UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, aconteceu na sede da empresa PARTTEAM, na Lagoa.

Seis startup`s famalicenses deram a conhecer as suas ideias e modelos de negócio no âmbito do tema “Aceleração para a transição digital”. As ideias vão desde a recriação de pele de animais exóticos em laboratório, à visualização em imagem real de arquitetura 3D, entre outros.

«Somos um concelho com um grande dinamismo económico. É importante fomentar a ligação entre as empresas mais experientes no mercado com as que ainda estão a dar os primeiros passos», referiu Augusto Lima, vereador da Economia e Empreendedorismo da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão. «Iniciativas como esta são uma mais-valia, pois daqui surgem parcerias de sucesso», acrescentou.

Famalicão: Riopele promove coleção nas feiras internacionais

Nos próximos dois meses, a Riopele vai passar por várias feiras, desde Paris, Milão, Munique, Nova Iorque e Tóquio, a promover as propostas para a Primavera-Verão de 2024. Recorde-se que a Riopele exporta mais de 95% da sua produção.

«A Riopele, que exporta atualmente mais de 95% da sua produção e tem mais de 750 clientes ativos em todo o mundo, está empenhada em consolidar a presença nos mercados mais importantes da Europa e aprofundar oportunidades noutros mercados de elevado potencial», desta a empresa de Pousada de Saramagos na sua newsletter.

A Riopele refere que «a ofensiva externa» inicia-se numa das mais relevantes capitais mundiais da moda: Paris. A Fashion Rendez-vous, que na edição de setembro passado contou com a presença de 122 expositores de 14 países e é apresentada, pela organização, como o “complemento perfeito da Première Vision”, está agendada para os dias 6 e 7 de dezembro».

Uma semana depois, a 14 e 15 de dezembro, na mesma cidade, vai estar na Blossom Première Vision, «um evento exclusivo dedicado ao lançamento inicial das coleções.

Já no início de 2023, a Riopele viaja até à Alemanha para a participação na Munich Fabric Start, agendada para 24 a 26 de janeiro. É uma das principais feiras têxteis europeias e só na edição de setembro marcaram presença cerca de 900 expositores.

Segue-se Milão, para a Milano Unica, entre 31 de janeiro a 2 de fevereiro, um certame para empreendedores.

Antes do Modtissimo, em Matosinhos, a 15 e 16 de fevereiro, a Riopele estará de volta a Paris, para a Première Vision, de 7 a 9 de fevereiro.

Recorde-se que a Riopele é especialista em tecidos e emprega atualmente cerca de 1.100 pessoas, tendo anunciado recentemente uma revisão salarial superior a 8%, aumentando o salário mais baixo para 780 euros com efeitos imediatos. Para o presidente José Alexandre Oliveira, a Riopele quis «dar um sinal de que está com os trabalhadores. Precisamos de beneficiar todos os que estão connosco, é nosso dever cuidar da parte social da empresa, tendo em conta o contexto que enfrentamos».

Famalicão: Balanço positivo da segunda edição da Semana Empresarial ACIF

Um webinar, um workshop e duas conferências marcaram a segunda edição da Semana Empresarial da ACIF – Associação Comercial e Industrial de V. N. Famalicão, com iniciativas nos dias 21, 22 e 24 de novembro na Casa do Empresário e Formação da associação.

Os apoios à internacionalização via E-Commerce, a importância das redes sociais para os negócios, a formação e as novas formas de organização do trabalho foram alguns dos temas abordados ao longo da última semana.

Todas estas dinâmicas foram destinadas aos associados da ACIF, mas também para a comunidade, procurando enfatizar alguns temas de importância para o universo empresarial. O balanço da iniciativa, feito pelo presidente da ACIF, Fernando Xavier Ferreira, é positivo, relevando o crescimento qualitativo desta Semana Empresarial face à primeira edição. «À semelhança do que aconteceu na primeira edição, saio muito satisfeito pela qualidade de todos os oradores convidados e presentes nesta Semana Empresarial, bem como dos temas abordados, lamentando apenas que mais empresários e associados não tenham usufruído destas conferências realizadas», referiu o presidente, mostrando-se otimista para as próximas edições, acreditando que «é pela repetição e insistência do que é bem feito que se conseguem maximizar os resultados».

No dia 21 de novembro, decorreu o webinar “Regime Geral de Proteção de Denunciantes | Whistleblowing”, em parceria com a PRA – Raposo, Sá Miranda & Associados, Sociedade de Advogados, SP, RL, que serviu para abordar um tema cada vez mais a ter em conta para as empresas. No dia seguinte, em parceria com a associada Boomer, realizou-se o workshop “Como as redes sociais podem impulsionar o meu negócio?” que possibilitou a obtenção de conhecimentos básicos sobre marketing digital para uma gestão autónoma e eficaz dos canais digitais.

No último dia de iniciativas, 24 de novembro, a Casa do Empresário e Formação recebeu duas conferências. De manhã sobre apoios à internacionalização via e-commerce, com as presenças de Silvina Alves (Triformis – Consultoria em Negócios), Nuno Milagres (ACEPI – Associação da Economia Digital), Vítor Brandão (Drible – Marketing Digital & Branding) e dos advogados Maurício Neves, Joana Freitas Peixoto e Sara Veloso Esteves (PRA – Raposo, Sá Miranda & Associados, Sociedade de Advogados).

Já da parte da tarde, o presidente do Município, Mário Passos, abriu a conferência “Formação, Recrutamento e Novas Formas de Organização do Trabalho” que foi moderada pelo vereador da economia e empreendedorismo, Augusto Lima. José de Matos (CCP – Confederação do Comércio e Serviços de Portugal), David Ferreira, (IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional), Joana Antunes (PRA – Raposo, Sá Miranda & Associados, Sociedade de Advogados) e Cristina Sousa (Solfut, empreendedora e empresária) participaram nesta conferência.

Famalicão: Inteligência Artificial monitoriza produção e qualidade na Riopele

Os avanços tecnológicos mais recentes da Riopele incorporam um sistema de monitorização digital da produção, por enquanto na tecelagem, mas vai ser alargado a todo o processo produtivo, da fiação à ultimação, e um sistema de inteligência artificial para controlo de qualidade.

José Rosas, responsável da tecelagem, citado pelo Portugal Têxtil, explica que o sistema permite verificar em cada momento o que está a ocorrer em cada máquina, permite efetuar relatórios de performance parametrizável pelo utilizador, relatórios pré-feitos enviados de forma automática por e-mail, dar alarmes quando algo sai fora dos padrões normais, motivos de paragem em tempo real, históricos de artigos, relatórios de andamento de cada rolo de tecido. O responsável nota, ainda, que toda esta digitalização resulta em benefícios ao nível da gestão, «em consequência de um grau de exigência de performance acrescida e necessária para os tempos em que cada minuto conta para um bom resultado operacional da empresa».

A Riopele tem efetuado investimentos significativos na área da tecelagem, nomeadamente ao nível tecnológico. Ao nível produtivo adquiriu várias máquinas de última geração, investimentos que permitiram uma maior flexibilidade e produtividade, um maior controlo tecnológico com recurso a fatores de digitalização, bem como uma maior racionalização da produção, «dando resposta à realidade do mercado, ou seja, entrega rápida ao cliente e qualidade», explica José Rosas.

Até final do ano, a empresa de Pousada de Saramagos vai concluir o projeto de integração da monitorização digital em todo o seu processo produtivo, que inclui fiação, torcedura, tinturaria, tecelagem e ultimação, numa área de 140 mil metros quadrados.

A Riopele investiu, ainda, num sistema de inteligência artificial para o controlo de qualidade, num projeto-piloto que, até ao momento, está instalado em 13 teares. A tecnologia integra um sistema de controlo automatizado de qualidade baseado em visão computacional, com o respetivo software suportado por modelos de inteligência artificial, que deteta em tempo real, no momento da produção, defeitos em cada centímetro do tecido.

Famalicão: Continental expande atividades e cria 70 postos de trabalho altamente qualificados

O Grupo Continental criou em Lousado a Continental Solution Center, Portugal. Uma estrutura que tem por objetivo fornecer suporte a diferentes áreas do Grupo, nomeadamente a pesquisa e desenvolvimento, programação de software & aplicações, automação, suporte SAP, engenharia da cloud e da data science, entre outras.

Numa primeira etapa, a Continental Solution Center vai contratar mais de 70 colaboradores altamente qualificados até ao final de 2022 e dobrar esse número nos próximos anos. Todos os candidatos interessados ​​podem encontrar as ofertas de emprego na página da Continental no LinkedIn, bem como nas plataformas e quadros informativos das universidades.

Segundo informações do próprio Grupo Continental, o sucesso da fábrica de pneus de Lousado teve um papel fundamental nesta decisão de criar em Famalicão esta estrutura.

«A Continental Solution Center vai alargar as oportunidades de emprego em Lousado para além da produção de pneus, com novos e muito interessantes postos de trabalho, nas áreas de software e engenharia de hardware, ciência de dados e inteligência artificial, por exemplo», declarou Pedro Carreira, presidente do Conselho de Administração da Continental Mabor em Lousado e que também faz parte da gestão da nova empresa.

«A nossa excelente e empenhada equipa, as parcerias com universidades e institutos superiores da região que nos oferecem uma amplitude de talentos, bem como um ambiente de negócios favorável proporcionado pelas nossas autoridades locais e pelo governo contribuíram para a decisão do Grupo em estabelecer esta nova empresa em Lousado», acrescentou Pedro Carreira.

Recorde-se que o Grupo Continental é reconhecido como um empregador atrativo em Portugal e é parceiro das universidades da região norte do país, que se distinguem pela excelência na qualidade dos seus programas educativos, bem como pelas adequadas competências teóricas e práticas dos seus graduados. Com uma história de mais de 30 anos em Portugal, a Continental é um parceiro de negócios de confiança que aposta tanto na tradição como na inovação no fabrico de pneus e na tecnologia automóvel. A fábrica de pneus da Continental em Lousado iniciou a sua atividade em 1990 e é uma das mais modernas fábricas de pneus do Setor do Grupo na Europa, empregando atualmente cerca de 2.500 pessoas.