Mercadona reforça a qualidade das maioneses e torna embalagens mais sustentáveis

A Mercadona renovou a receita das seis maioneses da marca própria Hacendado, para melhorar o seu sabor, eliminando a acidez; melhorar a sua textura, tornando-a mais densa; e reduzir açúcares e eliminar conservantes, adicionando aromas naturais.

Além de renovar as receitas das maioneses, ideais para acompanhar, temperar e até para cozinhar pratos quentes ou frios, a Mercadona também melhorou as suas embalagens. Quatro das referências mudaram de uma embalagem de plástico para uma embalagem de vidro; e, por outro lado, o invólucro de plástico que cobria as outras duas embalagens foi eliminado, reduzindo a quantidade de plástico utilizada. O plástico da etiqueta também foi eliminado, passando a ser de papel e o da caixa expositora, é agora de cartão. Com esta redução de plástico, a marca poupa 900 toneladas de plástico por ano.

Máxima qualidade ao melhor preço

A Mercadona lançou a estratégia SPB (Sempre Preços Baixos) em 1993, após constatar que os produtos que mais se vendiam eram os que tinham a máxima qualidade ao melhor preço, sempre por essa ordem, e cujo custo não mudava constantemente. Durante todos estes anos, a empresa não deixou de apostar na qualidade continuando a oferecer ao “Chefe” (cliente) produtos individualmente diferenciados, segundo uma estratégia de consumo consciente e crítico, com critérios sociais e ambientais que perseguem um objetivo claro: garantir um consumo de produtos da máxima qualidade com o menor impacto possível, ajudando, assim, a melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Investimento de mais de 140 milhões de euros para cuidar do Planeta

A Mercadona, fiel ao compromisso “Sim a continuar a cuidar do Planeta”, para além de reforçar os seus já consolidados sistemas de reutilização e reciclagem de embalagens comerciais, desenvolve a Estratégia 6.25 para a redução do plástico e a gestão adequada dos seus resíduos.

A estratégia consiste em seis ações para alcançar um triplo objetivo até 2025: reduzir 25% do plástico nas suas embalagens, que todas as embalagens de plástico sejam recicláveis ​​e reciclar todos os seus resíduos de plástico.

O desenvolvimento da Estratégia 6.25 implica modificações em vários processos da empresa, desde o redesenho das embalagens do futuro, em coordenação com fornecedores, até à adaptação de lojas e logística, gestão de resíduos, etc… No total, a Mercadona prevê investir mais de 140 milhões de euros nos próximos quatro anos para realizar todos os movimentos que fazem parte dessa estratégia.

A empresa já eliminou os sacos de plástico de uso único em todas as secções, que foram substituídos por sacos compostáveis ​​(-3.200 toneladas de plástico por ano); e também eliminou os descartáveis de plástico ​​de uso único, que foram substituídos por outros mais sustentáveis ​​feitos com materiais que respeitam o meio ambiente (-3.000 toneladas de plástico por ano).

Nos próximos anos, as embalagens que a empresa irá utilizar serão recicláveis ​​e continuará a reduzir o plástico nas embalagens dos produtos de marca própria, em colaboração com os seus fornecedores. Além disso, a empresa fornecerá informações aos clientes sobre reciclagem para promover e facilitar a separação de resíduos tanto nas lojas como em casa.

A Mercadona transformou todas as lojas no modelo de Loja 6.25 em 2021

No último ano a empresa cumpriu as duas primeiras ações do plano; e com o compromisso de converter todos os seus supermercados em Lojas 6.25 em menos de um ano, o que envolveu um investimento de 30 milhões de euros.

A “Loja 6.25” coloca à disposição dos clientes informação sobre reciclagem, novos sacos de secção, pictogramas indicativos nas embalagens para facilitar a correta separação e novos contentores para reciclagem nas secções, nas entradas e na secção de Pronto a Comer. Além disso, o sistema de gestão de resíduos foi aprimorado e ampliado com a recolha de cápsulas de café.

A Mercadona disponibiliza informação sobre a Estratégia 6.25 na secção “Cuidemos do Planeta” disponível na página web da empresa; onde “O Chefe” também encontra conteúdos sobre reciclagem, sustentabilidade e compromisso ambiental da Mercadona; também visível na memória Ambiental da empresa.

 

Famalicão: Centro de Competências para o setor das carnes tem as infraestruturas completas

Em setembro fica concluído o projeto de infraestruturas do Tecmeat – Centro de Competências do Agro-Alimentar para o Setor das Carnes, situado nas antigas instalações da Didáxis.

Financiado pelo Norte 2020, permitiu que este centro de competências se pudesse capacitar com um laboratório de microbiologia e uma unidade piloto que vão permitir o desenvolvimento de novos produtos e processos destinados ao setor agroalimentar, com foco particular na indústria das carnes.

Este projeto permitiu ainda desenhar um plano de formação para o setor das carnes e o desenvolvimento de um estudo de tendências e de inovação para o setor.

No âmbito da conclusão do projeto, está programada a realização de uma conferência internacional, direcionada para o setor das carnes, marcada para a última semana de setembro, com o objetivo de apresentar o Tecmeat e os trabalhos entretanto desenvolvidos.

Greve dos trabalhadores da IP vai afetar circulação de comboios nos dias 1, 3 e 5 de agosto

A organização sindical representativa dos trabalhadores da IP – Infraestruturas de Portugal (gestor da infraestrutura ferroviária) convocou uma greve para os dias 1, 3 e 5 de agosto e a Comboios de Portugal (CP) prevê «fortes perturbações» na circulação.

Em comunicado, a CP reporta que, «por motivo de greve convocada por organização sindical representativa dos trabalhadores da IP – Infraestruturas de Portugal preveem-se fortes perturbações na circulação de comboios, a nível nacional, em todos os serviços, nos dias 1, 3 e 5 de agosto de 2022».

Está prevista a realização de serviços mínimos nos dias da greve, sem prejuízo de poderem ser realizados comboios adicionais, cuja lista pode ser consultada em www.cp.pt

Famalicense vence prémio com bombons e trufas de medronho

Susana Azevedo, de Famalicão, arrecadou o prémio Potencial de Mercado na 5.ª edição do Food Fab Lab, que decorreu no passado dia 15 de julho, no Tagus Valley, em Abrantes, distrito de Santarém.

Venceu com os bombons e trufas de medronho da empresa SIM Chocolate. O conceito é o reaproveitamento e transformação do medronho com cacau negro, aproveitando os produtos que resultam dessa mesma transformação.

Este prémio representa 500 euros, atribuídos pela Tagusvalley. Passa, também, a poder utilizar os serviços daquele espaço de inovação situado em Alferrarede, no coração do Ribatejo.

Famalicão: Feira de vestuário em segunda mão regressa a 6 de agosto

A feira de artigos de vestuário em segunda mão regressa à Praça – Mercado de Famalicão a 6 de agosto, entre as 16 e as 20 horas.
Os interessados em participar no Out of the Closet devem efetuar a inscrição até 24 de julho, mediante o preenchimento de formulário, disponibilizado na página de Instagram do evento, sob o nome @??????????????_??????. As inscrições encontram-se limitadas a 20 vagas.
Esta iniciativa enquadra-se numa política de desenvolvimento de uma economia mais circular, visando a redução do desperdício têxtil.

Empreendedorismo cresce em Famalicão

Nos últimos dois anos, o Famalicão Made IN apoiou a criação de quase 100 empresas. As novas empresas e ideias de negócio nasceram e são acompanhadas pelo Gabinete de Apoio ao Empreendedor, através da oferta de um conjunto alargado de serviços, que vão desde o desenvolvimento da ideia de negócio até à participação no programa de aceleração de startups, passando pelo apoio na elaboração de candidaturas a financiamento, consultoria e acompanhamento da gestão operacional do negócio, entre outros.

No dia 15 de julho, numa cerimónia realizada na Casa do Território, os novos empresários receberam o certificado de pertença à Geração Made In.

Grande parte destes projetos resultou da vontade de criação do próprio emprego, mas há também projetos que evoluíram e já são empregadores. «Queremos que Famalicão seja capaz de alavancar novos projetos, que seja um território competitivo e cada vez mais atrativo para quem quer investir, para viver e para trabalhar, e este programa é um bom exemplo do sucesso que procuramos», disse o presidente da Câmara Municipal, Mário Passos, aquando da cerimónia.

Mário Passos enalteceu ainda a disponibilidade dos mais de 30 mentores que acompanham estes projetos, que, na análise do autarca, são «empresários de referência no concelho de Vila Nova de Famalicão e que integram este processo, partilhando experiências e acrescentando conhecimento aos que agora querem começar a crescer».

Recorde-se que a rede de mentores do Famalicão MadeIN junta um conjunto alargado de empresários e especialistas em áreas de negócio, que se disponibilizam a acompanhar novos projetos, assim como a prestar apoio e mentoria na sua fase inicial.

 

Associação Têxtil e Vestuário crítica falta de apoios à internacionalização

A direção da ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal está preocupada com o que diz serem atrasos e incertezas no apoio à internacionalização para este setor do têxtil e vestuário.

Mário Jorge Machado, presidente da ATP, garante que a Associação tem procurado informações junto das entidades competentes e que não tem obtido as respostas que precisa.

«As manifestações de preocupação foram dirigidas ao mais alto nível, a diversas entidades e responsáveis políticos, desde a membros do Governo, ao COMPETE, à AICEP Portugal Global, à própria CIP, e, nalguns casos, manifestações reiteradas», acusa.

Mário Jorge Machado recorda que as «últimas calls do Portugal 2020 para a internacionalização das empresas ficaram muito aquém das necessidades, com cortes orçamentais que não eram de todo esperados. Sobretudo numa altura essencial em que deveríamos estar a ajudar as empresas a reverter os efeitos provocados, primeiro, por uma pandemia, a que somaram, recentemente, outros provenientes da guerra, com crise de preços na energia e matérias-primas, subida da inflação e recuo da procura», frisa.

Ainda que reconheça que as verbas do Portugal 2020 possam estar esgotadas, Mário Jorge Machado lembra que há um «Programa como o Portugal 2030 que devia estar ao serviço da economia desde 2021, e estamos no 3.º trimestre de 2022 e ainda ninguém consegue antecipar quando poderá estar operacional, com abertura de calls nestas e noutras áreas».