«Para que a noite passe», mensagem de Natal de D. Jorge Ortiga

O Natal foi sempre tempo de sonhos. Mas nós, católicos, sonhamos juntos uma Igreja sinodal e samaritana como fermento de um mundo mais irmão e solidário. Queremos que tudo resulte da vontade de viver a caridade intensamente, não de um modo teórico mas com gestos. Os gestos identificam-nos e geram esse mundo novo iniciado em Belém.

Tudo parece desmentir esta lógica. Como Isaías, perguntamos. “Sentinela, em que altura vai a noite?” (Is 21,11). Interroguemo-nos: quando voltará a normalidade?

Temos a noite da pandemia e, em simultâneo, assistimos à evolução egoísta da sociedade. Como resposta consciente, teremos de ir colocando estrelas. Podem parecer pequenas e insignificantes. Brilharão e mostrarão o caminho que juntos devemos percorrer. Eis a meta do Natal.

– Olho para a sociedade e deparo-me com uma tremenda indiferença perante os seus males. É preciso ressuscitar a atenção ao mundo real para o conhecer e reagir.

– Verifico imensas zangas ou conflitos entre pessoas, famílias, partidos. Terei de assumir o dever da reconciliação e de a promover no coração das pessoas.

– Ouço contínuas críticas no quotidiano da vida e descrições parciais compradas ou interesseiras nos meios de comunicação social. Necessito de repor a verdade e permitir que acreditemos sem suspeitas.

– O egoísmo impregnou-se como um estilo de vida, considerado normal ou necessário para se viver tranquilamente. É urgente partir de um coração sensível e aberto à solidariedade, com muito ou com pouco, transformando a sociedade através da partilha e do dom.

– Impressiona-me o consumismo na avidez de ter o necessário ou o que os meios digitais e a moda propõem. É humano ter vida sóbria, onde nada falta, e, ao mesmo tempo, reconhecer que só a partilha constrói um mundo de fraternidade e igualdade.

– O mundo nas suas conquistas está marcado pela tristeza, na vida de cada um, nas famílias, nos empregos, na política. Parece que se perdeu o encanto, mas a alegria tem de ser conquistada e oferecida.

Merecemos uma sociedade de maior confiança com sentimentos externos de verdadeira felicidade.

Quando passará a noite? Não o sabemos. Temos uma certeza: o natal deve proporcionar alguns raios de luz. Os pequenos gestos mudarão muita coisa. Caminhemos juntos, e, quais samaritanos, ajudemo-nos na caminhada, acendendo estrelas de atenção aos outros, de reconciliação, de coragem de ver o positivo, de expressar solidariedade, de mostrar gestos de partilha e de lutar pela alegria. O Natal, ainda em pandemia e com tantas limitações, será belo e ajudará a encarar o futuro com maior seriedade. Vamos semear estrelas no lugar onde estivermos? A aurora começará a raiar.

Bom Natal!

† Jorge Ortiga, Administrador Apostólico

Famalicão: Já há programa para mais um Festival Teatro Construção

A ATC já tem definido o programa do trigésimo quinto Festival Teatro Construção. De 8 a 30 de outubro, o Centro Cultural de Joane vai receber vários espetáculos, sendo que a abertura, às 21h30 é pelo Chapitô (Lisboa), com “Antígona 3 por 3.5”. No dia seguinte, às 17h30, pela portuense Historioscópios pode ver “A Caixa dos Nove Lados”.

Depois, e até 30 de outubro, o programa é o seguinte:

15 de outubro, 21.30, Curiosidade dos Anjos – Bruxa Teatro (Évora)

16 de outubro, 17.30h, Mãos de Sal – Mandrágora (Espinho)

22 de outubro, 21.30, Primavera – Fértil Cultural (Vila Nova de Famalicão)

23 de outubro, 17.30h, Germinação – Teatro de Montemuro (Castro Daire)

29 de outubro, 21.30, A Visita – Teatro Invisível (Lisboa)

30 de outubro, 17.30h, Lobo Mau – Red Cloud (Aveiro)

O festival também contempla oficinas. No dia 9 de outubro, às 10 horas, Histórias de pais e filhos; na tarde, 15 horas, do dia 19, Dramatização de histórias infantis para profissionais; e, por último, às 10 horas do dia 23 de outubro, há uma oficina Do Pé pra Mão.

 

Famalicão deu mais do que “2 Passos” pela pessoa com Alzheimer

A associação famalicense Casa da Memória Viva (CMV) assinalou, na manhã deste sábado, o Dia Mundial da Pessoa com Doença de Alzheimer.

Uma caminhada de quatro quilómetros, com partida junto aos Paços do Concelho, pelos principais parques da cidade e algumas artérias da União de Freguesias de Vila Nova de Famalicão e Calendário, juntou algumas dezenas de participantes.

Antes da partida, foi guardado um minuto de silêncio pelo famalicenses falecidos durante a pandemia, em particular Carlos Felgueiras, que deixou à CMV livros e postais antigos.

Sensibilizar os famalicenses para os impactos da demência e, ao mesmo tempo, recolher fundos para as suas atividades de informação e capacitação de cuidadores e familiares de pessoas com doença de Alzheimer, foram os objetivos desta jornada solidária, designada “Dê 2 Passos” que vai na segunda edição.

A caminhada arrancou no espaço onde outrora estiveram os Serviços Médico-Sociais da Previdência, paredes-meias com os Paços do Concelho. É este espaço verde que a associação, segundo proposta enviada ao presidente da Câmara Municipal, pretende que passe a ser tratado e usufruído por todos como um jardim, adotando o topónimo de Jardim da Memória.

Mais tarde, numa das paragens, no Parque da Juventude, o presidente da CMV, Carlos Sousa, falou da necessidade de ser criado um Jardim Terapêutico, um espaço proporcionador de um ambiente terapêutico e sensorial para doentes com a patologia de demência, promovendo o bem-estar físico e mental.

O Dia Mundial da Pessoa com Doença de Alzheimer, foi instituído pela Organização Mundial da Saúde em 1994 e que, desde então, ocorre a 21 de setembro.

Carlos Rafael Freitas dos B.V.Famalicão foi o mais rápido do concelho a subir o Bom Jesus

Carlos Rafael Gomes Freitas, dos Bombeiros Voluntários de Famalicão, foi o mais rápido do concelho a fazer a prova “Escadórios da Humanidade”, que se realizou este sábado, no Bom Jesus, em Braga.

A prova juntou centenas de bombeiros de todo o país e não só que tinham como objetivo subir os 566 degraus do Bom Jesus. Para além da dificuldade da prova, acresce o facto de os participantes terem que efetuar o desafio totalmente equipados.

Carlos Rafael Freitas, bombeiro de 2ª classe, com o número 99, cumpriu a prova em 07:29, classificando-se no 53º lugar da geral e 11º do escalão sub-25.

Nesta competição participaram elementos de todas as corporações do concelho de Vila Nova de Famalicão.

Braga: Idosa em estado grave depois de ser atropelada no estacionamento do lar

Uma mulher, com 92 anos de idade, ficou gravemente ferida depois de ser atropelada por um carro, no estacionamento do lar que frequenta, em Nogueira, Braga.

Segundo avança o Correio da Manhã, a idosa estava, por motivos que ainda não foram explicados, deitada no chão, no momento em que foi atropelada por uma viatura.

O alerta para a ocorrência foi dado pouco depois das 11h00 e o socorro esteve a cargo dos Bombeiros Sapadores de Braga, acompanhados pela VMER local.

 

Detida em Cabo Verde mulher que matou jovem famalicense de 25 anos em 2016

Foi localizada e detida nas últimas horas, em Cabo Verde, a mulher de 41 anos condenada pela morte do companheiro em 2016.

Hugo Oliveira (na imagem), natural de Vila Nova de Famalicão, foi morto aos 25 anos com gelo seco, pela companheira, num apartamento localizado no Parque das Nações, em Lisboa.

A mulher, professora de profissão na capital, foi condenada a uma pena de 17 anos de prisão, tendo-se colocado em fuga até hoje.

De acordo com a Polícia Judiciária, a detida deverá ser extraditada para Portugal muito em breve.

Mais uma tragédia no Gerês: Jovem de 21 anos morre afogada

Uma jovem de 21 anos morreu, esta sexta-feira à tarde, nas águas do Rio Cávado, em Terras de Bouro, no Gerês.

A vítima, que não é de nacionalidade portuguesa, mergulhou numa zona próxima à Quinta do Agrinho, local onde se encontrava hospedada com colegas.

O alerta para o desaparecimento da jovem foi dado às 16h00 e o corpo resgatado pelas equipas de mergulho cerca das 18h00.

De Vila Nova de Famalicão, nos trabalhos de resgate, esteve envolvida uma equipa dos Bombeiros Voluntários Famalicenses.