Pulverizar ruas com desinfetante para combater a covid-19 é perigoso e ineficaz, diz OMS

Pulverizar ou fumigar desinfetante nas ruas, como alguns países estão a fazer para combater a pandemia de covid-19, não elimina o vírus e coloca riscos sanitários, advertiu hoje a Organização Mundial de Saúde (OMS).

“A pulverização ou fumigação de espaços exteriores, como ruas ou mercados, não é recomendada para destruir o novo coronavírus ou outros agentes patogénicos porque é inativada pela sujidade”, explica a OMS num documento sobre a limpeza e desinfeção das superfícies no quadro do combate à pandemia.

A OMS acrescenta que “mesmo em caso de ausência de matérias orgânicas, é pouco provável que a pulverização química cubra corretamente todas as superfícies durante o tempo de contacto necessário para inativar os agentes patogénicos”.

“Por outro lado, as ruas e os passeios não são considerados reservatórios de infeção do covid-19”, sustenta a organização no mesmo documento.

A OMS alerta ainda que esta medida “mesmo feita no exterior, pode ser perigosa para a saúde humana”, e recomenda que, “em caso algum devem ser pulverizadas pessoas” porque “não reduz a capacidade de um infetado propagar o vírus por gotículas ou contacto”.

Pulverizar cloro ou outros produtos químicos tóxicos sobre as pessoas pode causar irritações dos olhos e da pela, bronco-espasmos e problemas gastrointestinais, alerta a organização.

A entidade mundial para a saúde pública diz ainda que também “não recomenda a aplicação sistemática de desinfetantes em superfícies por pulverização ou fumigação nos espaços interiores”.

“Se for preciso aplicar desinfetantes, convém fazê-lo com um pano ou um toalhete embebido de desinfetante”, recomenda.

Famalicão: Município quer que refugiados ucranianos se sintam em casa

O presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Mário Passos, recebeu, esta sexta-feira, um grupo de refugiados ucranianos, recém-chegados a Famalicão. São já mais de 30 os refugiados em Famalicão, que estão a receber ajuda de familiares, amigos, empresas e do município. Os que fogem da guerra são, sobretudo, crianças e mulheres.

O município, com a ajuda de particulares, instituições e empresas, está a encetar todos os esforços para trazer mais pessoas que fogem da guerra na Ucrânia. Famalicão poderá acolher algumas centenas de pessoas.

Emigrante português com 35 anos morre em acidente de trabalho num hotel de Bruxelas

Um emigrante português morreu, esta segunda-feira, ao cair de uma altura superior a 30 andares, no Hotel Sheraton, em Bruxelas, na Bélgica.

O acidente aconteceu cerca das 16h00 e, depois da queda, a vítima terá embatido com violência numa plataforma instalada no exterior do 3º piso.

O português de 35 anos participava nas obras de requalificação daquela unidade hoteleira.

O óbito foi declarado no local.

É de Famalicão emigrante de 35 anos que morreu em acidente de trabalho em Bruxelas

Depois de IKEA, grupo ZARA fecha mais de 500 lojas na Rússia

O grupo Inditex, dono de marcas como Zara, Stradivarius, Bershka ou Massimo Dutti, anunciou que vai fechar as mais de 500 lojas em território russo.

Esta é mais uma decisão que surge na sequência da invasão de tropas russas à Ucrânia.

O grupo Inditex segue, desta forma, outros grandes grupos que já tomaram a decisão de abandonar a Russia.

 

Presidente da Ucrânia envia mensagem a Portugal para agradecer o apoio que tem recebido

O Presidente da Ucrânia utilizou as redes sociais para deixar uma mensagem de agradecimento a Portugal.

Volodymyr Zelensky refere que falou com Marcelo Rebelo de Sousa e agradeceu todas as medidas que receberam o apoio português.

Veja a mensagem

Governo ucraniano quer confundir tropas russas e pede que população arranque placas de trânsito

O governo ucraniano fez mais um apelo à população: Desta vez é pedido à comunidade que se mobilize nas ruas e remova todas as informações de trânsito.

Desta forma, o governo ucraniano acredita que é possível confundir as tropas russas, uma vez que sem essas placas elas deverão ficar desorientadas.

A informação está a ser transmitida à população através de vários meios, como é exemplo a internet.

Lá fora: França testa radares que vão multar veículos que façam muito barulho

Há novos radares em França que, para além de controlarem a velocidade, vão controlar o ruído emitido pelos veículos.

Estes novos equipamentos já foram instalados nas imediações de Paris e estão por esta altura a serem testados. Terminada esta primeira fase, os novos radares vão começar a multar todos os veículos que façam um ruído superior a um determinado número de decibéis.

Ainda não é conhecido o limite de decibéis permitido, contudo, já se sabe que a multa mais baixa é de 135 euros.