INEM multado por excesso de velocidade

Condutores multados circulavam em situação de emergência numa viatura do INEM.

Dois condutores de viaturas do INEM – Instituto Nacional de Emergência Médica do corpo de Bombeiros Municipais de Santarém (BMS) foram autuados pela Polícia Municipal de Lisboa, por conduzirem 30 km acima do limite máximo permitido, apesar de circularem em situação de emergência. O adjunto do comandante dos BMS, Filipe Almeirante, revela que receberam 15 notificações por excesso de velocidade em 2017, situação comum nos bombeiros, mas foi a primeira vez que foram multados, já que o procedimento habitual é participar as circunstâncias da infração e o processo ser arquivado. “A justificação foi dada, a tempo e horas, com os dados todos”, garante.

Face a esta situação, o Município de Santarém vai contestar os autos, para não ter de pagar as multas e, acima de tudo, para evitar que os condutores percam pontos da carta de condução. “O Artigo 64.º do Código da Estrada diz que podemos quebrar algumas regras, onde se inclui excesso de velocidade, desde que o façamos com cuidado”, argumenta Filipe Almeirante.

Tendo em conta que é frequente irem mais do que uma vez por dia levar doentes emergentes a hospitais de Lisboa, o adjunto do comandante dos BMS receia deixarem de ter condutores habilitados para o efeito. “Se o procedimento for o de multar cada vez que uma ambulância passar num radar, garantidamente, o condutor fica sem carta rapidamente”.

Presidente da liga dos bombeiros indignado.

“Nenhum bombeiro vai deixar morrer quem quer que seja para respeitar os limites de velocidade”, assegura o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Jaime Marta Soares. Indignado com a situação, que garante estar a suceder em todo o país, diz que os condutores recebem formação para fazer uma condução segura e sublinha que cada segundo conta para salvar uma vida. “Os bombeiros não querem estar acima da lei, mas não pode haver a aplicação de multas seja em que circunstância for. É imoral e ilegítimo”, refere ao JN.

Fonte do Município de Lisboa justifica o levantamento dos autos aos condutores dos BVS por as infrações não terem sido devidamente fundamentadas, já que foi identificado o condutor e enviado o relatório da ocorrência, mas “não foi invocado o Artigo 64.º para justificar a marcha de socorro”.

Falha técnica impede registo dos Jogos Santa Casa

Os terminais dos mediadores dos Jogos Santa Casa espalhados pelo país continuam em baixo «devido a uma falha técnica no data center», o que tem impedido o registo de jogos da sorte.

Segundo a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, responsável pela gestão dos jogos sociais do Estado, a falha técnica já foi solucionada na aplicação móvel e no portal dos Jogos Santa Casa, contudo ainda não é possível fazer apostas nos terminais de centenas de mediadores espalhados pelo país.

Está descartada a possibilidade de se tratar de um ataque informático.

Nova greve na CP com impacto esta segunda-feira

A CP – Comboios de Portugal comunicou, esta sexta-feira, que a greve parcial convocada para esta segunda-feira, pode provocar perturbações «significativas» na circulação dos urbanos do Porto, com impacto previsto entre as 00h00 e as 12h00, do mesmo dia.

Em nota enviada às redações, a CP informa que o Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social não decretou serviços mínimos. No entanto, promete desenvolver todos os esforços «para prestar o melhor serviço possível aos clientes, apesar dos constrangimentos decorrentes desta situação».

O Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI) anunciou, esta quinta-feira, duas novas greves parciais nas zonas urbanas de Porto e Lisboa, reivindicando melhorias salariais.

A greve parcial na zona urbana do Porto vai decorrer entre as 5h00 e as 8h30 desta segunda-feira.

O sindicato, que representa a maioria dos trabalhadores do serviço comercial e transporte (revisores, trabalhadores das bilheteiras e as suas chefias diretas), considera que o aumento de 0,9% da tabela salarial não é «um valor aceitável».

Mercadona doa 1,5 milhões de euros para ajudar os refugiados da guerra na Ucrânia

A Mercadona, como demonstração de apoio e solidariedade com o povo ucraniano, doa 1,5 milhões de euros para ajudar os refugiados da guerra da Ucrânia. Esta ajuda materializa-se a partir de junho com a entrega de Cartões Sociedade de 50€ cada um, com o objetivo de ajudar a cobrir as necessidades básicas dos refugiados que chegam a Portugal e Espanha, podendo ser utilizados em qualquer um dos seus supermercados.

Através desta colaboração, a Mercadona prevê ajudar cerca de 5.000 pessoas refugiadas.

A empresa realizará a entrega destes cartões através das entidades autorizadas dentro dos programas oficiais de acolhimento de ucranianos em Portugal e Espanha.

Famalicão: Ministério da Saúde «esvazia» extensão de saúde de Fradelos

A Extensão de Saúde de Fradelos não está a garantir os cuidados médicos e de enfermagem aos seus utentes. A denúncia é de Jorge Paulo Oliveira, numa interpelação à Ministra da Saúde, acusando a tutela de “esvaziar” aquela unidade de saúde, dando como exemplo o que aconteceu em 2021, quando foi criado um gabinete médico extra na Unidade de Saúde Familiar de Ribeirão. «Naquela altura, os utentes foram contactados e convidados pelos serviços administrativos daquela USF, para que se transferissem para a mesma, invocando a circunstância de dispor de um gabinete extra, mas também de nela ter sido alocado mais um médico»

O esvaziamento da unidade de saúde de Fradelos «é patente e com resultados à vista de todos. Neste momento, tem sensivelmente 200 dos 1200 utentes que tinha há seis anos, que estão há pelo menos seis meses sem qualquer acompanhamento, nem tão pouco de recurso», acusa o deputado famalicense.

Posto isto, e na interpelação à Ministra da Saúde, o social-democrata quer que Marta Temido esclareça por quanto mais tempo vai manter-se a falta de recursos em Fradelos e se o Governo vai «continuar a apostar no esvaziamento desta unidade, para depois poder dizer que a mesma se encerrou por si própria».

Para explicar a situação, Jorge Paulo Oliveira garante que as consultas dos 200 utentes inscritos são reencaminhadas para a USF de Ribeirão ou para a cidade de Vila Nova de Famalicão e a renovação de medicamentos é feita com intermediação da Junta de Freguesia.

O deputado recua, ainda, a 2016, recordando que a Extensão de Saúde perdeu o único médico de família que dispunha. Na altura, a ARS-Norte alocou um médico e um enfermeiro para prestarem serviço em dois períodos semanais. «Uma solução assumida à época como precária e de recurso». Desde então, prossegue, «nada mais foi feito para facilitar e aumentar o acesso dos utentes aos cuidados de que necessitam, na sua própria freguesia». Nos últimos meses, «a unidade deixou, inclusivamente, de dispor daqueles recursos», aponta o deputado.

Covid-19: 21 internados no hospital de Famalicão

Segundo informações recolhidas por CIDADE HOJE, o hospital de Famalicão regista esta quarta-feira 21 internados com covid-19 «e a tendência é para subir», informa fonte hospitalar.

A maioria dos internados têm outras patologias associadas.

Recorde que Portugal tem registado um aumento de casos diários de covid-19, sendo que esta segunda-feira atingiu quase 34 mil casos. Os dados das autoridades de saúde indicam que desde 8 de fevereiro que não se contavam tantos novos casos de SARS-CoV-2 e que o número agora alcançado, num único dia, só tinha sido ultrapassado durante a chamada quinta vaga, quando no final de janeiro houve dias com cerca de 65 mil casos.

Famalicão: Farmácia S. Cosme oferece equipamento à VMER do Centro Hospitalar

A Farmácia S. Cosme, representada por Helena Rodrigues, ofereceu um videolaringoscópio portátil HugeMed de última geração à Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Centro Hospitalar do Médio Ave.

Trata-se de um equipamento de via aérea avançada que vai proporcionar melhor assistência ao doente crítico, reforçando, deste modo, as soluções técnicas disponíveis para os profissionais da emergência médica. O Centro Hospitalar recorda que a via aérea é uma das prioridades na assistência ao doente emergente.