Próximo ano letivo será mais longo

O Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou que o próximo ano letivo será mais longo porque os períodos de férias (Natal e Páscoa) serão mais curtos.

As aulas, como já foi anunciado, arrancam entre 14 e 17 de setembro, sendo que nas cinco primeiras semanas de aulas o trabalho será destinado à recuperação da matéria referente ao terceiro período que terminou recentemente.

Esta sexta-feira, o Ministro deu mais pormenores sobre o funcionamento do próximo ano letivo letivo. Assim, anunciou que estão a ser preparados três cenários: ensino presencial, misto e não presencial, «sendo que a regra será o presencial», afirmou Tiago Brandão Rodrigues.

Todos os alunos e professores devem usar máscara e manter uma distância de 1,5m de distância nas salas de aula.

Famalicão: Feira da Formação abre esta quinta-feira

De quinta a sábado, o centro da cidade acolhe a Feira da Formação, evento com mais de duas dezenas de expositores e que reúne estabelecimentos de ensino e entidades de formação, que darão a conhecer a sua oferta educativa e formativa dirigida aos jovens e adultos interessados em formação qualificante. O certame terá abertura oficial às 16 horas desta quinta-feira, com a presença do presidente da Câmara Municipal, Mário Passos.

Os dias de quinta e sexta-feira são dedicados aos alunos das escolas do concelho, em fase de termino do ciclo de estudos, enquanto que a manhã de sábado, tem como público alvo pais e encarregados de educação, para que também eles possam conhecer os cursos, planos de estudo e saídas profissionais da oferta formativa existente.

Famalicão: Mil alunos envolvidos no programa My Machine

Está de regresso o programa “My Machine” concebido para materializar ideias dos alunos do 1.º ciclo. Este ano, foram envolvidos mais de mil alunos do ensino básico, ensino profissional e Universitário. O resultado prático das ideias dos mais pequenos vai ser exposto na Universidade Lusíada, cuja inauguração é no dia 25 de maio, às 14 horas.

«My Machine» é um programa educativo que desafia alunos do primeiro ciclo do ensino básico a desenvolverem uma ideia que solucione problemas do seu dia-a-dia. O desenho dos alunos do ensino básico passa para os futuros engenheiros da Universidade Lusíada, que traduzem a ideia num desenho técnico e apresentam soluções que são materializadas pelos alunos do ensino profissional.

O empreendedorismo dos mais pequenos é surpreendente e as ideias surpreendem. Por exemplo, a existência de folhas e outros resíduos no chão do recreio da escola originou o desenho do soprador «Limpa Recreio», criado pelos alunos da turma C5 do 3.º ano da Escola Básica de Delães. A invenção funciona a energia solar e os alunos pedalam para chegar a todos os cantos do recreio, onde, através do aspirador, colocado no atrelado, sugam as folhas existentes no recreio da escola.

Os esboços técnicos das máquinas a construir em 2022/2023, na sua maioria relacionadas com questões ambientais e o controlo de ruído nas salas de aula, vão poder ser vistos na Lusíada. «Comboio da Diversão» ou «Reutilizador de Água» são dois outros exemplos das novas máquinas que vão ser construídas pelos Agrupamentos de Escolas D. Sancho I e o de Ribeirão.

Recorde-se que o Município de Vila Nova de Famalicão foi um dos pioneiros na implementação, em Portugal, do «My Machine», um programa educativo que envolve vários graus de ensino. «É um projeto educativo desafiante e interessante, ao permitir estimular desde cedo as crianças para as áreas científicas e tecnológicas», considera o presidente da Câmara Municipal, Mário Passos. «Vejo com bons olhos esta envolvência de várias camadas de ensino, desde os alunos do 1.º ciclo aos do ensino profissional e universitário, num projeto que os desafia a encontrar soluções para problemas do dia-a-dia e abrir horizontes criativos», acrescenta.

Apesar da pandemia, os projetos desenvolvidos no âmbito do «My Machine» foram concretizados e as 12 máquinas construídas ao longo dos dois últimos anos letivos vão ser apresentadas na Universidade Lusíada, na sessão do dia 25 de maio.

 

Famalicão: Aluna do Agrupamento Camilo Castelo Branco vence concurso nacional

Maria Clara Barbosa, aluna da turma 12, do 7º ano do Agrupamento de Escolas Camilo Castelo Branco, venceu o Concurso Uma Aventura…. Literária 2022, na modalidade de Texto Original.
Trata-se do maior concurso do género em Portugal, que contou com 12.798 trabalhos, individuais e de grupo, de alunos de escolas de todo o país, incluindo Açores e Madeira e também de escolas de França, Suíça, Macau, Cabo Verde e Brasil. Com tantas participações, maior é o feito da jovem Clara Barbosa.
O prémio consiste na publicação do trabalho num dos livros da coleção Uma Aventura, cujo título e edição serão divulgados oportunamente. A aluna premiada e o professor que coordenou o trabalho recebem, ainda, como brinde, um cheque-livro.

Este concurso destina-se a alunos do pré-escolar, 1.º ciclo, 2.º ciclo, 3.º ciclo e secundário. Nesta edição, em que se assinalam os 40 anos da coleção Uma Aventura, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada, o concurso teve 6 modalidades: Texto Original, Crítica, Desenho, Olimpíadas da História, Recomendação de Leitura e Teatro na Rádio (nova modalidade).

Famalicão: Escola aberta para apresentar oferta formativa

Como forma de divulgar a Oferta Formativa, o Agrupamento de Escolas Padre Benjamim Salgado convidou os alunos do 3.º ciclo de Joane, Ronfe e Pedome, a sua área de influência, e abriu também as portas a agentes da proteção civil, que entusiasmaram os estudantes. É que entre as novidades da Oferta Formativa está o Curso Profissional Técnico de Proteção Civil, uma proposta inovadora que não tem paralelo na região.

No dia da Casa Aberta do AEPBS, onde não faltou a presença do vereador da Educação, Augusto Lima, a escola abriu portas à comunidade.

Para chamar a atenção dos alunos, o Agrupamento convidou, então, militares, polícias, bombeiros e outros agentes da proteção civil. Os Bombeiros Voluntários Famalicenses fizeram deslocar uma vasta equipa de meios técnicos e humanos com duas viaturas de combate a incêndio e uma ambulância. Também a Cruz Vermelha Portuguesa participou nesta demonstração com uma ambulância; a GNR trouxe uma equipa de GIPS-Grupo de Intervenção e Proteção de Socorro com os meios para uma primeira intervenção; a Associação Portuguesa de Busca e Salvamento apresentou aos alunos a Unidade de Resgate de Salvamento composto por uma viatura e recursos humanos, com equipas cinotécnicas; a Autoridade Nacional de Proteção Civil levou os seus meios. Por fim, a demonstração do poder bélico com a viatura blindada (Pandur) da Brigada de Intervenção do Exército (Regimento de Cavalaria de Braga).

A restante oferta formativa também chamou a atenção, como é o caso do Curso Profissional Técnico de Programador de Informática, também uma das novidades para 2022/2023. Para além dos dois novos cursos, o AEPBS mantém a aposta na oferta formativa profissional já com provas dadas, nomeadamente os Cursos Profissionais de Técnico Auxiliar de Saúde, Técnico de Design de Equipamento, Técnico de Gestão de Programação de Sistemas Informáticos, Técnico de Multimédia, Técnico de Manutenção Industrial-Mecatrónica e Técnico de Eletrónica, Automação e Computadores.

No âmbito do ensino regular, nos Cursos Científicos-Humanísticos, o AEPBS possui quatro áreas: Artes Visuais, Ciências e Tecnologias, Línguas e Humanidades e Ciências Socioeconómicas.

Segundo o presidente da Comissão Administrativa Provisória, José Moreira, «o nosso objetivo enquanto escola é ir ao encontro das expectativas dos alunos e oferecer formação alinhada com as necessidades da sociedade», frisou. Na perspetiva deste responsável, o AEPBS tem procurado apresentar «ofertas inovadoras e promotoras de sustentabilidade», concluindo que a «diversidade de oferta permite aos alunos escolher o futuro com base nas suas aptidões e expectativas para que tracem o destino profissional assente em bases sólidas».

 

Famalicão: Três dias para ajudar a escolher um curso

De quinta a sábado, a Praça D.Maria II acolhe a Feira da Formação que reúne duas dezenas de expositores, com os estabelecimentos de ensino e entidades de formação a darem conhecer a sua oferta educativa e formativa dirigida aos jovens e adultos interessados em formação qualificante.

A realização do certame visa potenciar o contacto direto entre as entidades formadoras e as pessoas, mostrar as oportunidades de formação disponível no território, contribuindo para uma tomada de decisão mais consciente e informada, quer dos alunos, pais, encarregados de educação e pessoas em busca de novas qualificações formativas.

A quinta e sexta-feira são dedicados aos alunos das escolas do concelho, em fase de fim de ciclo de estudos. Na manhã de sábado, a feira tem como público alvo pais e encarregados de educação, para que também possam conhecer os cursos, planos de estudo e saídas profissionais da oferta formativa existente.

A feira vai funcionar das 9h15 às 18 horas, quinta e sexta-feira; e das 9h15 às 13 horas, no sábado.

Famalicão: Escola D. Sancho I em mobilidade na Polónia

Quatro alunos e duas professoras do Agrupamento de Escolas D. Sancho I estiveram, entre 2 e 6 de maio, na Polónia, para participar na última mobilidade do projeto “The Cultural Heritage of Our Land: from Art to Fork”.

Durante uma semana, tiveram a oportunidade de interagir com os países parceiros do projeto – Polónia, Chipre, Grécia, Bulgária e Itália – e de aprofundar o tema “desperdício alimentar”. Neste âmbito, elaboraram apresentações sobre o tema “bancos alimentares”, tão pertinente tendo em conta a guerra que se vive na Ucrânia. Participaram, ainda, em workshops – Workshop de Chocolate e de “Cebularz”.

No decurso desta visita, os alunos ficaram a conhecer melhor as tradições e a cultura polacas, através da realização de jogos lúdico-pedagógicos e da participação numa aula de danças folclóricas. Foram, também, surpreendidos com uma aula interativa de Polonês. Paralelamente, visitaram os principais pontos de interesse das cidades de Puławy, Varsóvia e Lublin. A semana terminou com uma visita de jipe pelas ravinas de Kazimierz Dolny e com um almoço convívio.

Na perspetiva dos responsáveis, a mobilidade à Polónia revelou-se «uma experiência única e inesquecível, pois promoveu não só o relacionamento interpessoal de jovens com diferentes conhecimentos, culturas e realidades, como também permitiu constatar que as preocupações sobre diversos temas, como o desperdício alimentar, a insegurança e os refugiados são comuns aos diferentes países».

Segundo a análise das docentes, «ficou bem evidente a necessidade de nos unirmos na tomada de consciência destes problemas e na colaboração conjunta no sentido de encontrar soluções que ajudem a preservar o planeta e melhorar a comunicação entre os cidadãos e os diversos países, nomeadamente os que fazem parte da União Europeia».

Consideram, por isso, que «este projeto é uma mais-valia na formação pessoal e académica dos alunos e é determinante para o seu enriquecimento cívico, ambiental e social».