Processo de levantamento de escolas com amianto ainda não acabou

Há mais de um ano que o Movimento Escolas Sem Amianto (MESA) e a associação ambientalista Zero têm vindo a questionar os serviços do Ministério da Educação para saber quantos edifícios de ensino ainda têm materiais contendo amianto.

Segundo a lei em vigor há quase uma década, a lista das escolas devia ser pública, assim como a calendarização das obras para retirar este material, que quando se degrada liberta fibras com propriedades cancerígenas.

A Zero foi agora informada pela Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) que o processo de levantamento das escolas com amianto ainda não terminou.

A informação chegou depois de uma queixa feita pela associação ambientalista à Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA) exigindo conhecer a lista de edifícios escolares com materiais contendo amianto.

Na resposta a que a Lusa teve acesso, a diretora-geral dos Estabelecimentos Escolares explicou que “os documentos solicitados (…) constam de processos ainda não concluídos pelo que (…) não estão ainda em condições de ser disponibilizados”.

À Lusa, a representante da Zero Iria Roriz Madeira admitiu ter ficado surpreendida com a resposta da DGestE.

“Disseram que não tinham nenhum documento para nos entregar. Ficámos bastante surpreendidos porque mesmo que exista uma lista incompleta ela tem de ser divulgada”, declarou Iria Roriz Madeira.

Para a arquiteta e voluntária da Zero, esta resposta revela problemas mais graves: “O que mais nos assusta neste processo é que temos a noção de que há uma série de escolas que não foram ainda inventariadas ao nível dos materiais contendo amianto”.

O receio é baseado nas denúncias feitas pelo MESA como foi o caso dos diretores escolares que, há menos de dois meses, admitiram ter recebido telefonemas da DGEstE a questionar se nas suas escolas havia amianto.

Também o coordenador do MESA, André Julião, considerou a resposta da DGestE “extremamente preocupante”, mas, ao contrário da Zero, não ficou surpreendido com a resposta.

Para André Julião, este tipo de situações “é demonstrativo da falta de rigor com que anda a ser feito o diagnóstico”.

O coordenador lembrou que o movimento já encontrou “escolas que estavam dadas como estando livres de amianto, mas que nunca tinham sido intervencionados”.

A somar a estas situações, Iria Roriz Madeira recordou os casos de estabelecimentos que foram intervencionados, mas só removeram parte dos materiais com amianto.

“Remove-se o fibrocimento nos telheiros e fica ainda por remover nas coberturas de pavilhões. Nem sequer sabemos em que lista ficam estas escolas, se na de escolas já intervencionadas ou se nas por intervencionar”, alertou a arquiteta.

Famalicão: Ana Marinho vence prova em Espanha

Na manhã deste sábado, a atleta da Escola de Atletismo Rosa Oliveira venceu a décima primeira edição da Carreira Pola Praia, na Galiza.

Ana Marinho venceu a geral, cumprindo os 6kms na Praia América à frente de quatrocentos participantes e repete o triunfo da edição anterior.

Ainda da escola joanense Bruna Ortiga venceu em sub-23.

Rosa Oliveira foi a mais rápida entre as veteranas 55.

 

Greve dos trabalhadores da IP vai afetar circulação de comboios nos dias 1, 3 e 5 de agosto

A organização sindical representativa dos trabalhadores da IP – Infraestruturas de Portugal (gestor da infraestrutura ferroviária) convocou uma greve para os dias 1, 3 e 5 de agosto e a Comboios de Portugal (CP) prevê «fortes perturbações» na circulação.

Em comunicado, a CP reporta que, «por motivo de greve convocada por organização sindical representativa dos trabalhadores da IP – Infraestruturas de Portugal preveem-se fortes perturbações na circulação de comboios, a nível nacional, em todos os serviços, nos dias 1, 3 e 5 de agosto de 2022».

Está prevista a realização de serviços mínimos nos dias da greve, sem prejuízo de poderem ser realizados comboios adicionais, cuja lista pode ser consultada em www.cp.pt

Famalicão: EARO com 17 pódios em Viana do Castelo

No passado sábado, a Escola de Atletismo Rosa Oliveira conquistou 17 pódios, de benjamins a veteranos, na Milha Urbana de Viana do Castelo, prova inserida no projeto da Cidade Europeia do Desporto 2023.

Pela formação famalicense, em destaque estiveram Luís Neto que venceu em benjamins A, enquanto que nos B, Tomás Ramos foi segundo e David Cortinhas terceiro. Em infantis, Mariana Maciel venceu, seguida de Rafaela Araújo e Mariana Martins. No mesmo escalão, Tiago Silva venceu em masculinos. Em iniciados, Inês Almeida foi segunda, Maria Machado terceira e Gonçalo Rodrigues segundo.

Leandro Gonçalves venceu em juvenis, seguido de João Azevedo; Maria Baltar foi terceira.

Ana Marinho coutou a meta em primeiro lugar, no escalão júnior, enquanto que Francisco Silva foi segundo e João Rodrigues terceiro. Em veteranos, escalão M45, Rui Ramos terminou a prova no terceiro lugar. A EARO levou, ainda, muitos outros atletas que conseguiram bons desempenhos.

Esta foi a última prova antes das férias. O clube dá, assim, por encerrada a época «que foi recheada de excelentes prestações por parte dos nossos atletas»: A direção deixa, ainda, «um enorme agradecimento aos nossos patrocinadores, treinadores, atletas e pais pela dedicação manifestada ao longo deste ano».

 

Escola de Engenharia da Universidade do Minho dá os parabéns às famalicenses Sofia Oliveira e Ana Marinho

As famalicenses Sofia Oliveira, campeã europeia universitária de kickboxing, e Ana Marinho, campeã nacional júnior dos 3000 metros, foram felicitadas pela Escola de Engenharia da Universidade do Minho. Sofia é finalista de Engenharia Eletrónica e a Ana estuda Engenharia de Polímeros nesta universidade.
Os feitos das atletas foram alcançados, respetivamente, no Campeonato Europeu de Kickboxing, que decorre na Polónia, e nos Nacionais de Juniores em Pista ao Ar Livre, que se disputaram em Vagos.

Famalicão: Mário Passos congratula-se com avanços no processo de descentralização

Segundo o presidente da Câmara de Famalicão, «o princípio de acordo que os municípios aprovaram ontem com o Governo para a descentralização de competências nas áreas da Educação e Saúde prova que Vila Nova de Famalicão, assim como muitos outros municípios portugueses, tiveram razão ao recusar até ontem as propostas sugeridas pela Administração Central para os dois domínios».

A declaração de Mário Passos surge na sequência da reunião do Conselho Geral da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), do qual é membro efetivo, que teve lugar esta segunda-feira, dia 18, em Coimbra, e na qual acompanhou os seus colegas autarcas na aprovação da nova proposta setorial para a Educação e Saúde.

No caso de Vila Nova de Famalicão, para além do financiamento previsto, o autarca famalicense garantiu a inclusão no documento de um conjunto de obras a realizar até 2030, nomeadamente, a reabilitação e modernização da Escola Secundária Padre Benjamim Salgado e da Escola Básica Bernardino Machado, em Joane, as escolas básicas D. Maria II, Júlio Brandão e Nuno Simões, e a Escola Básica de Gondifelos. Ao nível da Saúde ficou garantida a construção de duas novas unidades de saúde, em S. Miguel-o-Anjo e Joane, estando ainda em negociações com a Administração Regional de Saúde para a inclusão da reabilitação das Unidades de Saúde sediadas em Famalicão.

Em declarações à imprensa, o autarca lembra que Famalicão começou por recusar assumir em 2019 a transferência das competências para as autarquias locais «por se tratarem de tarefas e não de competências e, ainda por cima, desacompanhadas das indispensáveis garantias para a sua execução».

No final do ano passado e início deste ano, o município voltou a adiar essa decisão por considerar não estarem reunidas as condições necessárias para o efeito, nomeadamente ao nível da transferência do respetivo envelope financeiro, que garantisse uma gestão eficaz das áreas.

Para o presidente da Câmara de Famalicão, «as reivindicações dos municípios foi justa e legítima» e permitiu «um acordo mais equilibrado», que reserva mais verbas para as Câmaras Municipais, destinadas à manutenção de equipamentos, para as refeições escolares, fórmulas de financiamento mais equilibradas e a garantia de obras de modernização em equipamentos ainda não intervencionados. É igualmente reservada a possibilidade para as Câmaras e as Comunidades Intermunicipais poderem vir a ter alguma autonomia na gestão dos Centros de Saúde, por exemplo, ao nível dos horários de funcionamento.

Por isso, Mário Passos fala em «avanços positivos» e espera agora que o Governo materialize este acordo.

 

Famalicão: Ana Marinho bate recorde pessoal no título nacional

Tal como CIDADE HOJE divulgou, na manhã deste domingo, Ana Marinho sagrou-se campeã nacional dos 3000 metros (com recorde pessoal na distância), título alcançado nos Nacionais de Juniores de Pista ao Ar Livre, que se disputaram em Vagos. A atleta da Escola de Atletismo Rosa Oliveira (EARO) conseguiu, ainda, o quarto lugar nacional nos 1500 metros, prova disputada no sábado.

A comitiva da EARO integrava, ainda, mais cinco atletas. Francisco Silva, nos 1500 metros, foi nono, enquanto que Ana Faria, atleta ainda juvenil, foi oitava. Nos 3000 metros, João Azevedo foi oitavo, com direito a recorde pessoal; João Rodrigues terminou no 12.º lugar e Leandro Gonçalves em 14.º. Já nos 800 metros, Francisco Silva foi 12.º e Ana Faria sexta.

Excelentes resultados dos jovens atletas da escola joanense, dado que muitos são, ainda, do escalão juvenil.