PAN propõe subsídio para arranque de eucaliptos e apoios para espécies autóctones

A deputada única do PAN, Inês Sousa Real, propôs a criação de um programa nacional que preveja a atribuição de prémios para o arranque de eucaliptos e apoios financeiros para a plantação de árvores autóctones.

Num projeto de lei que deu entrada na Assembleia da República, o partido Pessoas-Animais-Natureza propõe incentivar o arranque de eucaliptos com este programa, designado no texto de “Programa Nacional de Deseucaliptização” que, se for aprovado, entra em vigor a partir de 01 de Janeiro do próximo ano.

A deputada propõe o pagamento de “dois mil euros por hectare nas zonas de intervenção prioritária e de mil por hectare nas demais zonas”.

E prevê a atribuição de “apoios sob a forma de comparticipação financeira para as operações de conversão e de rearborização, na qual os beneficiários, para além de substituírem as suas áreas de eucaliptal por espécies arbustivas e arbóreas autóctones, assumem o compromisso de, durante 15 anos, não procederem a qualquer plantação de espécies de eucalipto (nas superfícies objecto da operação de arranque)”.

Em caso de incumprimento desta “carta de compromisso”, o beneficiário seria “obrigado a reembolsar o Estado pelo montante total de apoios, entretanto recebido, acrescido de 30%”.

O apoio à reconversão de terrenos seria “uma comparticipação financeira para os investimentos realizados, na percentagem de 50% nas zonas de intervenção prioritária e de 30% nas demais zonas, com um limite máximo de comparticipação de mil euros por hectare” e “uma compensação financeira pela perda de receita inerente à conversão, na percentagem de 100% da receita perdida nas zonas de intervenção prioritária e de 40% nas demais zonas”.

Já o apoio financeiro à rearborização seria atribuído exclusivamente quando a escolha recaísse sobre “espécies arbustivas e arbóreas autóctones”, e seria de “40% nas zonas de intervenção prioritária e de 20% nas demais zonas, com um limite máximo de comparticipação de mil euros por hectare”.

“A percentagem de prémios e apoios é majorada nas áreas de eucalipto inseridas na Rede Nacional de Áreas Protegidas, Rede Natura 2000 ou em zonas que apresentam maior suscetibilidade e perigosidade de incêndio rural”, explica o partido.

O PAN quer também que os beneficiários destes apoios sejam sujeitos a fiscalização por via de controlos administrativos e também no local, “com vistorias periódicas”.

De acordo com o projeto de lei, estes apoios seriam financiados no âmbito do Orçamento do Estado “e são passíveis de financiamento europeu, nomeadamente por via do excedente do novo cálculo das subvenções do Plano de Recuperação e Resiliência”, que pelas contas do PAN “poderá chegar aos 1.5 mil milhões de euros”.

A deputada refere também que foi aprovado no Orçamento do Estado para 2022, por iniciativa do PAN, uma proposta que prevê “uma majoração para os projetos de florestação em terras não-agrícolas que incluam o arranque de eucaliptos de crescimento espontâneo nas áreas que foram percorridas por incêndios, e outra que um programa de apoio à plantação de espécies florestais autóctones com um financiamento de 5 milhões de euros”, mas considera que “é preciso ir mais longe”.

Na exposição de motivos, a deputada única do PAN alerta para a “importância vital” das florestas e defende que em Portugal “assumem particular importância as espécies autóctones, não só por estarem especialmente adaptadas ao clima e aos solos aqui existentes, mas também porque são uma mais-valia ambiental” e “em matéria de protecção civil – tendo uma importante resistência e capacidade regenerativa face aos incêndios florestais”.

Criticando que “nas últimas décadas” tem prevalecido a “plantação de eucaliptos em detrimento de espécies autóctones, numa lógica puramente economicista assente no rendimento económico de curto prazo”, Inês Sousa Real indica que após os incêndios de 2017 “um número alargado de especialistas apontou as extensas plantações de eucaliptos como um dos principais fatores para a propagação de incêndios”.

Registo de galinhas poedeiras obrigatório em setembro

“Todos os detentores de galinhas poedeiras ficam obrigados a declarar os efetivos que possuíam à data de 01 de setembro de 2022”, lê-se num aviso da DGAV.

A entrega da declaração de galinhas poedeiras deverá ser efetuada em setembro, através do site ou nos serviços de alimentação e veterinária regionais.

Os estabelecimentos de galinhas poedeiras reprodutoras ou com menos de 350 aves estão isentos desta obrigação.

A DGAV é um serviço central da administração direta do Estado, com autonomia administrativa.

Porto: Turista de 20 anos esfaqueado em assalto realizado por três homens na baixa

Um turista de 20 anos, cuja nacionalidade não foi divulgada, foi esfaqueado na manhã desta quinta-feira na Baixa do Porto.

O crime aconteceu cerca das 07h55, no Largo dos Loios. O assalto foi levado a cabo por três homens que foram detidos pelos agentes da PSP.

A vítima foi ferida nas costas e no abdómen, acabou transportada para o Hospital de Santo António.

Fonte: JN

Joane: Pres. da Junta denuncia falta de civismo da população junto aos ecopontos

O Presidente da Junta de Joane recorreu às redes sociais para reportar mais um episódio de falta de civismo relacionado com o lixo.

Segundo António Oliveira, é recorrente o uso do espaço em redor aos ecopontos para depositar lixo não doméstico e, por isso, incompatível para a recolha pela empresa responsável pelo tratamento dos resíduos.

O autarca utilizou uma imagem recolhida junto ao ecoponto da zona da ilha para ilustrar o problema.

António Oliveira apela, uma vez mais, para o uso adequado dos ecopontos.

Portugal: Já morreram 17 pessoas afogadas desde o início da época balnear

Em todo o território nacional, e desde o início da época balnear, já morreram 17 pessoas afogadas.

A contribuir para estes números está o aumento de banhistas nas praias portuguesas, em consequência do desconfinamento, e a procura por áreas não vigiadas.

O número agora revelado, pelo Jornal de Notícias, já ultrapassa o total de mortes registado na mesma época do ano passado.

Famalicão joga em Barcelos na próx. segunda-feira e os bilhetes já começaram a ser vendidos

Na terceira jornada da I Liga de futebol o Famalicão vai até ao Estádio Cidade de Barcelos para defrontar a equipa local.

A partida está marcada para as 20h15 e já há ingressos disponíveis.

Os interessados podem comprar o bilhete por 10 euros ou o pack bilhete + transporte por 15 euros.

A venda dos bilhetes irá decorrer até às 16.30 horas de segunda-feira, e a reserva de lugar no autocarro terá de ser efetuada até sábado às 18 horas.

ASAE apreendeu 650kg’s de carne e doa 400 ao Jardim Zoológico da Maia

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica doou cerca de 400kg’s de carne ao Zoo da Maia.

O produto é proveniente de um entreposto frigorífico localizado no Porto, alvo de uma fiscalização desta entidade. A carne não estava em condições para a venda ao público mas apta para ser consumida por animais e, por isso, acabou por ser distribuída pelo Jardim Zoológico da Maia.

Ao responsável pelo espaço fiscalizado, a ASAE procedeu à instauração de um processo contraordenacional, por falta de rastreabilidade e recondicionamentos e manipulações abusivas, no caso, a passagem do estado de refrigerado para o estado de congelado dos produtos.